origem

domingo, janeiro 29, 2006

A conquista da época

Ponto prévio: a vitória dos lagartos no Estádio da Luz por 3-1 é perfeitamente justa. Foram de longe a melhor equipa em campo e demonstraram mais vontade de vencer do que nós, que fizemos um dos piores jogos da época. É sabido que as equipas pequenas fazem das partidas frente ao Benfica os grandes jogos da época. Ainda por cima, os lagartos têm como objectivo primeiro de todos os anos ganhar ao Benfica e só depois é que vem a conquista de títulos. Daí que os seus adeptos devam estar eufóricos, porque a temporada já está ganha. Posto isto, não percebo como foi possível o Benfica ter preparado tão mal este jogo, principalmente em termos mentais. Deveríamos estar capacitados para ter de enfrentar um adversário que vinha dar tudo por tudo na Luz. Em vez disto, fizemos um jogo desastrado e desconcentrado, e a equipa deixou-se envolver na (perigosa) euforia dos adeptos devido à série de vitórias seguidas que vínhamos obtendo.

Estes lagartos são de facto uma raça muito especial. Quando tudo parece perdido não há como um jogo frente ao Benfica para os espicaçar. Quantas vezes foram eles a casa do clube regional em condições semelhantes e ficaram longe de comer a relva como o fizeram hoje (e geralmente fazem sempre) frente a nós? Agora que ganharam os dois jogos frente ao Benfica, já podem dedicar-se a lutar contra as equipas do seu campeonato (Nacional, Braga, V. Setúbal, etc.) tal como disse o presidente do Nacional, numa declaração que ninguém dos lagartos rebateu (concentrados que estão sempre no colo do Benfica). E se for preciso perderem em casa para ajudar o clube regional a continuar à nossa frente, não tenhamos dúvidas que a maioria dos seus adeptos irá defender esta solução. Já no ano passado muitos deles ficaram aborrecidos com a vitória em casa frente ao clube inominável, porque isso era favorável ao Glorioso.

Curiosamente até entrámos bem no jogo, pressionantes como de costume, apesar de não termos criado grandes situações de golo. Foi “sol de pouca dura”, os lagartos rapidamente tomaram conta do meio-campo, porque o Manduca não recuava para apoiar o Petit e o Beto e assim ficávamos em inferioridade numérica naquela zona nevrálgica do terreno. Para além disto, perdemos a maioria das bolas disputadas, o que não é nada habitual. Os lagartos pareciam que estavam em superioridade numérica, tal a facilidade com que recuperavam o esférico. Perante isto, caiu do céu o indiscutível penalty a nosso favor (é preciso ser muito cego para levantar uma faixa a dizer “Apito Encarnado” como a claque dos lagartos fez na altura da grande penalidade). O Simão desta vez atirou para o lado esquerdo do guarda-redes, enganando-o. Quando se esperava que o golo nos tranquilizasse e pudéssemos explanar o futebol que temos vindo a exibir, nada disto aconteceu. Os lagartos voltaram à carga e até ao intervalo foi uma sorte não terem marcado golos, já que tiveram mais de uma oportunidade para isso.

Na 2ª parte, quando se esperava uma reacção do Benfica ao rumo do jogo, tudo se manteve na mesma. Superioridade lagarta no meio-campo, pressão sobre a nossa defesa e nós sem conseguirmos sair decentemente para o ataque. O Koeman finalmente mexeu na equipa e colocou o Manuel Fernandes (saindo o inoperante Manduca) para tentar equilibrar as coisas, mas o sentido de jogo pouco mudou. E foi com naturalidade que os lagartos chegaram ao empate num penalty que no estádio me pareceu precedido de pé em riste do Liedson sobre o Beto, mas que confirmei na televisão que é apenas a lentidão deste que fez com que tenha pontapeado o adversário em vez da bola. Pouco depois, o Beto saiu e estreou-se o Marcel numa tentativa óbvia do Koeman de ganhar o jogo. Logo na altura esta substituição pareceu-me um pouco precipitada, porque estávamos finalmente em igualdade numérica no meio-campo e com ela poderia correr-se o risco de desequilibrar a equipa. Foi o que acabou por acontecer. Apesar de termos dois pontas-de-lança, o que é certo é que a bola quase não chegou a condições a nenhum deles. Os lagartos continuavam mais personalizados e um erro crasso do Alcides permitiu que a bola pontapeada pelo Ricardo chegasse ao Liedson, que teve um bom trabalho sobre o Luisão e depois marcou um grande golo. Ainda tentámos reagir, mas já foi mais com o coração do que a cabeça. E foi na sequência de um lance em que o Marcel falha a conclusão depois de um cabeceamento do Luisão, que outro grande erro do Alcides fez com que o Liedson se isolasse, contornasse o Moretto (que foi muito pouco lesto a sair dos postes) e acabasse com as dúvidas acerca do vencedor.

