origem

sexta-feira, dezembro 07, 2018

Enfadonho

Vencemos na 4ª feira o Paços de Ferreira por 2-0 na 2ª jornada da Taça da Liga e basta-nos um empate na Vila das Aves na última jornada para seguirmos para a final four em Braga. O melhor que se tirou desta partida foi que ganhámos e isso, nos dias que correm, já não é nada mau.

O Rui Vitória fez algumas alterações, mas o Vítor Oliveira (o treinador que vai fazer o Paços subir no final da época – aliás, eu até acho que nem valia a pena jogar, bastaria ver para onde iria o Vítor Oliveira e a equipa subiria para a I Liga automaticamente) substituiu os 11(!) jogadores. Inaugurámos o marcador aos 11’ pelo Seferovic depois de uma boa combinação entre o Alfa Semedo e o Zivkovic. Log a seguir desligámos do jogo e só voltámos à vida aos 45’ com o segundo golo pelo João Félix, numa recarga a uma bola cortada na área, depois de um centro do Zivkovic na esquerda desmarcado por um toque de calcanhar do mesmo João Félix. Na 2ª parte, ainda atirámos uma bola ao poste pelo Seferovic, o Alfa Semedo teve uma boa jogada individual com remate fraco e o Zivkovic fez um centro largo da esquerda com a bola a ser cortada in extremis por um defesa antes de chegar ao Gedson, que só tinha que encostar. Do lado contrário, só um livre pôs à prova o Svilar, que blocou bem a bola.

Em termos individuais, o Zivkovic participou nos dois golos e o Seferovic foi dos melhores até ser substituído pelo Castillo por volta da hora de jogo. Todos os outros estiveram a um nível mediano, com destaque para o facto de o Rui Vitória ter utilizados três dos quatro defesas habitualmente titulares: só o Yuri Ribeiro entrou para o lugar do Grimaldo. O que dá bem nota do que o treinador conta (ou não...) com o Corchia, Conti e Lema.

Fizemos o suficiente para vencer uma equipa que jogou com 11 suplentes. O futebol chegou a ser enfadonho, mas nota artística é algo que não se vê há algum tempo na Luz. Não se vislumbra grandes conquistas com esta maneira de jogar, mas também já se percebeu que as coisas não vão mudar. Pelo menos, para já.

terça-feira, dezembro 04, 2018

A luz que nos deu

Goleámos o Feirense no passado sábado por 4-0 no final de uma semana muito sui generis e afastámos a pressão que estava sobre nós, pelo menos no imediato. Depois de uma 1ª parte esforçada, mas sem grandes oportunidades, abrimos o livro na 2ª e voltámos a realizar uma boa exibição. Já não era sem tempo!

A entrada do Zivkovic para o lugar do Cervi foi a única das “mudanças” prometidas pelo Rui Vitória, mas só criámos uma verdadeira oportunidade de golo na etapa inicial pelo Pizzi num livre directo, bem defendido pelo Caio Secco. Durante toda a 1ª parte, ambos os topos estiveram em silêncio (excepto à passagem dos 30’) em protesto por tudo o que se tem vindo a passar. Vieram do 3º anel as vozes que, de vez em quando, iam puxando pela equipa.

A 2ª parte não poderia ter começado melhor com o Jonas a inventar o primeiro golo logo aos 49’, na sequência de um centro do Grimaldo na esquerda, com um toque a fazer levantar a bola e depois um remate cruzado de pé esquerdo sem hipóteses para o guarda-redes. Apesar de estar mal classificado, o Feirense não tinha muitos golos sofridos, mas depois deste nosso tento ruiu como um baralho de cartas. Dois minutos volvidos, o Rafa ganhou bem uma bola sobre um defesa, centrou para o Jonas, mas a bola não foi rasteira o que dificultou o toque do nosso avançado, que a fez ainda tocar no poste, quando estava sozinho perante o guarda-redes. No entanto, e depois de um golo (bem) anulado ao nosso nº 10 por fora-de-jogo, fizemos o segundo aos 63’, num autogolo do Bruno Nascimento, que inseriu a bola na baliza na tentativa de não a deixar chegar ao Jonas, depois de um cruzamento do Rafa na esquerda. Cinco minutos depois, o próprio Rafa aumentou para 3-0 na melhor jogada do desafio: combinação na esquerda entre Zivkovic, Pizzi e Jonas, com este a centrar para a área, onde o Caio Secco não blocou e o Rafa marcou na recarga. Com o jogo ganho, o Rui Vitória começou a fazer substituições e foi o Seferovic a fechar o marcador com um golo à ponta-de-lança aos 89’: centro do Zivkovic na esquerda, o suíço tenta chegar à bola de carrinho, mas não consegue, o guarda-redes não a agarra e o Seferovic levanta-se rápido e marca à meia-volta. Foi uma bela forma de terminar a partida!

Em termos individuais, destaque para o Rafa, pelo golo e pela assistência para o que acabou por ser um autogolo, para o Zivkovic, que também participou activamente em dois golos e para o Jonas por ter papel preponderante noutros dois, um enquanto marcador. O Fejsa subiu imenso de forma, fartou-se de cortar bolas no meio-campo e a equipa pôde jogar muito mais à frente do que tem sido habitual. Isto aliado a uma maior dinâmica de parte de todos, a não deixar o Feirense respirar, especialmente na 2ª parte, deu o resultado que deu. O que é de questionar é o que se passou nos últimos dois meses para não ter sido assim, sendo os jogadores e o treinador os mesmos. Se era tão fácil quanto ligar a luz, poderiam ter avisado muito mais cedo!

Veremos quanto tempo aguenta este balão de oxigénio e se esta exibição terá continuidade nos próximos tempos. É que vêm aí uma série de jogos até final do ano civil e não nos podemos dar ao luxo de desperdiçar mais pontos, dado que a nossa 2ª volta irá ser muito mais difícil do que a primeira.

sexta-feira, novembro 30, 2018

‘Feeling’

'Volteface': Rui Vitória permanece

Portanto, deixem-me ver se eu percebi bem isto: a administração de um clube reúne-se à tarde para discutir um assunto importante, a reunião dura várias horas e é tomada uma decisão pensada e amadurecida, com a qual todos concordam. A comunicação social em uníssono noticia essa decisão, mas de manhã, quando acorda, o presidente tem um “feeling” (sic) e dá uma pirueta de 180º, decidindo completamente à revelia do que tinha ficado acordado na noite anterior. De tal modo que, segundo o próprio, o director-geral para o futebol do clube, que esteve nessa reunião, ficou “perplexo” quando soube da decisão. Foi isto que se passou? É assim que é suposto gerir-se um clube? Por ‘feeling’? Por ‘epifania’? Por uma “luz que se dá” (sic)?

