origem

sexta-feira, julho 06, 2007

Relembrar XVI – Falhanços II

Num dia em que se fala muito de chineses e antes de gozar uma semana de férias, aqui fica mais um falhanço que nos deixa de olhos em bico. Um ano antes de assinar dois memoráveis golos na casa do clube regional, que nos deram praticamente a conquista do respectivo campeonato, o César Brito conseguiu (é mesmo o termo) falhar este golo de baliza aberta nesse mesmo estádio. Perderíamos este jogo e o título deste ano foi igualmente lá para cima, consubstanciado em 11(!) penalties assinalados para o especialista Demol converter (marca esta só superada pela célebre época dos 19 penalties assinalados a favor dos lagartos para o Jardel). O golo deste jogo foi naturalmente obtido de penalty a castigar uma falta do nosso defesa-esquerdo Fonseca, que curiosamente existiu mesmo! Só mais uma curiosidade: a partida foi arbitrada pelo senhor... Francisco Silva!

Só venceríamos uma Supertaça nesta época, mas chegaríamos à final da Taça dos Campeões, em que um golo do Rijkaard deitou por terra os nossos sonhos.


video

4 comentários:

Tiagojcs disse...

Pois é . Depois ainda se fazem de coitadinhos ...

http://catedraldapalavra.blogspot.com

silvino martins disse...

isto é a prova que há já muitos anos o sport lisboa só tem mancos a jogar, e depois apoiam se em teorias sobre roubos, é normal dos mais fracos...

tma disse...

Apesar deste inacreditável falhanço (embora longe do do Diamantino contra o Anderlecht e o do Nuno Gomes este ano contra o Espanyol - o houve excesso de deslumbramento ou um pequeno ressalto de bola na relva, suficiente para que o remate não saísse da forma desejada), não há dúvidas que o César Brito recompensou, e bem, no ano seguinte.

S.L.B. disse...

Como há gente que ainda acha que o Holocausto não existiu ou que na Sibéria havia campos de férias, não me espanta comentários como o do Silvino...