O jogo de ontem serviu (espero eu) para acabar de vez com algumas opções estranhas do Koeman. As coisas tinham corrido razoavelmente até agora, mas tendo o Benfica os dois melhores laterais a actuar em Portugal (Nélson e Léo), sempre achei estranho que não jogassem os dois, cada um na sua posição de origem. Com a exibição do Alcides ontem, espero que este assunto fique arrumado de vez. O grande erro do Koeman não foi ter actuado com ele desde o início (como disse, as coisas até tinham corrido bem), mas antes não o ter substituído ao intervalo, já que na 1ª parte o lado direito da nossa defesa foi um passador. Por outro lado, o Manduca ainda não justificou ser titular do Benfica. Pode ser uma boa solução para o banco e sempre que foi o substituto entrou bem no jogo, mas isto nunca aconteceu quando alinhou de início (e já lá vão três partidas). O Anderson também fez um jogo péssimo e fez-me ter saudades do Ricardo Rocha, que tem contra si o facto de se fazer (quase) sempre expulsar em jogos grandes. De futuro, e apesar disto, dar-lhe-ia uma oportunidade porque me parece um jogador mais musculado que o Anderson e que consequentemente impõe mais respeito aos adversários.

Espero que esta derrota não se torne em algo mais do que aquilo que é: um percalço na luta pelo título. É certo que, se o clube regional ganhar, a diferença volta a aumentar para seis pontos, mas ainda só agora é que começou a 2ª volta. Outros celebram as vitórias frente ao Benfica como as grandes conquistas do ano (ainda falam dos 7-1 numa época em que nós fizemos a dobradinha), para nós este deverá ser apenas um desaire corrigível. Afinal de contas, ao contrário de outros clubes, ainda podemos ganhar tudo esta época…

4 comentários:

tma disse...

Quanto à forma como o Cepórtêim encara as vitórias do Benfica, como se fosse mais importante que a conquista do campeonato, pode ser irritante, mas é deixá-los estar. O facto de terem ganho ontem não faz com que sejam melhores.
No entanto, ontem foram claramente melhores, e deram-nos um "banho de bola"...
O Fócúlporto entretanto empatou (sou vi o fim do jogo para saber o resultado): menos mal...
O que me preocupa nesta derrota, para além do desperdício dos 3 pontos, é que nos últimos jogos o Benfica tem vindo a ser algo condescendente (embora revelando grande eficácia) e portanto, temo que o resultado de ontem (que acaba por ser lisonjeiro...), possa afectar a equipa, remetendo para uma nova série negra.
Ontem, nem condescendente foi: total inépcia é o que melhor define a atitude do Benfica, que foi 100% eficaz - marcou no único remate digno desse nome.
O Alcides, que à partida me pareceu uma má escolha (dadas as características dos médios e avançados do SCP), revelou-se pior ainda, ao ter falhanços inacreditáveis, alguns infantis, até, sendo o mais clamoroso o que deu o 1-2.
Acho que o Koeman não planeou o jogo devidamente, e agora não tem grandes descupas, ao contrário do que se passou no início da época e na série de lesões.
Não compreendo pq não colocou o Karagounis ao intervalo, e para a posição em que o Manduca jogou, o Nuno Assis tê-lo-ia feito muito melhor, mas parece que o Koeman não o tem em grande conta (apesar de ter sido um dos jogadores que, na série de lesões, melhor contributo deu à equipa)...
Também acho que o R.Rocha tb teria sido preferível ao Anderson (que também este pouco inspirado...), até pq o RR é mais rápido, e logo, melhor para enfrentar os avançados rápidos do SCP (e também já está mais calmo que no início da época).

Neste momento, só há uma solução: ganhar em Leiria!!!

S.L.B. disse...