O Luís Filipe Vieira veio dizer ontem em conferência de imprensa que já teve esse “feeling” em 2013, que o levou a manter o Jorge Jesus contra a opinião generalizada, e que não é “resultadista”. Sou insuspeito para falar disto, porque na altura era totalmente a favor da manutenção do treinador. Ora, estar a comparar estas duas situações é um primeiro sintoma do desnorte do LFV. Senão vejamos: em 2013, vínhamos de três derrotas, é verdade, MAS em FINAIS, sendo que nas duas primeiras sofremos os golos aos 92’ em jogos que NÃO merecíamos perder. Mais: em toda essa época fomos CLARAMENTE a melhor equipa nacional. É preciso estar noutra galáxia para comparar essa situação com a actual, onde fomos derrotados em casa pelo Moreirense, ganhámos a uma equipa dos últimos lugares da II Liga no tempo de compensação e fomos humilhados em Munique. Para além do facto nada despiciendo que não estarmos a jogar NADA há uma série de tempo e não se ver forma de a equipa técnica dar a volta à situação, com os jogadores a estarem perdidos em campo. Não, a situação não é de todo comparável.

Mas o que mais me espanta nesta decisão incompreensível é o LFV desvalorizar o facto de isto lhe ir rebentar no colo se correr mal (e eu mais depressa acredito no ‘milagre’ de Fátima do que na capacidade do Rui Vitória para dar a volta a esta situação). Ou seja, o odioso da questão vai passar do RV para ele. A culpa de um eventual fracasso desta época deixou de ser do treinador e será totalmente do presidente. O que poderá significar, no limite, o início da sua própria queda. Porque, arrisco-me a dizer, devem contar-se só com uma mão (e ainda sobrarão dedos) os benfiquistas que concordam com a manutenção deste treinador, perante a miséria futebolística que temos exibido. E ele desvalorizar este facto só posso atribuir a um aspecto: muito tempo no poder provoca inevitavelmente alguma cegueira. A pessoa julga-se imune a tudo. Mas temos ‘n’ exemplos de como as coisas mudam muito depressa no futebol...

P.S. – Em termos de decisões ‘não-resultadistas’, o que se irá passar se não ganharmos amanhã ao Feirense? Duvido que continue tudo na mesma, porque as coisas ficarão para lá do insustentável. Só que serão mais pontos perdidos e a distância para o primeiro lugar começará a ficar difícil de ultrapassar. Ou seja, tudo isto terá sido tempo perdido. (ESPERO BEM QUE ME ENGANE!)

* Publicado em simultâneo com a Tertúlia Benfiquista.

quarta-feira, novembro 28, 2018

Previsível

Fomos goleados em Munique pelo Bayern (1-5) e estamos fora da Liga dos Campeões. O que valeu foi que o Ajax foi ganhar a Atenas ao AEK (2-0) e, portanto, já temos assegurada a continuação nas provas europeias em 2019. E isto não é de somenos relevância, porque pelo modo como (não) estamos a jogar não será de estranhar se os gregos vieram ganhar à Luz na última jornada, logo é bom que já não precisemos desse resultado para irmos à Liga Europa.

Não era preciso ser um expert em futebol ou sequer um Zandinga para ter previsto o que se iria passar neste jogo. Bastaria ter visto os últimos jogos do Benfica e ser possuidor de um mínimo de inteligência. Se contra o Arouca, que está um ponto acima da linha de água na II Liga, não conseguimos jogar à bola, não seria frente ao Bayern que o íamos conseguir fazer. Mesmo estando os bávaros num mau momento interno. Por isso, o meu desejo para este jogo era unicamente não bater os recordes do CRAC (1-6) e lagartos (1-7) naquele mesmo estádio. Conseguimos!!! Yeah!!!!

Isto é tudo muito triste e nem vale muito a pena falar da constituição da equipa ou de tácticas. Durámos 13’ (conseguimos melhor do que na última vez que lá estivemos, em que sofremos um golo aos 2’! Yupi!!!), até que o Robben serpenteou por três(!) jogadores nossos e fez o seu golo típico (partir da direta para o meio e bola em arco ao poste mais distante). Aos 30’, o mesmo Robben voltou a marcar noutro remate sem hipóteses para o Vlachodimos. Pouco depois, lá veio o tradicional golo sofrido de bola parada: canto na direita aos 36’ e o Lewandowski de cabeça no meio(!) dos centrais (Rúben Dias e Conti) a marcar. O Gedson entrou ao intervalo para o lugar do Pizzi e logo no primeiro minuto da 2ª parte reduziu para 1-3 na sequência de uma boa tabelinha com o Jonas. Mas o Bayern respondeu quase de imediato, com novo golo de cabeça do Lewandowski aos 51’, outra vez de bola parada e outra vez no meio(!!!) dos nosso centrais. Até final, ainda deu para o Ribéry fechar a contagem aos 76’ com um remate à vontade na grande área, depois de uma jogada pela esquerda. E devemos ao Vlachodimos o resultado ter sido este, dado que fez duas ou três defesas absolutamente fantásticas, que impediram que fosse ainda mais humilhante.

Como já esperava uma debacle destas, ficar muito chateado com isto seria o equivalente a ficar chateado por haver uma segunda-feira a seguir a um domingo. Já sabemos que isso vai acontecer. É bastante visível para muita gente, na qual me incluo, que esta situação só pode ser resolvida com uma medida. Assumo que demorei a lá chegar (há pessoas que reivindicam isto há muito mais tempo), mas o que (não) vemos em campo tornam tudo demasiado óbvio. Eu não sei se uma outra solução vai melhorar as coisas, mas sei é que mantendo as coisas como estão actualmente as coisas não vão melhorar de certeza. Antes pelo contrário. E ainda vamos muito a tempo de as reverter, para ver se ganhamos qualquer coisa esta temporada. Seria inconcebível, com a qualidade do nosso plantel, que ficássemos novamente a zeros.

segunda-feira, novembro 26, 2018

Medonho

Vencemos o Arouca na passada 5ª feira por 2-1 e qualificámo-nos para os oitavos-de-final da Taça de Portugal. E, pronto, este post poderia acabar aqui, porque nada mais de positivo há a dizer. Dos 399 jogos (entre particulares e oficiais) que o Benfica disputou na Nova Luz, eu estive presente em 396, portanto é com legitimidade que posso dizer este entra de caras no top 3 dos piores jogos que o Benfica fez.

