origem

domingo, março 05, 2006

Vitória contra 14

Conseguimos o milagre de ganhar (2-1) num campo muito difícil como é o do E. Amadora, que este ano já tinha derrotado os outros dois grandes. Ainda por cima, a vitória é tanto ou mais meritória dado que tivemos que jogar contra 14. Daí que eu fale em milagre, porque a arbitragem do Sr. Paulo Costa foi de encomenda. Já se percebeu o que o presidente do clube regional foi fazer à comissão de arbitragem da Liga na semana passada. Desde foras-de-jogo inacreditáveis assinalados aos nossos avançados (contei pelo menos uns quatro), a faltas à entrada da área não assinaladas (pelo menos duas, sendo a do lance do Robert na 2ª parte escandalosa) e passando por um critério disciplinar que o fez não expulsar (nem sequer amarelar) um jogador do E. Amadora aos quatro minutos por agressão bárbara à perna do Petit (jogador esse que viria a marcar o golo adversário e que é emprestado pelo clube regional, olha quem!) mas que o levou a mostrar uma série de amarelos aos nossos jogadores, tivemos uma excelente demonstração de como se cozinham resultados sem ter que assinalar penalties ou anular golos. Uma arbitragem à la época pré-“Apito Dourado”.

Todavia, isto não serve de desculpa para o fraco jogo que fizemos. Então na 1ª parte foi um desastre completo. O Koeman disse que se houvesse algum jogador a pensar em Liverpool sairia logo nem que fosse aos quatro minutos, mas assim sendo teria de substituir 90% da equipa. Por outro lado, acho que o holandês não esteve bem na equipa inicial. Sem o Simão, lançou logo de início o Geovanni, que não jogava há um mês, vem de uma lesão muscular e só fez dois treinos. Igualmente titular foi o Karagounis, que efectuou uma longa viagem e jogou pela selecção grega duas vezes também durante a semana. Contra avançados rápidos e baixinhos não sei se teria sido preferível colocar o Nelson em vez do Alcides, que nos fazia além disso ganhar profundidade atacante. Enfim, nada garante que com estas alterações as coisas fossem diferentes, mas o que é certo é que a 1ª parte foi para deitar fora. Sofremos um golo na sequência de uma falta inexistente e num lance em que o Moretto tem muitas culpas. Aliás, continuo sem perceber a insistência nele, que não dá segurança nenhuma à defesa. Na 2ª parte teve uma saída em falso e largou uma bola que só não entrou por imperícia do avançado da Amadora. E o Quim continua no banco…

Na 2ª parte fomos ligeiramente mais rápidos e chegámos ao empate em mais um remate do Robert, para grande desespero dos comentadores (especialmente o Joaquim Rita), que se tinham fartado de dizer mal dele durante o 1º tempo. O francês pode não correr muito, mas faz a bola correr (que é substancialmente mais importante) e tem esta capacidade de rematar sempre com perigo. Continuem a dizer mal dele… Só não percebo é porque é que não é ele a marcar TODOS os nossos lances de bola parada. Com as entradas do Manduca e principalmente do Miccoli exercemos maior pressão e o italiano fez três remates e todos acertaram na baliza. Num deles tivemos a melhor ocasião do jogo, já que depois do Bruno Vale ter feito uma boa defesa o Manduca acerta no poste na recarga. Finalmente no início do tempo de descontos um bom lançamento do Robert para a frente encontra o peito do Nuno Gomes a amortecer para o Miccoli que faz golo, com um excelente remate que ainda toca num defesa e sofre um desvio que o afasta do guarda-redes. Vitória muito sofrida, mas que se aceita pela nossa 2ª parte.

Individualmente, o destaque vai para o Miccoli, Robert (que pode jogar a passo, mas esteve nos dois golos) e Manuel Fernandes (que todavia continua a emperrar muito o nosso jogo, ao fazer sempre mais uma finta do que é necessário). Na defesa, os centrais permitiram algumas veleidades aos adversários, mas o Alcides e o Léo estiveram bem. O Petit foi generoso como sempre, mas o Nuno Gomes está numa altura de menor fulgor e só com a entrada o Miccoli se pode soltar mais. Foi uma vitória importante até pelo modo com o foi obtida e que espero que nos moralize para Anfield. Vai ser um inferno, mas temos que tentar marcar um golo. Se o conseguirmos, tudo é possível. Mas se formos eliminados já fizemos mais do que a nossa obrigação. Qualquer que seja o desfecho da eliminatória, devemo-nos é concentrar no campeonato que é o nosso verdadeiro objectivo.


P.S. - Com o empate no Boavista-Braga subimos para o 3º lugar. Vindo de uma série de sete vitórias consecutivas, o Boavista não só não ganhou como viu ainda três jogadores habitualmente titulares (entre os quais o João Pinto) levarem cartões que os impedem de defrontar o clube diferente na próxima jornada. O árbitro do jogo foi o Sr. Lucílio Baptista, outro grande artista da nossa praça. Lá está mais uma coincidência...

6 comentários:

Galaad disse...

É... o futebol é fértil nestas coincidências!

Pé Esquerdo Fulminante disse...

Foi sofrido, mas nem o arbitro conseguiu parar o Benfica! Temos estofo para ser campeões contra tudo e contra todos!

Qto ao jogo do Boavista realmente a arbitragem portuguesa é vergonhosa, só não vê quem não quer...

Força Benfica!

tma disse...

