origem

quarta-feira, março 28, 2012

O possível

Perdemos em casa com o Chelsea (0-1) e temos a nossa vida muito complicada para seguirmos para as meias-finais da Liga dos Campeões. O resultado acaba por não ser muito justo, já que também tivemos oportunidades, mas contou a eficácia dos ingleses.

A 1ª parte foi disputada a um ritmo baixíssimo, com as equipas a mostrar receio mútuo. Caso isto não fosse a Champions até podia parecer que estávamos a poupar os jogadores para o próximo Sábado (assim como se tinham poupado na 6ª feira para hoje…), mas mesmo assim ainda tivemos uma boa oportunidade numa boa rotação do Cardozo, depois de receber a bola no peito, com o remate de primeira a sair ao lado. O Chelsea também só criou uma situação de verdadeiro perigo num remate de longe do Raul Meireles (once a pig, always pig…) que o Artur defendeu bem para canto.

Na 2ª parte, ambas as equipas lembraram-se que havia uma baliza e que o objectivo do jogo é marcar golos. Fomos mais velozes durante os primeiros 20’ e criámos algumas boas situações, com um remate do Cardozo que o David Luiz defendeu com o peito quase em cima da linha e uma cabeçada do Jardel que o Cech defendeu (é a 4ª vez que o Jardel não consegue marcar um golo de cabeça, quando está quase à-vontade na área – duas vezes ao Zenit, Olhão e esta). Aos 69’, o Jesus resolveu tirar o Aimar e o Bruno César e colocar o Matic e o Rodrigo, e nós acabámos. Não percebi a saída de El Mago… Como está castigado no campeonato, será que foi para poupá-lo para daqui a… uma semana e um dia?! O que é certo é que deixámos de criar perigo a partir das substituições. Aos 75’, o jogo ficou resolvido quando um mau passe do Rodrigo dá azo a um contra-ataque do Chelsea, o Ramires passa pela enésima vez pelo Emerson, o Javi García não consegue cortar a bola, que segue para o Torres, que bate em corrida o Jardel e centra para o Kalou encostar. Até final, ainda tivemos um remate do Nolito que deveria ter tido melhor direcção e outro lance em que o centro do Gaitán não conseguiu chegar ao Cardozo.

Em termos individuais, o Gaitán terá sido o melhor, seguido muito de perto pelo Cardozo. O Witsel e o Javi García fizeram uma boa 1ª parte. Todos os outros estiveram medianos, excepção feita ao inenarrável Emerson que começa a raiar o ridículo. Mas não é ele que pede para jogar… No entanto, ainda se percebe menos os assobios a ele durante o jogo.

A eliminatória está muito complicada e vai ser difícil dar a volta no jogo da 2ª mão. Tal como disse aqui, o fundamental é o campeonato e, dado que vamos receber o Braga e depois vamos ao WC, espero que a equipa não se desconcentre com estes jogos de uma competição em que já atingimos os objectivos propostos para esta época. A partida do próximo Sábado é que é fundamental. Só uma vitória interessa, caso contrário não tiraremos proveito nenhum do jogo entre o CRAC A e o CRAC B na jornada seguinte. É preciso meter uma coisa na cabeça: a época vai decidir-se positiva ou negativamente nos próximos dois jogos para o campeonato, não é na próxima 4ª feira…

P.S. – Nem com o árbitro tivemos grande sorte. O Sr. Paolo Tagliavento conseguiu não ver um penalty do tamanho do mundo por braço do Terry (ainda por cima, na zona do fiscal-de-linha e fiscal-de-baliza, que não quiseram mesmo ver…) e um lance que pode bem ser considerado atraso do Terry para o Cech.

2 comentários:

mrmg disse...

Nem sorte nem engenho.
Mas temos a oportunidade de reaver o que perdemos.

Mais uma bicada em:
http://aminhachama.blogspot.pt/2012/03/treta-do-salazar.html

mrmg disse...

Boas tardes, em relação ao post acima publicitado, Se tiverem mais dados : DIVULGUEM nesse mesmo post, que já foi actualizado

http://aminhachama.blogspot.pt/2012/03/treta-do-salazar.html