Perante uma equipa que está um ponto acima da linha de água(!) na Segunda Liga, tivemos duas velocidades no primeiro tempo: devagar e parados. O Arouca inaugurou o marcador na primeira vez que chegou à nossa área, aos 19’, num remate de trivela do Bukia. Com o regressado Krovinovic a extremo-esquerdo(!) e dois avançados, foram estes a construir o empate aos 42’, na única jogada de jeito na 1ª parte: arrancada do Seferovic na esquerda e remate do Jonas sem hipóteses para o guarda-redes. Percebeu logo que seria muito importante não irmos para o intervalo a perder e o que aconteceu na 2ª parte deu razão a essa ideia (caso não tivéssemos marcado, correríamos mesmo o sério risco de ser eliminados).

Quando se esperava uma melhoria substancial no segundo tempo, porque fazer pior era praticamente impossível, a entrada do Rafa agitou um pouco as coisas, mas foi sol de pouca dura. Não conseguimos criar muitas oportunidades, nem desorganizar a defesa deles. E foi mesmo o Arouca a ter duas grandes oportunidades nos últimos 10’, com uma grande defesa do Svilar a uma cabeçada adversária e outro lance em que o Alfa Semedo facilitou, e um avançado contrário falhou o toque de calcanhar quase em cima do nosso guardião. Aos 93’, salvámo-nos do prolongamento com um centro do Seferovic na esquerda, desvio de cabeça do Jonas e concretização do Rafa ao segundo poste.

Não vou destacar ninguém individualmente, porque ninguém merece. Faço antes uma revelação: foi a primeira vez na vida em que, findo um jogo, eu assobiei o Benfica. E fi-lo, porque um grande ex-jogador nosso, dias depois deste jogo, me disse que tinha sido um grande disparate os aplausos no final. Os jogadores teriam merecido era uma grande assobiadela, porque não era admissível terem precisado dos penalties para eliminar uma equipa de um escalão secundário ainda por cima na Luz. Isto mudou a minha percepção das coisas, mas até esta 5ª feira nunca tinha tido razões tão fortes que me levassem a quebrar esta regra de não assobiar o Benfica. Atingi, portanto, o meu limite.

Não há fio de jogo, os jogadores parecem perdidos em campo, não há velocidade, o Jonas teve que recuar ‘n’ vezes ao meio-campo para buscar a bola, nada, Nada, NADA! Os jogadores até se esforçam fisicamente, mas não se vê nada, não há organização nem defensiva, nem ofensiva, não conseguimos sequer sufocar a equipa contrária em busca do golo nos últimos minutos! É só contar as defesas que o guarda-redes fez ou as oportunidades claras que tivemos. Com a vitória em Tondela e depois de duas semanas de selecções, sinceramente esperava uma retoma. Mas não houve e já percebi que, com este treinador, não vai haver. Estamos pior do que a equipa do Quique Flores. Olha-se para o que estamos a fazer em campo e não se vê como é que as coisas vão melhorar. Os jogadores parecem descrentes neles mesmos e antevejo o pior amanhã em Munique. É que o Bayern precisa de um bom resultado para fazer esquecer a má campanha interna e nós somos nesta altura um adversário que permite golos de todas as equipas. Temo um massacre. Oxalá me engane!

quarta-feira, novembro 21, 2018

Itália e Polónia

Um empate (0-0) em San Siro frente à Itália no passado sábado qualificou-nos para a final four da Liga das Nações. Depois de termos ganho em casa aos italianos ao fim de 61 anos, voltámos a fazer história ao conseguir apenas o segundo empate (passados 51 anos!) em 13 jogos, num terreno em que nunca ganhámos. Sofremos na 1ª parte, mas o Rui Patrício esteve bem, tendo os italianos abrandado o ritmo na 2ª. Na parte final, tivemos um par de oportunidades, especialmente num remate do William Carvalho bem defendido pelo Donnarumma.

Ontem, em Guimarães, voltámos a empatar (1-1) desta feita com a Polónia e fomos a única selecção a terminar a Liga A sem derrotas. Colocámo-nos em vantagem aos 33’, num canto do Renato Sanches na esquerda e cabeçada do André Silva ao primeiro poste. Na 2ª parte, o Danilo derrubou o Milic isolado, foi expulso e o mesmo Milic marcou o penalty aos 66’sem hipóteses para o Beto. A jogar com menos um, já não fomos capazes de chegar à vitória.

Foi um enorme sucesso esta nossa participação na fase de grupos da nova Liga das Nações e teremos agora a final four em casa, no Porto e em Guimarães, em Junho do próximo ano. Selecções históricas como a Alemanha, Espanha e França (para além da Itália) não irão estar presentes, ao invés teremos a Inglaterra, Holanda e Suíça. Temos uma boa oportunidade para inscrever o nosso nome como o primeiro vencedor desta nova competição oficial.

segunda-feira, novembro 12, 2018

Sem brilho

Vencemos em Tondela por 3-1 e voltámos finalmente a ganhar ao fim de quatro jogos. Os três pontos é o que se tira de relevante da partida de ontem, dado que melhorias na nossa exibição continua a ser algo que não se vê. Mas, como os outros dois ganharam (o CRAC 1-0 em casa ao Braga, depois de levar duas bolas nos postes, e a lagartada 2-1 em casa ao Chaves, depois de uma inacreditável expulsão e um penalty a favor, que entra directamente para o anedotário nacional, assinalados pelo Sr. Tiago Martins), mantivemos a desvantagem de quatro e dois pontos, respectivamente.

Num terreno muito pesado, por causa das fortes chuvadas, entrámos praticamente a perder com um autogolo do Conti, que rematou para o lado contrário para onde estava virado(!) e fez a bola entrar na nossa baliza logo no primeiro minuto. Num encontro em que tínhamos obrigatoriamente que ganhar, não poderíamos ter começado pior! Felizmente, não demorámos muito tempo a responder e, aos 9’, um bom centro do André Almeida foi ainda melhor correspondido pelo Jonas, com um cabeceamento brilhante a repor a igualdade. Tínhamos grandes dificuldades em ligar o nosso futebol (para não dizer que não ligávamos de vez…) e a nossa, chamemos-lhe, estratégia era passos longos geralmente para o Rafa. Foi o nº 27 a criar o lance de maior perigo a seguir ao golo, ao atirar ao poste à passagem da meia-hora num remate cruzado de pé direito, para pouco depois ter uma óptima recepção, mas rematar de trivela muito torto quando estava em boa posição. Do lado contrário, o Conti salvou sobre a linha uma bola picada sobre o Vlachodimos depois de uma jogada pela esquerda da nossa defesa, em que o Grimaldo foi batido de forma infantil. Mesmo em cima do intervalo, foi o Rúben Dias a ver o seu cabeceamento num canto desviar num defesa e perder força, chegando facilmente ao guarda-redes.

