origem

domingo, setembro 23, 2007

Porquê a resignação?

Empatámos 0-0 em Braga e à 5ª jornada já estamos a seis pontos do 1º classificado. Isto quando a nossa 2ª volta é bastante mais difícil do que a 1ª. Estou a ver o panorama muito negro e, se quando empatámos frente ao Guimarães, eu não fiquei desiludido, já no jogo de hoje o caso muda de figura. Não percebi a falta de ambição, principalmente na 2ª parte, perante um adversário que teve menos dois dias de descanso depois das competições europeias do que nós. Por outro lado, e o que mais me decepcionou, foram as substituições do Camacho, quando era preciso tentar algo mais para conseguir a vitória. Completamente incompreensíveis.

Em relação à equipa titular em Milão, saíram o Miguel Vítor e o Cardozo, entrando o Gilles Binya e o Nuno Gomes. Não começámos mal o jogo e até criámos oportunidades pelo Di Maria e o C. Rodríguez, este num lance em que não soubemos aproveitar a superioridade numérica no ataque. Mas a partir de metade da 1ª parte, deixámos de conseguir chegar com perigo à baliza do Braga. Ainda tivemos uma boa oportunidade pelo Rui Costa, cujo remate saiu ligeiramente por cima, todavia não imprimíamos velocidade ao nosso ataque e fazíamos tudo a passo de caracol. O Rui Costa, infelizmente, não é eterno e não esteve tão activo como nos jogos anteriores, o Maxi Pereira foi hoje um jogador a menos, o C. Rodríguez não pode fazer tudo sozinho e o Di Maria não consegue jogar a 200 à hora durante o jogo todo. Como o Léo não subiu como habitualmente e o Luís Filipe não existe, não tivemos capacidade de criar desequilíbrios atacantes. Na defesa não estivemos mal e os problemas que existiram foram resolvidos pelo super-Quim.

A 2ª parte ainda foi pior que a 1ª. O Braga começava a mostrar dificuldades físicas, mas nós não soubemos aproveitar esse facto. O que é incompreensível já que tivemos cinco(!) dias de descanso. Estava visto que teria de ser feita alguma coisa a partir do banco, mas o que aconteceu tornou a emenda pior que o soneto. Quando se esperava a saída do Maxi Pereira e a constituição de uma dupla atacante com o Nuno Gomes e o Cardozo, o que se verificou foi precisamente o contrário. Saiu o jogador que mais velocidade imprimia ao nosso jogo (que já não era muita...), o Di Maria, e o próprio Nuno Gomes, para entrarem o Cardozo e o Nuno Assis. Ou seja, trocou-se jogador por jogador sem arriscar minimamente. O que eu não percebo. Este era um jogo vital e se há algo que me faz confusão é ver que o Benfica não faz tudo o que está ao seu alcance para ganhar um jogo. Pode não o conseguir, mas tem obrigação de lutar e de arriscar para tal. O que objectivamente não fez hoje. Tirando um remate acrobático do Edcarlos e outro ao lado do Katsouranis, não criámos mais nenhuma oportunidade de golo. A cinco minutos do fim, saiu o maestro e entrou o Romeu Ribeiro. Outra opção que não compreendi. Se era para fazê-lo descansar deveria ter saído mais cedo.

Individualmente gostei do Quim (já se torna um hábito referi-lo e estamos há quatro jogos sem sofrer golos para o campeonato), do Katsouranis (está cada vez mais central) e a espaços do Binya (enquanto o Petit não voltar, o lugar parece ser dele) e do C. Rodríguez (foi dos poucos a lutar e a tentar jogar para a frente). O maestro não sabe jogar mal, mas tem que ser preservado, caso contrário o gás acabar-se-lhe-á rapidamente e não o teremos em condições para os jogos mais decisivos. O Di Maria voltou a mostrar os mesmos defeitos (timing de soltar a bola e pouca capacidade de aguentar o choque) e as mesmas virtudes (velocidade e técnica de drible). O Nuno Gomes esteve discreto, mas se queremos ganhar jogos não podemos substituir pontas-de-lança por pontas-de-lança, e o Cardozo precisa nitidamente de alguém a jogar mais perto dele.

Quarta-feira temos outro jogo decisivo, neste caso na Amadora e para a Taça da Liga. É expectável que o Camacho faça alterações na equipa, mas convém não esquecer que é a 1ª edição desta competição e que o nosso historial nos obriga a tentar conquistá-la. Mas espero que sejam dadas oportunidades a quem tem jogado menos. Com os lagartos para a semana e a Champions daqui a 10 dias, teremos que mostrar para que nos serve um plantel com 29 jogadores.


P.S. – Continua a malapata com as camisolas alternativas...

6 comentários:

Pedro Morgado disse...

O Benfica ganhou 1 ponto. O Braga é que perdeu 2...

Artur Hermenegildo disse...

Viva.

Já estás com saudades do Fernando Santos? Pelo menos jogávamos sempre com 2 pontas-de-lança, e no final dos jogos em que não estávamos a ganhar até com 3 e 4.

Abraço

AH

Americano disse...

O Maxi Pereira é um CEPO! Grande barrete!
Adu a titular JÁ!!!!!

MALUCODOFUTEBOL disse...

FALTA DE AMBIÇÃO

Como eu já tinha dito, o jogo de Braga seria decisivo. Mas não era, pelo menos para o técnico do Benfica. Mas que declarações são aquelas? Ai se fosse Fernando Santos....
Quanto ao jogo não há muito a dizer. Um empate que assenta que nem uma luva ao Benfica, porque só houve uma equipa a tentar ganhar o jogo, o Braga. Com várias unidades desinspiradas, seria dificil ao Benfica fazer melhor e aquelas substituições são de bradar aos céus (ai se fosse Fernando Santos...) Resumindo e concluindo, já estamos a seis pontos e só nos resta "salir a ganar".
P.S: O Porto está e bem em primeiro. Não vejo os jogadores do Benfica lutarem tanto como os do Porto
P.S 2: Mas não há nenhum dirigente sportinguista que critique a arbitragem para os lados de Alvalade? Pois, agora não convém falar

Anónimo disse...

ha aqui muitos malucos do futebol que mais parecem ser dementes do futebol...

Anónimo disse...

Podem entratanto ir entregando as faixas de campeão aos tripeiros.