origem

quarta-feira, novembro 06, 2013

Inglório

Perdemos em Atenas frente ao Olympiacos (0-1) e vamos dizer adeus à Liga dos Campeões. Uma inacreditável falha defensiva (especialmente do Garay) num canto e seis(!) defesas de golo do Roberto explicam que a melhor exibição da época tenha resultado numa derrota.

Não há muito mais que se possa dizer num jogo que só me fez lembrar este, embora com a diferença que não atirámos nenhuma bola ao poste. Entrámos bem com óptimas oportunidades do Cardozo e Markovic, este isolado, mas foram os gregos a fazerem o golo solitário aos 13’ na primeira das duas oportunidades que tiveram. Abanámos um pouco até ao intervalo, mas mesmo assim o Matic teve uma desconcentração imperdoável num canto a nosso favor (julgou que estava fora-de-jogo) e atirou de calcanhar quando tinha só o Roberto pela frente.

A 2ª parte foi igual à 1ª e vimos o Roberto salvar golos certos do Markovic (novamente), Sílvio e duas vezes ao Djuricic. E ainda defendeu um bom remate do Enzo Pérez! Foi uma exibição inacreditável que não via um guarda-redes fazer há já muito tempo. Mas, da mesma maneira que o Beto não se tornou um jogador bestial quando marcou ao Manchester United, eu não me esqueço das frangalhadas que o Roberto nos presenteou enquanto esteve cá: que continue pela Grécia ou por Madrid, mas longe de nós, de preferência. A segunda oportunidade do Olympiacos resultou de um contra-ataque já muito perto dos 90’, que felizmente foi conduzido pelo Salino e que foi bem contrariado pelo Maxi. Para piorar tudo, ainda vimos o Cardozo se lesionar e vamos lá a ver quando tempo é que vamos ficar sem ele.

Em termos individuais, gostei muito do Ruben Amorim (no tridente do meio-campo com o Matic e Enzo Pérez) e do Gaitán (já se sabe que nos jogos da Champions a motivação é outra…). O Sílvio fez a estreia num jogo a sério, a lateral-esquerdo, e o melhor que se pode dizer é que não destoou. A defesa não foi grandemente posta à prova e o Artur não fez uma única defesa.

Sejamos realistas: é praticamente impossível o Olympicos não ganhar em casa ao Anderlecht na última jornada, quando disso depende a sua qualificação. E basta-lhe três pontos para se apurar para a próxima fase. Quanto a nós, é ganharmos em Bruxelas na próxima jornada para selarmos o 3º lugar e começarmos a pensar em ir a Turim lá para Maio. É obviamente uma desilusão não nos apurarmos para a fase seguinte da Liga dos Campeões, ainda por cima estando no pote 1, mas eu já disse várias vezes que oitavos e quartos da Champions não são títulos e eu prefiro mil vezes ir a uma final (e ganhá-la, já agora!) da Liga Europa. A final da Champions é na nossa casa, mas no estado actual do futebol europeu sempre foi uma utopia irrealista pensar em lá chegar. Concentremo-nos é no campeonato e deixemo-nos de sonhos desfasados da realidade.