Na 2ª parte, o nosso domínio intensificou-se, mas tínhamos sempre muita dificuldade em manobrar a bola no meio-campo contrário. Mesmo assim, o Pizzi atirou a rasar o poste, depois de uma boa combinação com o André Almeida. Aos 54’, a burrice extrema atingiu um jogador do Tondela, David Bruno, que, com o jogo parado e já depois de ter visto um amarelo, rasteirou o Cervi por trás. O Sr. João Pinheiro mostrou-lhe naturalmente o segundo amarelo e correspondente vermelho. O Rui Vitória fez entrar o Seferovic para o lugar do Cervi, mas apanhámos um grande susto mesmo contra dez, com um cabeceamento do Xavier para grande defesa do Vlachodimos. Pouco depois, aos 64’, colocámo-nos finalmente em vantagem pelo Seferovic, depois de uma boa triangulação atacante entre o Pizzi, Jonas e André Almeida, com este a fazer a segunda assistência do jogo para um desvio fácil do suíço. Parecia que o jogo ficava bem encaminhado, mas já se percebeu que esta época nada é garantido. O Tondela teve uma enorme oportunidade a pouco mais de 15’ do fim, com Xavier a aparecer isolado frente ao Vlachodimos, mas a atirar milagrosamente ao lado. Selámos a vitória aos 75’ através do Rafa, depois de ter sido isolado pelo Pizzi, num lance em que muitos não devemos ter comemorado logo, porque o nosso jogador parecia mesmo estar em fora-de-jogo. O VAR confirmou que assim não era e até final ainda deu para o Tondela ficar a jogar com dez, por uma entrada a destempo do Ícaro sobre o Rafa.

Em termos individuais, destaque para o André Almeida com as suas duas assistências, para o Jonas que, apesar de não estar visivelmente na sua melhor forma, já soma quatro golos nas quatro vezes que foi titular, e para o Rafa, que finalmente parece que atinou com a baliza e tem sido o nosso jogador mais desequilibrador.

Haverá agora a pausa para as selecções, mas sinceramente não estou nada confiante para o resto desta época. O nosso futebol continua muitíssimo sofrível e ainda ontem, se não fosse a idiotice do defesa do Tondela, não estava bem a ver como iríamos criar os desequilíbrios necessários para marcar. E, mesmo a jogar contra dez, permitimos duas grandes oportunidades ao adversário...! A maior parte do tempo parece que não sabemos o que fazer à bola, a nossa saída a jogar é sempre pelo Grimaldo e basta marcá-lo para termos que andar ao chutão para a frente. No meio-campo não há ninguém para pegar no jogo e levar a bola, e é relativamente fácil ao adversário bloquear-nos os movimentos. Ou isto leva uma volta de 180º, ou então é mesmo melhor esperar por magia (citando o nosso treinador) para ganharmos qualquer coisa esta época…

sexta-feira, novembro 09, 2018

Inoperância

Empatámos (1-1) frente ao Ajax na 4ª feira e só um milagre nos livrará de ir para a Liga Europa a partir de Janeiro. Mesmo se tivéssemos vencido os holandeses, teríamos continuado atrás deles, mas assim, com quatro pontos de desvantagem e uma ida a Munique num dos dois jogos que faltam, a qualificação para os oitavos da Champions é praticamente impossível.

O Rui Vitória trocou os alas (Salvio e Cervi em vez de Rafa e João Félix) e sentou o Pizzi em favor do Gabriel em relação à catástrofe do Moreirense, mas ‘jogar futebol’ é algo que continua muito distante daquilo que fazemos em campo... Curiosamente, até entrámos bem nos primeiros seis minutos, com remates do Grimaldo e Cervi a permitirem defesas do Onana, mas depois só aos 29’ entrámos de novo na área e para fazer o único golo: saída em falso do Onana a um lançamento lateral nosso e a bola a sobrar para o Jonas não perdoar. Até ao intervalo, o mesmo Jonas cabeceou de raspão num livre, quando estava em boa posição para aumentar a vantagem, mas foi o Ajax a ter a melhor oportunidade, já em cima dos 45’, num livre defendido pelo Vlachodimos e a recarga a não entrar por milagre, com um adversário a falhar o desvio em cima da linha de golo!

Apesar de termos conseguido o objectivo de não sofrer golos até ao intervalo, a 2ª parte adivinhava-se muito complicada. E a nossa postura foi revelada logo no início: foi a primeira vez na vida que vi uma equipa nossa perder tempo com uma substituição aos 47’. O Salvio tinha-se lesionado no final da 1ª parte, não foi substituído ao intervalo para o ser logo no princípio da 2ª parte pelo Rafa. Ridículo! Aos 55’, foi o Jonas a pedir a substituição e a entrar o Seferovic, mas o Ajax estava por cima e o inevitável aconteceu aos 61’: bola nas costas da nossa defesa, o Vlachodimos não foi lesto a sair, o Tadic contornou-o e picou a bola sobre o Rúben Dias, que não conseguiu cortar. Logo a seguir, o Grimaldo entrou na área, rematou, mas o Onana defendeu. O Pizzi ainda entrou a 15’ do fim, mas as coisas não se alteraram significativamente até final. Mesmo assim, no último minuto da compensação tivemos uma grande oportunidade num ressalto num canto, com a bola a sobrar para o Gabriel, que rematou para uma defesa de recurso com a perna do Onana.

Em termos individuais, o Grimaldo foi o melhor, na medida em que foi o único a ter capacidade de levar a bola com perigo para a frente. O Jonas não está visivelmente a 100% (nem poderia), mas leva o segundo jogo consecutivo a marcar e é isso que se quer num avançado. Todos os outros estiveram num nível mediano, mas o problema é outro: não estamos a jogar nada! Não há fio de jogo, o futebol é aos repelões e basta contabilizarmos um indicador: a quantidade de vezes que saímos a jogar com o Vlachodimos a chutar para frente! Aquilo não é nada! E volto a repetir o que já escrevi aqui anteriormente: não vejo capacidade na equipa técnica para conseguir da a volta a esta situação.

Teremos a deslocação a Tondela no próximo domingo, em que não nos podemos dar ao luxo de desperdiçar mais pontos. Um resultado negativo tornaria a situação insustentável. Espero que isso não aconteça, porque a distância para os primeiros começaria a ser muito difícil de ultrapassar.

segunda-feira, novembro 05, 2018

Descalabro

Perdemos na 6ª feira em casa frente o Moreirense (1-3) e, com nove jornadas decorridas e já tendo recebido a lagartada e o CRAC na Luz, estamos a dois e quatro pontos deles, respectivamente. Além de que corremos o risco de terminar esta jornada em 5º lugar, se o Rio Ave vencer hoje o Nacional. Ou seja, duas jornadas depois de termos ganho pela 4ª vez em 14 épocas ao CRAC na Luz e termos conseguido o 1º lugar, tudo mudou radicalmente. Porquê…?