S.L.B., é verdade que o Paulo Costa e Cia. são uns artistas, uns verdadeiros jugglers, mas acho que ontem o maior obstáculo que o Benfica teve de ultrapassar foi... o próprio Benfica. É isso que mais me preocupa e que mais devia preocupar toda a estrutura de responsabilidade do Benfica, a começar pelos jogadores, pois eles são profissionais, e são eles que, em campo, têm que assumir a responsabilidade que lhes foi delegada, e ontem não o fizeram convenientemente, assim como o não em muitos dos mais recentes jogos. É natural que, contra o Liverpool queram apresentar-se no seu melhor, mas é sem dúvida aqui que se nota a diferença entre uma equipa onde predominam os estrangeiros (brasileiros incluidos) vs. equipa maioritariamente de jogadores portugueses, questão que já abortaste num post anterior: para um jogador português, ser campeão nacional tem um significado bastante maior do que para um jogador estrangeiro. Para os estrangeiros, jogar em Portugal é encarado, em muitos casos, como uma rampa de lançamento para jogar em campeonatos "mais caros", daí que, salvo raras excepções (como o Léo e o Luisão, que jogam bem em praticamente todos os jogos, sejam contra quem for), os jogadores estrangeiros acabem por se "guardar" para os jogos da CL, já que ganhar o campeonato português não lhes diz grande coisa: um bom jogo na CL "vale" muito mais que 5 bons jogos num campeonato nacional, sobretudo como o nosso (e isto já nos remete para a questão do nº de clubes que o campeonato deveria ter)...

tma disse...

Sobre o mérito da vitória de ontem, apenas me apetece dizer: "Mi-Mi-Micolli"! Foi com ele em campo que a atitude do Benfica melhorou e, em todo o jogo, foi ele sem dúvida o jogador do Benfica que mais perigo criou para a baliza do E.Amadora. Não esquecer, ainda assim, duas grandes oportunidades desperdiçadas pelo Rui Borges...

PAra 4ª feira, e apesar de continuar a conceder favoritismo (teórico) ao Liverpool, acredito que o Benfica possa seguir em frente. Que se lembrem da exibição em Manchester (até aos 70 mins) e da Luz contra o ManUtd (a partir dos 10 mins...)

guitar disse...

Estou totalmente de acordo contigo!
Exibição lamentável na 1ª parte e sofrível na 2ª.Últimos 10 minutos, apenas, com vontade de ganhar. Miccoli e Manduca viraram o cariz do jogo, mas não sei quanto tempo aguentam. Más opções no Geovanni e Karagounis que, por diferentes razões, não jogãram NADA.
O Fernandes a construir está uma desgraça, mas vai sendo importante no controlo do jogo a meio-campo. Gomes fraco, mas esforçado, como nos últimos jogos. Robert merece estar em campo só pelas bolas paradas. E acham pouco?
Tenho que dar a mão à palmatória com o Moretto. Pensei que era grande GR. Mas começo a ter dúvidas. Frango enorme no 1º golo! Tremideira naquela bola que largou. Aos papéis nas saídas e total incapacidade em saber o que fazer nas bolas paradas. Tenho muito medo para 4ª feira, onde irá haver despejos sobre despejos e faltas quanto baste.
Agora importa falar do outro elemento importante do jogo. Paulo Costa. Uma vergonha! Vermelho directo aos 3 minutos transformado em "não faças mais isto"...Em que regras está este tipo de punição? Palhaçada completa. Para compensar não fez nada ao Gomes naquela jogada idêntica à do Beto contra o Liver... Livres idiotas, num dos quais resultou o golo, onde não houve falta, porque o Luisão acerta SÓ na bola! Os foras-de -jogo então foram de bradar aos céus e acho até que os fiscais de linha eram ainda mais encomendados que o sinistro Costa. Eu já te tinha dito no meu comentário ao jogo do FCP que iríamos ser roubados. O que não anula a 1ª parte à Guimarães e o resto muito perto.
Ganhar foi bom, mas não esconde a realidade actual. Estamos mal. Numa fase de desgaste e ausência de talento quase total.
Espero que em Anfield a motivação faça milagres e Koeman ponha o Miccoli e o Geovanni a jogar. É o tipo de jogo para eles.
Palavra final para outro sinistro, o Sr. Baptista. Lagarto como é, tratou de facilitar a vida ao seu clube e retirou do próximo jogo perigosas ameaças. Um jogo normal em termos de entrega e disputa de jogo deu um festival de amarelos e um vermelho. Será que alguém viu uma batalha campal? Eu não.
Já sei com o que vamos levar até ao fim do campeonato em termos de arbitragem, agora que o Apito está em banho-maria. Mas, se jogarmos bem, ninguém nos conseguirá contrariar. O problema é conseguir isso com esta mentalidade nos jogadores, as confusões no plantel (que se percebem em vários indícios, como o do folhetim Mantorras) e um treinador que parece mole, sem pulso e dependente daquilo que o adjunto diz para fazer. Não concordas ?
Boa sorte para todos nós par 4ª feira. E venha a seguir o Arsenal.

|lestat01| disse...

Da arbitragem nem vale a pena falar. Quem viu o jogo seja de que cor clubistica for dificilmente conseguirá negar a vergonha que aquela arbitragem foi. Como disse no meu blog depois nós é que somos levados ao colo...

Só vale mesmo a pena falar do Miccoli que mostrou o porque de ter sido contratado. Espontaneadade de remate fantastica que deu a vitória e até podia ter marcado mais do que um golo (boa defesa do Bruno Vale)