origem

segunda-feira, outubro 24, 2005

5ª seguida

Há dois anos, desde os tempos de Camacho, que não conseguíamos mais de um mês de vitórias consecutivas no campeonato. Finalmente quebrámos a malapata no sábado, com um triunfo de 2-0 sobre o Estrela da Amadora. Considero que o Benfica fez um jogo muito inteligente e que a vitória é mais do que justa, apesar de o E. Amadora ter feito um bom jogo. O futebol é de facto muito injusto, já que uma equipa como o Gil Vicente, que simulou lesões e queimou tempo desde o 1º minuto (a partir desse jogo tornou-se o meu favorito número um para descer de divisão), veio ganhar à Luz e o futebol agradável e honesto do E. Amadora leva zero pontos.

Na 1ª parte o nosso jogo não foi muito bem conseguido, mas há que não esquecer que tivemos dois jogos bastante difíceis no espaço de uma semana e é perfeitamente natural que os jogadores se ressintam disso. Por outro lado, a falta do Miccoli sente-se mais nestes jogos em que temos que atacar durante a maior parte do tempo e nos faz falta um segundo ponta-de-lança para acompanhar o Nuno Gomes. Pertenceram ao Karyaka, que jogou em vez do Karagounis (uma opção acertada quanto a mim, já que ele dá muito mais apoio ao Nuno Gomes do que o grego) as duas únicas oportunidade de golo na 1ª parte, com um remate acrobático que embateu num defesa e um outro defendido pelo guarda-redes. No resto do tempo estivemos bastante lentos e não conseguimos criar perigo, mas tanto a equipa como o público não desesperaram, e bem (como disse o Koeman no final, os jogos têm 90 minutos).

A 2ª parte correu-nos bastante melhor muito devido ao golo logo aos cinco minutos. Um bom golo de cabeça do Karyaka na sequência de um centro teleguiado com o pé esquerdo do Nélson. A partir daí o nosso jogo foi mais agradável, não obstante o E. Amadora ter criado a sua única oportunidade de golo pouco depois, num remate do Semedo ao lado. Com o Karagounis em campo, passámos a controlar a posse de bola e a circulação da mesma melhorou bastante. Um outro centro bestial do Nélson fez com que o Nuno Gomes marcasse um golão também de cabeça e praticamente acabasse com o jogo. O resultado poderia ter sido ainda mais desnivelado se o árbitro tivesse visto uma excelente defesa com a mão do Amoreirinha que impediu o Nuno Gomes de bisar. Já na parte final do jogo oiço um dos repórteres da rádio dizer que o jogo estava ganho e o público estava a “saborear a vitória”. Foi isso mesmo e o sabor foi muito bom. Raramente no ano passado pudemos “saborear vitórias” durante um jogo, já que invariavelmente acabávamos com o coração nas mãos. É inquestionável que estamos a jogar muito melhor agora do que quando fomos campeões, o que só nos pode dar mais confiança.

O destaque individual vai inteirinho para o Nélson que (acho que não é exagero considerar desde já) é melhor que o Miguel. Para além de atacar e defender como ele tem a grande vantagem de saber fazer (e bem) aquilo que o Miguel era incapaz: cruzamentos. Quatro assistências para golo em apenas oito jogos não é para todos, ainda para mais tratando-se de um defesa. Há males que vêm por bem e devemos agradecer ao Miguel (e sua corja) ter feito o que fez (como refere o D'Arcy), bem como ao Wolfsburgo por ter vindo buscar o Alex (e ao Scolari por o ter promovido, como já ouvi dizer por aí). Outro que esteve em destaque foi o Nuno Gomes que realmente parece ter voltado a ser o jogador de antigamente. Para além do golito da ordem, ganhou algumas bolas de cabeça (e não esqueçamos que do outro lado estava o Maurício, um dos jogadores mais altos da Liga) e fez jogar os companheiros. Apesar do golo que marcou, acho que o Karyaka poderia ter estado melhor, já que teve alguns domínios de bola dignos do Karadas (o que me surpreendeu já que me parece ser um jogador tecnicamente bom) e algumas perdas da mesma a meio-campo (terá sido o nervosismo da titularidade?). O Simão, depois de uma 1ª parte algo fraca, melhorou imenso na 2ª e o Geovanni sobe lentamente de forma (foi uma insistência dele que permitiu ao Nélson fazer o cruzamento do 1º golo). Os médios-centro estiveram igualmente bem, com o Manuel Fernandes a estar cada vez mais exímio na protecção da bola. Os centrais não deram abébias, mas não gosto de ver o Ricardo Rocha à esquerda. Se os jogos são em casa e o adversário é teoricamente mais fraco não percebo porque é que, na impossiblidade de jogar o Léo, não joga o Dos Santos. Ou então, porque é que o Dos Santos está no plantel se não conta?