Com a lesão do Seferovic, o Rui Vitória promoveu a natural titularidade do Jonas e entrou igualmente o João Félix para o lugar do Salvio. E foram estes dois a fabricar o primeiro golo logo aos 3’, numa abertura fabulosa do miúdo para o primeiro golo do Jonas no campeonato. Depois de duas derrotas consecutivas e alguma contestação à equipa técnica, este golo tão cedo deveria ter tranquilizado a equipa e dado o mote para uma boa exibição. Mas nada disso sucedeu. O Moreirense empatou pouco depois (aos 5’) na primeira de uma série de jogadas pelo nosso lado esquerdo, onde o Grimaldo é sempre muito ofensivo e o João Félix não foi feito para defender, que culminou com um remate do Chiquinho, que por ter sido nosso jogador (ainda que só nesta pré-época) não festejou. Registei. No minuto seguinte, o Rafa desmarcou-se bem, tentou o chapéu, mas o guarda-redes Jhonatan salvou quase sobre a linha. Aos 16’, o impensável aconteceu com a reviravolta no marcador, noutra jogada pelo nosso lado esquerdo, com o Fejsa a não conseguir compensar a subida do Grimaldo e a permitir o centro para a concretização do Pedro Nuno. À passagem da meia hora, um bom centro do Pizzi encontrou o Jonas sozinho na área, mas a cabeçada deste sem tirar os pés da relva saiu por cima da barra. Um jogador como o Jonas tinha a obrigação de acertar na baliza… Logo a seguir, foi a Rafa a ganhar uma bola que só ele conseguia, ultrapassando um defesa e o guarda-redes, como também a falhar como poucos conseguem, quando só tinha um defesa entre ele e a baliza. Pensava que estes momentos Rafa vintage tinham acabado esta época… O Moreirense não se limitava a defender a vantagem e aos 36’ o Loum fez o 1-3 num remate de muito longe, depois de um péssimo alívio do Jardel ter colocado a bola num adversário. O intervalo chegou pouco depois, com um natural coro de assobios e lenços brancos.

Na 2ª parte, o Rui Vitória fez entrar o Salvio e o Castillo para os lugares do André Almeida e Pizzi, e nos primeiros minutos apresentámos alguma vontade de inverter o catastrófico cenário. No entanto, não chegámos a ter nenhuma verdadeira oportunidade, ao contrário do Moreirense que, num livre para a área, esteve perto de fazer aumentar o escândalo. (De facto, a saída dos postes é de longe o ponto mais fraco do Vlachodimos.) O Benfica até tentava, mas não tinha engenho nenhum (à semelhança da 2ª parte no Jamor na semana passada) para criar desequilíbrios na defesa contrária. Por outro lado, os jogadores davam mostras de muito nervosismo, com o Jonas a disputar uma bola com bastante rudeza e a levar um amarelo, e o Jardel a dar uma cotovelada a um adversário na barreira num livre a nosso favor e a ser naturalmente expulso pelo Sr. Nuno Almeida. Nada a dizer, senão condenar veementemente a atitude do nosso capitão! Até final, houve dois lances discutíveis na área do Moreirense, sobre o Rafa e o Cervi, mas nada foi assinalado. O jogo chegou ao fim com enorme contestação à equipa técnica.

Não vou destacar ninguém individualmente, porque o que se passou foi muito mau. Quando um dos esteios da equipa, o Fejsa, passou completamente ao lado do jogo e outro, o Jardel, se fez expulsar daquela maneira, não é preciso acrescentar mais nada.

Tenho pensado muito nisto e não sei como se vai dar a volta a esta situação sem tomar decisões drásticas. A equipa está completamente descrente e isso é incompreensível, porque começámos bem a época com a qualificação para a Champions e tivemos a tal vitória sobre o CRAC. Há duas coisas especialmente graves: o desequilíbrio emocional dos jogadores, principalmente dos mais experientes, e a total incapacidade para dar a volta a um jogo quando estamos em desvantagem. É que, principalmente nessa altura, não se vê estratégia nenhuma para conseguir criar situações de golo: foi mau no Jamor e foi muito pior na 6ª feira. A equipa tenta, mas claramente não tem ideias. Não há dúvidas sobre a qualidade do plantel e estarmos na posição em que estamos tem que ser culpa de alguém… Ainda por cima, o calendário da 1ª volta é-nos muito mais favorável do que o da 2ª e já estarmos com esta desvantagem nesta altura não augura nada de bom para o futuro. Há que tomar medidas e rápido!

segunda-feira, outubro 29, 2018

Banhada

Perdemos no Jamor frente ao Belenenses SAD por 0-2 no sábado e não só desperdiçámos a oportunidade de ficarmos isolados na frente, como vimos o CRAC (2-0 em casa frente ao Feirense, com o primeiro golo do Felipe em claro fora-de-jogo, mas o VAR aparentemente só funciona para alguns...) passar à nossa frente. Foi a nossa segunda derrota consecutiva, mas ao contrário de Amesterdão com uma exibição muito pior.

Perante uma equipa que ainda só tinha ganho um jogo(!) no campeonato esta época e que estava há quatro sem marcar qualquer golo, até entrámos bem e deveríamos ter resolvido a partida logo na 1ª parte: Salvio, Rafa e Gedson tiveram excelente ocasiões, mas a bola saiu ao lado no primeiro, um defesa de costas no chão(!) evitou no segundo e o Muriel defendeu no terceiro. À passagem da meia-hora, o Salvio foi derrubado na área, mas o Artur Soares Dias teve que ir ao VAR (e demorou séculos!) para assinalar o penalty. O mesmo Salvio permitiu a defesa do Muriel e, a partir desse lance, nunca mais fomos os mesmos. Até porque aos 36’, o Vlachodimos fez penalty sobre o Licá e o Eduardo não desperdiçou. Com um penalty falhado e 0-1 no marcador, perdemo-nos em campo e sofremos o segundo golo aos 42’ pelo Keita, depois de entrar à vontade pelo meio da nossa defesa e rematar sem hipóteses para o Vlachodimos.

A 2ª parte começou com o Jonas no lugar do Salvio e um trio de oportunidades pelo Rafa e o próprio Jonas por cima, e o Pizzi ao lado. Aos 68’, o Rui Vitória achou que tinha de mudar alguma coisa e tirou o Pizzi para colocar o Castillo. Ficámos a jogar com três avançados e (surpresa das surpresas...!) passámos a afunilar o jogo, e deixámos praticamente de conseguir chegar à grande-área contrária. Até final, foi mesmo o Belenenses SAD a ter um par de oportunidades, com o Vlachodimos a salvar uma delas perante o Licá isolado.