Estou plenamente de acordo contigo, TMA. O ostracismo a que o Nuno Assis tem sido votado é algo que me faz muita confusão. Se o Koeman quer jogar com o Nuno Gomes na frente, o Nuno Assis é o jogador do plantel que melhor faz a posição "10".

Por outro lado, nos derbys é quando se vê melhor os jogadores com "nervo". E quer se queira quer não, os jogadores nacionais sabem melhor o que representa um Benfica-lagartos do que um estrangeiro que chegou recentemente. Na equipa inicial, o Benfica teve quatro portugueses (já contando com o Nélson) e os lagartos oito. Deu para ver a diferença de atitude? (Só como ponto de comparação, a nossa equipa-tipo do ano passado tinha oito portugueses...)

Anónimo disse...

Honra seja feita ao Koeman: nas declarações no final do jogo, não se desculpou com o árbitro ou com o relvado ou com alguma aparição de aliens e entregou a César o que era de César.

Agora deixem lá de chorar - já causaram o maior nevão em 50 anos, chega! - e corram atrás do FCP, que no próximo fim de semana recebe o Braga, o que significa que alguém vai perder pontos.

Rui "Choco" Braz

guitar disse...

Custa sempre muito perder. Muito mais contra os lagartos. E ainda mais quando penso que podia ter havido um verdadeiro terramoto, tantas foram as oportunidades de golo da lagartagem. Uma vergonhaça!
Mas vejamos melhor. Tal como já havia dito, nos últimos jogos não jogámos quase nada. Ganhámos apenas PORQUE A DEFESA FOI IMPERIAL. Agora, o inesperado aconteceu. A defesa deu um barracão descomunal e, pronto, lá veio o descalabro. Acho que mesmo jogando muito mal, com a defesa NORMAL não tinhamos perdido...
Razões para a débacle são muitas. Mas não consigo perceber porque é que um lateral esquerdo de raíz, que até é internacional brasileiro, e rápido, ficou no banco para dar lugar a um excelente lateral direito, rápido, mas sem pé esquerdo. Par pôr à direita um central (que até tem jogado bem à direita) mas é uma invenção! Depois penso que o terreno molhado não aconselhava jogadores lentos e com menos capacidade de recuperação após uma falha nos tempos de entrada. Tanto o Alcides, como o Anderson (a pior exibição que o vi fazer no Benfica) foram vítimas deste primeiro equívoco do Koeman.
Segundo equívoco, como disseste, o Manduca. Por que raio, quando finalmente o rapaz acertou um coelho tirado da cartola, que foi o Geovanni a jogar à frente, decidiu agora voltar a colocá-lo onde não joga nada? E colocou um jogador que rende mais nas alas, como organizador de jogo ofensivo e tabelador à entrada da área, papel que o Gomes faz tão bem? Assim, o meio-campo teve um homem a menos (Manduca não marca ninguém), o ataque também e as alas estavam desertas, porque o soneca não queria lá estar. Ora isto, a juntar à desastrada defesa, é muita coisa junta. Por isso perder por 3-1 foi só uma derrota e não a enorme humilhação que nos arriscámos mesmo a sofrer.
Espero que o holandês abra os olhinhos e pense um pouco melhor quem deve jogar onde e deixe de inventar ideias pseudo-geniais. Agora tem plantel, titulares e banco, e não tem desculpa para colocar tudo virado do avesso e fora das posições naturais.
Abra os olhos, porque todos nós vimos que o resultado ao intervalo era um milagre caído do céu. Todos menos ele, que ficou à espera de empatar o jogo para mexer.
Também acho que o Karagounis fazia sentido. Mais uma vez pergunto, o que se passa?. Não gosta dele? Não está em condições? Não trabalha? Digam-nos alguma coisa, porque gostávamos de saber.
Enfim, perdemos a oportunidade de encostarmos no FCP, práticamente garantirmos a Liga dos Campeões e arrumar psicologicamente a lagartada . Era assim tão pouco? Não percebi tanto excesso de confiança e tão pouco arreganho na equipa. E isso vem do líder, não me lixem.
Vá lá que os outros foram amigos, mas não há mais margem para falhar. E aproximam-se jogos difíceis.
Espero uma vitória convincente já em Leiria. Outra vez contra avançados rápidos. Vamos ver como vai o Koeman montar a equipa...
Abraço