origem

quinta-feira, janeiro 26, 2006

Referências

Vamos ser campeões! Esta minha afirmação pode parecer extemporânea nesta altura, mas na última semana aconteceram duas situações nos nossos rivais que me fizeram ficar bastante optimista (eu, que até sou um pouco pessimista): o Vítor Baía relegado para o banco de suplentes e a saída do Beto dos lagartos. E até digo mais, temos uma oportunidade soberana para reassumirmos a hegemonia do futebol nacional nos próximos anos se soubermos preservar o que temos de bom e único neste momento: um plantel onde existem jogadores que são referências do clube. Basta olhar para as grandes equipas europeias (Juventus, Milan, Barcelona, Real Madrid, Chelsea, Manchester United, Bayern) e verificar que não há nenhuma que não tenha pelo menos dois/três jogadores titulares que são verdadeiros porta-estandartes do clube com bastantes anos de casa.

Ora, são precisamente estas referências que os nossos rivais perderam em simultâneo nesta semana. O início da época já tinha sido produtivo quando o Co Adriaanse relegou o Jorge Costa para a bancada e colocou pressão sobre o Vítor Baía ao afirmar publicamente que estava indeciso quanto à escolha do guarda-redes. Bastou o primeiro frango dele, para o holandês se virar para o Helton. Ainda por cima, na partida em que o Baía iria completar 400 jogos na I Divisão. Uma crueldade que nem a mim me passaria pela cabeça (ok, se calhar passaria…). Para tornar as coisas ainda melhores, o Pedro Emanuel, o outro sobrevivente da tragédia (a vitoriosa campanha europeia de há dois anos), também foi para o banco. Olha-se para a equipa titular do clube regional e não há um único jogador que seja uma referência do clube. O Ricardo Costa é obviamente ainda muito novo para o ser, apesar de estar bem identificado com a mentalidade daquele clube ou não fosse ele um dos melhores caceteiros do futebol português. Por outro lado, o Lucho Gonzaléz, por muito bom jogador que seja, só chegou este ano e já capitaneou a equipa, o que quer dizer muito acerca desta perda de identidade do clube regional. Identidade esta que foi bastante elogiada nos anos em que o clube regional (muito graças aos cafezinhos com leite e rebuçadinhos, é certo) ganhava campeonatos ao quilo. Jogadores como o João Pinto, André, Bandeirinha, Paulinho Santos e Secretário, mesmo quando deixaram de ser titulares indiscutíveis, mantinham-se no plantel para fazer a transição para os que chegavam.

Os lagartos, depois de no ano passado deixarem sair pela porta pequena o Pedro Barbosa e o Rui Jorge, fizeram o mesmo ao Beto e só o Sá Pinto deverá ter uma saída digna no final da época. O que quer dizer que para o ano o capitão deverá ser o Custódio ou o Miguel Garcia. I rest my case! Aliás, o próprio Sá Pinto já alertou para este facto, mas os lagartos continuam todos muito preocupados com o suposto colo do Benfica e não conseguem enxergar mais nada à frente (nem a circunstância de terem sido mais uma vez comidos pelo clube regional na aquisição de um jogador ligado ao Nacional da Madeira). Não serão jogadores como o Liedson ou o Polga que poderão ocupar esta posição, ou não bastasse o Natal para os fazer pensar quão doloroso deve ser vestir uma camisola horrível como aquela parecida com a dos presidiários…


Quanto a nós temos neste momento quatro jogadores que são titulares e capitães de equipa: Simão, Nuno Gomes, Luisão e Petit. Mesmo que o Simão saia no fim do ano, os restantes três devem ficar, pelo que a sucessão estará garantida. Por outro lado, há ainda o Ricardo Rocha, o Moreira e o Mantorras, que apesar de não terem feitio de capitães, também possuem bastantes anos de casa. Aquela que foi a grande pecha num passado não muito distante (era o João Pinto e o Preud’homme entre uma cambada de coxos que chegavam e partiam todos os anos) deixou de existir. Se soubermos construir os plantéis vindouros à volta destas referências, o futuro estará garantido. Para além da óbvia vantagem de os adeptos se reverem naqueles que estão em campo a suar a camisola como sendo dos nossos e não apenas assalariados recentes do clube, poderemos sonhar em alcançar metas há muito inatingidas. Eu sei que é colocar “a carroça à frente dos bois”, mas porque não o tricampeonato…?

P.S. – Os extremos da vida fazem com que o dia de ontem, 25 de Janeiro, seja, pelos melhores e pelos piores motivos, inesquecível para qualquer benfiquista. Parabéns, Eusébio. R.I.P. Fehér.

10 comentários:

Telmo disse...

Concordo totalmente, a prova de que o Benfica está a renascer e a começar a ter hegemonia em Portugal é a de que agora fazemos o que o fcporto deixou de fazer, ambos os clubes trocaram a forma de gerir os respectivos plantéis.
O Benfica começou a ser inteligente e a preservar um grupo de jogadores de qualidade que constituem a espinha dorsal da equipa.
Já o fcporto vendeu e dispensou muito rapidamente toda a equipa campeã europeia, não mostrando qualquer capacidade ou intenção de preservar a espinha dorsal da equipa...

É nesse ponto que se mostra que pdc perdeu as capacidades e é aí que José Veiga dá uma lição a pdc.

É por ver essa ascensão do Glorioso que pdc anda a ter pesadelos de noite...