Em termos individuais e no meio da mediocridade quase completa, salvou-se o Gedson e o Rafa, porque foram os únicos a imprimir alguma velocidade e intensidade ao nosso jogo.

No final do encontro, o Rui Vitória veio desculpar-se com a falta de eficácia. Sim, é verdade que, especialmente na 1ª parte, falhámos uma série de golos e inclusive um penalty, mas o que é mais grave é a incapacidade que demonstrámos depois de sofrer o golo. A equipa deixa de ter soluções, parece completamente perdida em campo e do banco não vêm sinais positivos, antes pelo contrário: o Rui Vitória tem o hábito de atirar jogadores para a frente, para a ‘molhada’, na esperança que caia alguma bola do céu. Ora, isto como táctica para derrubar uma defesa só pode ser para rir... Ainda nesta partida, o Rui Vitória disse que mudou, porque “era preciso fazer qualquer coisa”. Ora bem, com dois extremos no banco (Cervi e Zivkovic), não se percebe porque é que colocou mais um avançado, quando o que estava na cara era que precisávamos de velocidade na frente e mais bolas que chegassem à área, porque só tínhamos o Rafa a fazer isso. Colocar avançados é escusado se a bola não chega lá...! Só quando entrou o Zivkovic aos 84’, é que voltámos a ter alguém com capacidade decisória no meio-campo. E aí já foi tarde demais.

P.S. – Gosto muito de ir ao Jamor, MAS é em tardes de finais da Taça! À noite e com chuva, está longe de ser aprazível. Não se percebe como é que se faz uma lei que permita que um clube e uma SAD possam cada um deles ter a sua equipa de futebol. Que sentido é que isto faz?! Por outro lado, com a chuvada ao intervalo (que raios, as nossas idas ao Jamor estão enguiçadas pela chuva, já na final da Taça de há duas épocas foi a mesma coisa!) e a perder por 0-2, houve muitos adeptos do Benfica que se foram embora. Não vejo assim tanta diferença em relação àquelas pessoas que abandonam o estádio aos 85’ com 3-0 a nosso favor. O princípio (ou a falta dele) é o mesmo!

quinta-feira, outubro 25, 2018

Déjà vu

Um golo do Ajax aos 92’ derrotou-nos em Amesterdão (0-1) na 3ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, que decorreu na passada 3ª feira. Foi um fim muito cruel de um jogo onde não merecíamos ter sido derrotados. Por muito estranho que possa parecer, sai muito mais chateado do jogo frente ao AEK (apesar de termos ganho) do que deste. E já vi muita gente a cascar no Rui Vitória, mas acho que desta vez sem razão.

O regresso do Jardel, a titularidade do Rafa na esquerda e o Gedson no lugar do Gabriel foram as novidades em relação àquela que tem sido a equipa mais utilizada no campeonato. Entrámos muito bem na partida, com o Rafa a revelar-se um perigo para os defesas contrários e a ter um bom remate logo no início, bem defendido pelo guarda-redes. Pouco depois, foi o Salvio a centrar em vez de rematar, quando uma abertura do Rafa o colocou em excelente posição, tendo sido o Seferovic a rematar para um defesa salvar sobre a linha. O Ajax também teve as suas oportunidades na 1ª parte, com o Vlachodimos a começar a evidenciar-se. Em cima do intervalo, foi o Conti a fazer um corte fabuloso literalmente em cima da linha, que impediu a vantagem do Ajax (antes tivesse entrado esta bola, mas já lá vamos...). Fizemos uma boa exibição nos primeiros 45 minutos, com a ressalva da má finalização.

Na 2ª parte, não conseguimos sair tantas vezes para o ataque como na 1ª. Mesmo assim, o Seferovic teve um remate cruzado que o guarda-redes não conseguiu agarrar e, por volta da hora de jogo, o Salvio não chegou a tempo a um cruzamento do suíço, porque um defesa caiu sobre as suas costas, depois de tentar um carrinho e não chegar à bola. Penalty claro que o francês Ruddy Buquet não assinalou. A 15’ do fim, o Vlachodimos fez uma mancha fabulosa a um adversário que lhe apareceu sozinho na frente. Aos 79’, o Rui Vitória lá decidiu mexer pela primeira vez na equipa, com a entrada do Gabriel para o lugar do (muito apagado) Pizzi. Entretanto, em cima dos 90’, entrou igualmente o Cervi e saiu o Rafa, e foi o argentino que caiu na área, num lance que nem repetiram na televisão. Fiquei com muitas dúvidas... Chegando ao tal fatídico minuto 92, o Conti falhou clamorosamente uma intercepção relativamente fácil, não conseguiu igualmente impedir o centro do adversário, o André Almeida ainda obstou a que a bola chegasse a um jogador que Ajax, que só teria de encostar, mas sobrou para o Mazraoui, que rematou com a bola a ser desviada pelo Grimaldo e a trair o Vlachodimos. Foi inglório!

Em termos individuais, o melhor do Benfica foi indiscutivelmente o Vlachodimos que, se tivesse vindo no ano passado, talvez tivéssemos tido o tão desejado penta... Também gostei muito do Rafa, especialmente na 1ª parte, assim como do Seferovic, pese embora um lance no final da 1ª parte, em que a recepção não foi perfeita e inviabilizou que pudesse rematar só perante o guarda-redes. Quanto aos menos, o Pizzi praticamente não se viu e o Conti teve uma falha gravíssima, que deitou por terra o bom jogo que estava a fazer.

O Bayern foi ganhar a Atenas (2-0), o que faz com que estejamos agora a quatro pontos dos dois da frente. Vai ser muito difícil chegarmos aos oitavos-de-final, porque mesmo que ganhemos na Luz aos holandeses (o que está longíssimo de ser uma garantia), ainda ficamos um ponto atrás deles. E depois vamos a Munique, enquanto eles receberão na última jornada o Bayern, provavelmente já apurado. A boa notícia é que, com a vitória dos alemães na Grécia, a Liga Europa está muito perto estar garantida.

domingo, outubro 21, 2018

Natural

Vencemos na passada 5ª feira o Sertanense por 3-0 e seguimos em frente na Taça de Portugal. Por falta de condições do relvado na Sertã, o jogo decorreu em Coimbra e o Rui Vitória aproveitou para rodar a equipa e estrear alguns jogadores.