Na baliza temos um grande, ou melhor, dois grandes problemas. Como se já não bastasse o Moreira estar de baixa por seis meses, o Quim também vai ser operado e estar fora dos relvados por duas a três semanas. Agora pergunto: porque é que ele jogou contra o E. Amadora se ao primeiro pontapé na bola com mais força teve que ser substituído? Não terá agravado a lesão por causa disso? Não teria sido preferível que ele recuperasse durante uma semana a arriscar ter que ser operado? Parece que vamos pedir permissão à Liga e à FIFA para ir buscar outro guarda-redes, o que acho uma medida bastante sensata. Sim, porque milagres como o de Villarreal não acontecem sempre e não podemos colocar a responsabilidade toda num jovem de 19 anos. Como se viu frente ao E. Amadora, o Rui Nereu ainda está muito verde. É muito mal batido naquela bola de calcanhar que entra na nossa baliza no fim da 1ª parte, mas que não foi golo porque o árbitro já tinha (e bem) cortado a jogada devido ao facto de a bola ter sido centrada fora de campo. Na 2ª parte também falhou o tempo de saída a um jogador do E. Amadora e depois teve que ceder um canto in extremis. Espero bem que sejamos autorizados a inscrever outro guarda-redes, porque temos jogos muito importantes à porta e seria muito frustrante não obter bons resultados por causa destes azares na baliza.

4 comentários:

bem litrado disse...

Embora seja sensato contratar outro guarda-redes, dado que apenas há um disponível, porque não dar mais oportunidades ao Rui Nereu que me parece ter tudo para vir a ser um bom guarda-redes? Acreditemos nos jovens.
Como alguém referiu noutro blogue, Nélson à selecção.

Anónimo disse...

Caro SLB,

Concordo, uma vez mais, com o que escreveste.

Quanto ao Karyaka, também acho que esteve bem (mais não seja pelo golo marcado) mas, sobretudo na 1.ª parte, faltou-lhe dar algum apoio à manobra defensiva da equipa.

O Nelson foi/é um jogador soberbo e já ninguém se lembra do lateral direito do Valência. Só espero não termos surpresas no Natal...

Finalmente, quanto ao Rui Nereu, parece-me ter grande valor mas falta-lhe experiência e determinação. Para além do mais, será possível inscrever outro GR antes do Natal? E, a ser possível, onde vamos buscar alguém à altura?

B.

tma disse...

Mais uma vez, esta foi uma vitória que demonstra o estofo de campeão que o BEnfica revela.
Sem ser um grande jogo, e com uma primeira parte em que a espaço o Benfica até terá deixado o Estrela da Amadora controlar um pouco, o Benfica nunca revelou ansiedade, e claro que com um início de segunda parte mortífero, com o BEnfica a aproveitar bem as oportunidades criadas, o que também ajudou a evitar que, com o tempo, alguma ansiedade pudesse vir ao de cima.
O Nélson é em tudo tão bom ou melhor que o Miguel, excepto numa coisa: a aparecer na área, na zona de remate. De qq forma, e visto que o grande trunfo ofensido do Nélson são os centros, é compreensível que ele permaneça mais encostado à linha, o que permite também abrir mais o jogo. Se a naturalização é realmente a vontade dele, só a casmurrice do Chocolari poderá impedir que ele jogue na selecção, já que é melhor que o Miguel e em relação ao Paulo Ferreira, nem faço comparações para não me rir.
DE acordo com a Bola, o Quim poderá estar pronto com o Villareal, mas espero que só jogue se houver garantias que a perna não lhe "salta" ao primeiro remate com alguma força. Mas não há dúvida que neste jogo o Nereu esteve um pouco nervoso (mesmo não contando, a bola que entrou na sua baliza revelou desconcentração).
De resto, e tal como referiste, a atitude do Estrela também conferiu algum mérito à vitória do Benfica, pois veio disputar o resultado com os argumentos de que dispõe, nomeadamente boa ocupação dos espaços (pareço o Gabriel Alves...), boa agressividade (sem violência) e dois avançados muito rápidos, a obrigar a defesa do BEnfica a estar permanentemente concentrada (ainda tentou usar algum expediente de antijogo, mas sem comparação possível com a vergonha que foi o Gil Vicente).
E já agora, será que os árbitros andam a ir aos cursos de andebol? É que num curto espaço de tempo, já são dois penalties evidentes que ficam por marcar resultantes de grandes defesas de um jogador de campo...

S.L.B. disse...

Bem Litrado: parece que o Veiga te ouviu. Aparentemente não vamos buscar outro guarda-redes. Se o Quim recuperar para o Villarreal estou de acordo com isto, não valerá a pena. Além disso, a Liga só autorizaria a sua inscrição para jogar na Liga dos Campeões e não no campeonato, em mais uma das especificidades em que o futebol português é pródigo...

B: julgo que o Nélson não sairá no Natal, só mesmo com uma proposta do outro mundo (tipo Chelsea com o embuste do lado direito). Quanto ao Simão, já não tenho tantas certezas...

TMA: de facto, o Nélson remata menos vezes que o Miguel, mas também quantos golos é que o Miguel marcou enquanto lateral-direito...? E quantas vezes é que acertou nos espectadores que estão nos topos do estádio?