Magnolia disse...

E só espero que este sábado os façamos rastejar, que eu não me contento com pouco! (PS - ainda não é esta semana que vou para o lugarzinho-maravilha, companheiro! Mas vou lá estar!)

S.L.B. disse...

Magnolia: não te esqueças de me avisar quando voltares a ver um jogo lá para as minhas bandas. Será o do Liverpool? Como resultou com o Manchester United, se calhar não convém pôr os deuses à prova... :-)

Estou bastante confiante para sábado, talvez até demais...

D'Arcy disse...

Desculpa lá, mas não concordo muito contigo. No caso do fóculporto, o Hélton jogar no lugar do Baía só pode ser bom para eles, porque o Hélton é provavelmente o melhor guarda-redes a jogar em Portugal. Estranho para mim foi ele não ter tirado o lugar ao Baía logo no princípio da época.

No caso da lagartagem é ainda pior. Uma das coisas que sempre me agradava era o facto de um defesa tão banal como o Beto ter quase lugar cativo no onze titular, e à medida que os anos passavam e ele ia ganhando mais peso no balneário, essa titularidade era ainda mais garantida. Assim se ele sai o mais provável é que jogue outro melhor, e o que é melhor para eles não é bom para mim.

S.L.B. disse...

D'Arcy: temos opiniões diferentes. Eu acho o Baía ligeiramente melhor que o Helton, mas a questão nem é tanto essa. É mais o modo como a substituição foi feita, principalmente sendo o Baía a última grande referência do clube regional. Quanto aos lagartos, apesar de o Beto não ser um jogador por aí além, quanto a mim é melhor que o Tonel, Polga e Hugo. Além de que é lagarto até à medula e sente mais o clube do que muitos que lá estão. Em termos de balneário, acho que isso é importante.

tma disse...

A minha "teoria" segundo a qual o Benfica será campeão é outra: a última vez que o Benfica ganhou no terreno do FCP e não foi campeão foi em 1969/70 (campeonato perdido para o SCP)...
Desde aí, e apesar de não terem sido muitas as vitórias em casa do FCP, sempre que ocorreram, o Benfica ganhou o campeonato (tendo até, numa vez ou outra, perdido o jogo na Luz).
Comentando o teu post, começo pelo mais importante: o Benfica. Para além do Simão, considero que o Luisão também tem fortes possibilidades de sair da equipa... Ele tem sido o jogador que melhor tem combinado a regularidade e qualidade exibicional. É o dos principais responsáveis pela boa prestação defensiva, que tem sido determinante nas nossas vitórias. Se no mundial for titular, é pouco provável que fique, infelizmente... Ainda assim, o Nuno Gomes e o Petit, dificilmente sairam do clube, e eles sabem a importância que têm como referência para outros jogadores (e por outro lado, já estão na barreira dos 30, pelo que dificilmente noutro clube atingiriam a notoriedade que têm no Benfica).
Relativamente ao SCP, é como dizes: apesar de ser irritante estar sempre a ouvir a mesma lenga-lenga do colo e do sistema todos os dias, a verdade é que, enquanto consumirem energias a encontrarem na arbitragem e afins as causas do seu insucesso, e não na má gestão do ponto de vista desportivo, ao ponto de permitir que jogadores de referência que já mencionaste, a verdade é que essa preocupação é um favor que nos fazem (excepto quando é o Pedro Proença a arbitrar jogos do Benfica, pois sendo ele benfiquista confesso, deve sentir-se na necessidade de prejudicar o Benfica para demonstrar que é isento - praticando, aliás, o conceito de "isenção" que os lagartos, no fundo, preconizam: o de o Benfica ser sempre prejudicado). Ainda assim, tal como o D'Arcy, também tenho pena que o Beto tenha saído, pois para além de ele ter sido sempre sobrevalorizado em termos de qualidade, também não passa de um arruaceiro que até anda "à pera" com os colegas de equipa e que em campo e também não se pode dizer que seja exemplar em termos de empenho, como se viu na final da taça UEFA do ano passado...
Quanto ao FCP, tenho mais dificuldade em compreender esta descaracterização da equipa, pois ao contrário do SCP (que neste últimos 20 e tal anos, e exceptuando talvez a passagem do Roquette pela presidência, parece fazer "gala" de má gestão desportiva), o FCP, com ou sem favores, caracterizou-se pela excelente organização e capacidade para manter a identidade da equipa, mesmo após a saída de jogadores importantíssimos. Talvez o PdaC ande preocupado com outras coisas... De resto, ainda que o Helton seja melhor que o Baía (e essa opinião também é manifestada por colegas meus portistas), falta ainda saber qual o impacto que a troca de GR's terá no balneário do FCP... Espero que os benefícios de ter um GR supostamente melhor sejam "recompensados" pelo prejuizo que tal medida terá na coesão da equipa.

tma disse...

"... Ainda assim, o Nuno Gomes e o Petit, dificilmente sairão do clube..."
('sairão', e não 'sairam', como é óbvio...)

Mr. MA disse...

Uma certeza, que sublinho: "Seremos campeões".

MB disse...

Força, SLB!

Estamos bem, mas lembro-me sempre que, normalmente, o clube que está melhor não canta vitória. Mas também me lembro que não há regra sem excepção!!

antitripa disse...

Só uma correcção, caro e nobre SLB: BI-Campeões!
saudações!