Metemos a bola na baliza logo aos 5’, mas o Jonas estava fora-de-jogo. Aos 29’, o Rafa em boa posição rematou por cima, mas redimiu-se aos 35’ ao inaugurar o marcador numa recarga a um remate do Zivkovic depois de centro do Yuri Ribeiro. Na 2ª parte, acabámos de vez com o jogo aos 53’ num golão do Gedson de fora da área. Aos 68’, deu para o Jonas regressar aos golos, numa excelente rotação sobre si próprio. Até final, o Ferreyra ainda colocou a bola na baliza mais uma vez, mas o lance foi anulado por pretenso fora-de-jogo.

Estes jogos perante equipas bastante mais fracas, são mais para aferir a entrega dos jogadores e, nesse sentido, a equipa cumpriu muito satisfatoriamente. Dos novos jogadores, o Corchia começou mal, mas foi melhorando ao longo do encontro (aliás, tal como o Yuri Ribeiro). O Rafa parece que descobriu finalmente o caminho da baliza (o que já não era sem tempo!) e o Jonas voltou a fazer o que tão bem sabe. O Svilar fez uma boa defesa que fez com que saíssemos a zeros do campo. O Gedson merece referência pelo golão que marcou e pelo dinamismo evidenciado, especialmente na 2ª parte. O Ferreyra entrou ao intervalo para o lugar do apagado Gabriel, mas infelizmente continua muito fora dela.

Veremos o que nos reserva o sorteio da próxima eliminatória, mas por agora iremos a Amesterdão para a Champions, onde era de todo conveniente conseguir pelo menos o empate.

sexta-feira, outubro 12, 2018

Polónia - 2 - Portugal - 3

Numa grande exibição, a selecção nacional foi ganhar na Polónia e colocar-se numa excelente posição para atingir a final four da Liga das Nações. Basta um empate entre polacos e italianos no domingo para podermos prescindir do resultado dos dois últimos jogos.

Com três dos nossos no onze titular (Rúben Dias, Pizzi e Rafa) e novamente sem o Cristiano Ronaldo (só volta à selecção em 2019), até começámos a perder aos 18', quando o Rui Patrício falhou na saída dos postes num canto. Mas empatámos aos 31' pelo André Silva, depois de uma assistência do Pizzi e colocámo-nos em vantagem pouco antes do intervalo (42') num autogolo (que foi pena não ter sido do Rafa, porque o defesa se antecipou a ele). No início da 2ª parte (52'), aumentámos para 3-1 pelo Bernardo Silva, depois de uma jogada individual, para sofrermos o 2-3 aos 77' pelo Blaszczykowski. Até final, os entretanto entrados Renato Sanches e, principalmente, Bruno Fernandes poderiam ter dado a machadada final, mas felizmente não foi necessário. De qualquer maneira, saliente-se a forma inteligente como escondemos a bola dos polacos nos minutos finais.

Pela amostra dos últimos dois jogos, até parece que a selecção nacional joga melhor quando o Cristiano Ronaldo não está, porque não está sempre preocupada em jogar para ele. O Bernardo Silva sobressaiu acima de todos, mas foi muito bem secundado pelo André Silva, Rafa e Pizzi. Lá está, a bola roda mais entre todos os jogadores e há mais jogo colectivo. Veremos se os próximos jogos confirmam esta tendência.

segunda-feira, outubro 08, 2018

Até qu’enfim!

Passados cinco anos, voltámos finalmente a vencer o CRAC (1-0) na Luz e, como o Braga empatou em casa (1-1) com o Rio Ave, estamos ex-aequo com eles na liderança do campeonato com 17 pontos, tendo o CRAC 15 e a lagartada (que perdeu em Portimão por 4-2) 13. Ou seja, foi um fim-de-semana perfeito!

Com o Lema no lugar do castigado Conti (e do lesionado Jardel) e o Gabriel e Cervi de volta ao onze, a 1ª parte foi para esquecer, porque não houve oportunidades de golo para nenhuma das equipas. O Seferovic ainda falhou isolado frente ao Casillas, depois de uma assistência do Cervi, mas o lance foi anulado por fora-de-jogo. A postura do CRAC resume-se a um simples facto: o Casillas levou amarelo aos 19’ por demorar a repor a bola em jogo. Dezanove minutos!

Na 2ª parte, tivemos logo de início uma boa oportunidade num remate à meia-volta do Gabriel para boa defesa do Casillas, depois de uma boa combinação atacante da nossa parte. O Rafa entrou para o lugar do Cervi aos 58’ e arrancou logo um amarelo na primeira vez que tocou na bola. Aos 62’, a Luz quase veio abaixo com o 1-0: alívio do Gabriel para o Pizzi desmarcar brilhantemente de cabeça o Seferovic que, perante a saída do Casillas, colocou a bola no único sítio disponível. Grande golo! Nos minutos seguintes, tivemos alguns contra-ataques rápidos, onde poderíamos ter definido melhor, mas aos 83’ o Sr. Fábio Veríssimo resolveu desequilibrar os pratos da balança ao dar o segundo amarelo ao Lema, quando este nem toca no adversário! Antes disso, o CRAC só tinha criado perigo por uma vez, com uma cabeçada do Danilo ao lado num canto. O Alfa Semedo, que tinha acabado de entrar, recuou para central e claro que o CRAC veio para cima de nós a jogar com mais um. Tiveram duas grandes oportunidades: um remate cruzado do Brahimi que saiu rente ao poste e, na última jogada do encontro, um cabeceamento do Danilo num livre que fez a bola passar um pouco por cima. Com bastante sacrifício, lá conseguimos manter a vantagem preciosa e quebrar esta malapata dos jogos frente a eles.

Em termos individuais, destaque para o Seferovic não só pelo golo, mas também porque continua a aguentar os embates com os centrais e a conseguir manter a ter posse de bola, e tabelar com os companheiros. O Ruben Dias foi outro que fez um jogo fantástico, sendo praticamente intransponível para os adversários. O Salvio não começou nada bem, mas foi subindo de rendimento sendo sempre uma grande ajuda para o André Almeida, que também se exibiu a bom plano. Aliás, estes jogadores mais antigos no plantel, nestes jogos mais quentes, estão sempre lá para mostrar raça. O Grimaldo voltou a confirmar-se como um dos grandes destaques neste início de época e é fundamental na construção do nosso jogo atacante. Uma palavra para o Lema, que se estreou a titular logo numa partida destas, e foi-se aguentando bem a um amarelo ainda na 1ª parte, sendo depois injustamente expulso. Todos os outros se exibiram em bom plano, sendo irrepreensíveis na entrega e espírito de sacrifício.

