origem

quinta-feira, abril 05, 2012

Roubo nojento

O Sr. Damir Skomina da Eslovénia foi determinante para nos derrotar frente ao Chelsea (2-1) e assim eliminar-nos da Liga dos Campeões. Foi das arbitragens mais tendenciosas que me lembro de assistir num jogo de futebol de um artista que não fica nada a dever aos Guímaros, Calheiros e afins desta vida. Já nem me lembrava bem dele, quando li algures na net que tinha sido o árbitro do Marselha – Benfica de há dois anos. E aí fez-se luz. Nessa altura, escrevi: convém fixar este nome: Damir Skomina da Eslovénia. Que grande ladrão! Mal sabia eu o quão certo estava nessa altura.

Com condicionantes impensáveis para um jogo como este (os quatro centrais lesionados deve ser caso único no futebol mundial!), entrámos em campo com o Javi García e o Emerson a centrais, o Capdevila na esquerda e o Matic no meio. Logo desde o início mostrámos imensa personalidade e colocámos o Chelsea em sentido. O roubo do Universo ficou muito claro desde muito cedo: o Bruno César é derrubado por trás e nem falta foi, passado pouco tempo o Cardozo faz o mesmo ao David Luiz e leva amarelo! Percebeu-se logo a inclinação do árbitro, que foi confirmada com um penalty contra nós que, se fosse ao contrário, jamais seria marcado. O Javi García deu um encosto ao Ashley Cole, que aproveitou para se deixar cair, e o Lampard converteu com a bola a passar por baixo das mãos do Artur! Assim que marcou o penalty, o Sr. Skomina levou logo a mão ao bolso (vejam na TV) à espera dos jogadores do Benfica que fossem ter com ele. Foram dois: o Bruno César e o Maxi Pereira (que era o capitão). Dois amarelos. Entretanto, o Obi Mikel ia distribuindo pancada a torto e a direito, e amarelos, nada (levou aos 79’…). Jogávamos bem, mas falhávamos na concretização, até o Cardozo rematar e um defesa salvar sobre a linha. Dois jogos contra o Chelsea, dois remates do Cardozo interceptados sobre a linha! Aos 40’, e já depois de amarelar o Aimar também por “protestos”, o Sr. Skomina deu o golpe de misericórdia na eliminatória: segundo amarelo ao Maxi, por ter feito um carrinho ao Obi Mikel. O nosso jogador tenta disputar a bola, encolhe a perna quando toca no adversário e pede-lhe logo desculpa. Sinceramente, eu não mandaria um jogador para a rua por causa disto, especialmente depois daquele primeiro amarelo.

Na 2ª parte, o Jesus reposicionou o Witsel a defesa-direito e não fez logo substituições. Dado que a única opção defensiva no banco era o… André Almeida, acabou por ser uma boa solução. Com mais um jogador, o Chelsea conseguiu criar mais desequilíbrios atacantes e teve uma mão cheia de boas oportunidades para marcar, sendo a do Ramires um falhanço incrível. No entanto, e contra muitas expectativas (entre as quais, as minhas), íamos conseguindo equilibrar o jogo e criar igualmente situações de perigo, sendo um bom remate do Cardozo defendido com dificuldade pelo Cech para canto. A partir dos 57’, o Jesus começou (e bem) a pensar no importantíssimo jogo no WC e foi tirando sucessivamente o Cardozo, Gaitán e Bruno César. Entraram o Nélson Oliveira, Djaló e Rodrigo, e o que é facto é que a qualidade do nosso jogo não diminuiu. Continuávamos a atacar e criámos três excelentes oportunidades pelo Djaló: um remate de golo interceptado por um defesa, um cabeceamento por cima e outro que permitiu uma excelente defesa ao Cech. A 5’ do fim, um canto permitiu ao Javi García empatar a partida, antecipando-se ao guarda-redes. Pouco depois, se o Nélson Oliveira tivesse passado ao Djaló, que estava sozinho na área, em vez de rematar, se calhar estaríamos agora a festejar um apuramento épico. Já nos descontos, e num livre perigoso para os ingleses, o Aimar não só coloca pessimamente a bola na área, como ainda por cima se deixa antecipar pelo porco do Meireles, que conduziu assim um contra-ataque perigosíssimo que acabou ele mesmo por finalizar ainda de fora da área. Estava selada a ENORME injustiça da nossa derrota.

Todos foram grandes heróis numa exibição que entra directamente para as mais inolvidáveis nas competições europeias. Mas vários jogadores merecem destaque: o Matic foi indiscutivelmente dos melhores, assim como o Javi García a jogar fora da sua posição. O Capdevila mostrou mais uma vez que o lugar de defesa-esquerdo deveria ter sido seu desde o início da época, até porque o Emerson mostrou a central não ser a nulidade que é na lateral. O Artur fez um punhado de boas defesas e esteve a poucos centímetros de evitar os dois golos. O Gaitán criou perigo especialmente na 1ª parte e o Cardozo poderia ter tido mais sorte em dois dos seus remates (já para não falar daquele chapéu quase de meio-campo que, a entrar, seria um dos golos do século). O Bruno César ficou muito condicionado pelo amarelo, mas cumpriu, assim como o Witsel que, embora menos exuberante do que na 1ª mão e até porque jogou a 2ª parte a defesa-direito, também não sabe jogar mal. O Maxi acabou por ter um jogo ingrato devido à expulsão. O Nélson Oliveira e o Djaló entraram muito bem e puseram o Chelsea em sentido. Deixo para o fim o Aimar, porque, entre o que valem e o que mostraram, foi o pior do Benfica. Teve três livres perigosíssimos, num atirou contra a barreira, noutro fez um passe ao Cech e no terceiro marcou para um sítio onde só estavam adversários, no lance que deu origem ao 1-2. Vai ficar com esta mancha no currículo, até porque me custou IMENSO perder o jogo daquela forma.

O que poderia ter sido um empate épico e inolvidável transformou-se assim numa “vitória moral”, mas espero que se tenha ganho uma força que nos permita vencer o campeonato. É que uma exibição deste calibre, literalmente contra tudo e contra todos, não pode ser desperdiçada. Julgo que se ganharmos os cinco jogos que faltam até ao fim seremos campeões. E, dado que é o teoricamente mais difícil, é fundamental ir ganhar ao WC na próxima 2ª feira.

VIVA O BENFICA!

2 comentários:

mrmg disse...

Foi uma grande exibição.
Não houve qualquer dúvida.
Provou-se que Matic é uma excelente opção, que Capdevila é o lateral esquerdo.

Emerson, mas que jogo enorme a central! Desinibido, com faro de caçador na antecipação e no desarme. Não foi comido uma única vez. Poderão argumentar que Torres foi um fantasma, mas Emerson lá estava sempre. Penso que agora teremos de entender se Emerson terá o mesmo rendimento na lateral. Honestamente penso que não.

Só um pequeno senão: Nélson Oliveira. Penso que ele é egoísta quando virado para a baliza.

http://aminhachama.blogspot.pt/2012/04/michel-platini.html

djeiti disse...

É por exibições de Raça, Querer e Ambição que nós vamos a todo o lado acompanhar o Maior de Portugal! Orgulho em Ser Benfiquista!
Deixo a crónica de uma viagem a Londres a prometer muitas mais, por ti, Benfica:
http://maiordeportugal.blogspot.pt/2012/04/apos-38h-benfica-o-maior-de-cabeca.html