Principalmente em termos psicológicos, esta é uma vitória muito importante, porque infelizmente não tem sido nada comum derrotar o CRAC nos últimos tempos. Vamos agora para nova pausa por causa das selecções e depois haverá Taça de Portugal, pelo que o campeonato só voltará no final do mês. Defrontaremos o Belenenses no Jamor e há que continuar esta senda vitoriosa.

P.S. – Havia, e bem, uma regra que determinava que os grandes fizessem entre si um jogo em casa e outro fora em cada volta do campeonato. Porque raio de carga de água a mudaram? É isto “defender o futebol”? Será que alguém acha bem que à 7ª jornada já tenhamos recebido a lagartada e o CRAC? E que pode dar-se o caso de, dependendo do sorteio da próxima época, durante o ano de 2019 não termos jogos grandes na Luz? Que estupidez!

quarta-feira, outubro 03, 2018

Milagre

Vencemos em Atenas o AEK por 3-2 na 2ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões. Foi uma vitória muito mais difícil do que a certa altura do jogo se esperava, muito por culpa própria (já lá vamos…), mas lá conseguimos finalmente quebrar um terrível ciclo de oito(!) derrotas consecutivas para a Champions.

O Salvio regressou à equipa e o Rafa manteve a titularidade depois do bis em Chaves. Não poderíamos ter tido melhor entrada no jogo: marcámos logo aos 6’ pelo Seferovic na recarga a um bom remate do Gedson de fora da área. Já antes disso, o Conti tinha tido uma cabeçada num canto defendida pelo guarda-redes e, a seguir ao golo, o Fejsa de cabeça proporcionou nova defesa do Barkas e o mesmo Seferovic viu um defesa cortar para canto um desvio seu na pequena-área, que estou convencido que entraria na baliza. Aos 15’, aumentámos a vantagem num centro largo do Pizzi, com o Grimaldo a entrar de cabeça(!) nas costas do defesa. A partir daqui, baixámos inexplicavelmente o ritmo e permitimos que o AEK voltasse a respirar. Valeu-nos por mais de uma vez o Vlachodimos e também má pontaria dos gregos noutro lance. Nós só tivemos mais uma oportunidade pelo Pizzi, mas o remate em arco de fora da área saiu ligeiramente por cima. Em cima do intervalo, o Rúben Dias teve uma paragem cerebral e tentou cortar uma bola com demasiada força, tendo já um amarelo. Um adversário antecipou-se e o nosso central acertou-lhe: segundo amarelo e expulsão. Imperdoável! Íamos jogar toda a 2ª parte com o Conti e Lema, o terceiro e quarto central (que fez a estreia absoluta pelo Benfica) do plantel…

Estava mesmo a ver-se o que iria acontecer depois de reatamento. O Salvio foi o sacrificado para a entrada do Lema e o Pizzi foi desviado para a direita, mas durante os primeiros 20’ nem tocámos na bola. Pior: demos imenso espaço nas costas da defesa, especialmente no lado direito, onde o André Almeida andou literalmente aos papéis e sofremos dois golos iguais por aquele lado, aos 53’ e 64’, ambos pelo Klonaridis. Portanto, um jogo que deveria estar decidido a nosso favor ficou empatado e só não sofremos o terceiro golo cerca de dez minutos depois, porque o Vlachodimos defendeu um remate deste mesmo jogador, que lhe apareceu isolado na frente (bastaria que ele tivesse dado para o lado, para um colega completamente à vontade, para estarmos agora a chorar…). Dois minutos depois, aos 75’, o entretanto entrado Alfa Semedo avançou praticamente sozinho pelo meio-campo grego, provavelmente na primeira vez que o fizemos na 2ª parte, e resolveu rematar de longe: a bola saiu rasteira e muito colocada ao ângulo inferior esquerdo da baliza. Um golão caído literalmente do céu no único(!) remate que fizemos depois do intervalo. Os gregos sentiram imenso este golo e até final lá conseguimos segurar a preciosíssima vantagem, até porque o Ajax empatou surpreendentemente em Munique (1-1) e ficaria com uma vantagem significativa se não tivéssemos conseguido os três pontos.

Em termos individuais, destaque absoluto para o Vlachodimos sem o qual não teríamos ganho. O Alfa Semedo foi o herói improvável, numa partida onde voltei a gostar do Seferovic. O Fejsa fez o que pode, mas não dá para tudo. O Lema que fez a sua estreia voltou a confirmar a impressão com que fiquei dele na pré-época: muito bom de cabeça, rins de pedra e muita dificuldade quando a bola está no relvado. E provavelmente vai ser titular contra o CRAC…

Há neste blog muita literatura nos últimos 14 anos que prova que, para mim, nem tudo está bem quando ganhamos, nem tudo está mal quando perdemos. Há que saber ver para além dos resultados e não estou nada contente com o que vi ontem. Caso não tivesse havido o chouriço do Alfa Semedo, estava indeciso se o título deste post seria “Adeus, Rui Vitória” ou “Poucochinho”. Sendo que o segundo é a razão principal para justificar o primeiro. Porque raio de carga de água é que nós, em jogos deste calibre, deixamos de jogar à bola quando estamos em vantagem?! É que já não é a primeira vez que isto acontece: temos a hipótese de matar de vez o adversário e preferimos “controlar o jogo”…! (Já aconteceu o mesmo frente ao Fenerbahçe na Turquia, onde não procurámos o segundo golo, mas aí acabou por correr bem.) Com a pequena nuance de que nós NÃO sabemos controlar o jogo! A 2ª parte demonstrou-o mais uma vez à saciedade: defendemos PESSIMAMENTE, sendo que o facto de estarmos com dez não serve de desculpa. É suposto as equipas fecharem-se mais com dez jogadores e nós estendemos a passadeira aos gregos por mais de uma vez!

Vamos lá a ver o seguinte: se o objectivo do futebol é meter a bola na baliza, porque é que nós deixámos de tentar fazer isso aos 15’, com 75’ para jogar…?! Começámos a jogar para o lado, a baixar o ritmo, quando os gregos estavam completamente encostados às cordas e mesmo à mercê de uma estocada final. Mas não, pusemo-nos a jeito de uma contrariedade, fosse sofrer um golo que abriria de novo o jogo ou uma expulsão como veio a acontecer. E isso, meu caro Rui Vitória, é “poucochinho”. Não é à Benfica. O AEK não é o Bayern de Munique! Se podemos dar três ou quatro, é para dar três ou quatro! Por uma simples razão: estaremos muito mais perto da vitória com três ou quatro do que só com dois! E a salvo de qualquer eventualidade. Espero que esteja consciente que o que aconteceu ontem foi um verdadeiro milagre: um remate na 2ª parte, Alfa Semedo, um golo. Escreva isto 100 vezes para tomar consciência do que aconteceu. E perceba que é muito improvável que volte a acontecer.