origem

segunda-feira, julho 11, 2005

Miguel e LFV

Tivemos novos desenvolvimentos no “caso Miguel”. Na entrevista que lhe fizeram (e que só passou na íntegra na SIC Notícias à meia-noite), as suas contradições são mais que muitas. Primeiro afirma que “ainda tudo é possível”, para logo depois dizer que “não há condições para continuar no Benfica”. Segue dizendo que “não me quero pronunciar sobre o contrato” (se este fosse inválido, ele já se pronunciaria?). A questão resolver-se-á quando “as pessoas se sentarem à mesa e conversarem”, não tem problemas em “falar com o presidente”, mas meio minuto depois diz que “acho que não vou ter a consideração de me sentar à mesma mesa do que ele”. Aquela cabeça está muito confusa...

Na resposta, o Luís Filipe Vieira esteve bem mais uma vez e pôs os pontos nos ii: o Miguel é jogador do Benfica, tem que se apresentar no clube e depois se quiser conversa com ele. Até lá, se continuar sem se apresentar no clube o problema é dele, já que devido ao “caso Mexès” não vai haver nenhum clube que o queira em litígio com o Benfica. As contradições dos representantes do Miguel também são engraçadas: primeiro, o contrato não era válido, depois era melhor o Benfica a vendê-lo por 2 milhões de euros, depois já eram cinco. É a estratégia de atirar tiros para o ar, a ver se algum acerta. É pena os jogadores de futebol deixarem levar-se na cantiga de alguns empresários, autênticos proxenetas modernos, que só os prejudicam.

As únicas coisas que o Dias Ferreira, esse profissional tão exemplar e principalmente tão isento, conseguiu dizer em resposta ao LFV foram que o Miguel tinha direito a ter um advogado e que existe uma “proposta honesta” de 5 milhões de euros pelo jogador. Isto quando o Benfica já disse que o mínimo eram 10. A estratégia é clara: uma off-shore compra o jogador por 5, vende-o a um clube por 6 ou 7 e assim há quem meta alguns milhões ao bolso.

Espero bem que, como disse o LFV, este caso sirva de lição. Um jogador com contrato e com os ordenados em dia não pode fazer o que lhe apetece.

7 comentários:

tma disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
tma disse...

O que eu acho piada é o Miguel dizer que o Dias Ferreira é profissional exemplar, etc, etc, blá, blá, isento, quando se sabe o ódio irracional que esse indivíduo nutre por tudo o que é Benfica, e de sabermos que todas as análises que ele faz do Benfica são tudo menos isentas.
O Dias Ferreira só pode ter sido escolhido pq é único advogado que não tem escrúpulos para aceitar um caso contra o Benfica, mesmo sabendo que o seu cliente não tem razão.
Aliás, e doravante, passarei a designar o Miguel por "O Cliente do Dr. Dias Ferreira", ou simplesmente, "O Cliente"...

S.L.B. disse...

O Miguel nem se conseguiu exprimir de um modo inteligível. É pena deixar manipular-se por "pessoas" como estas. Mas quem costuma ver o Dias Ferreira a falar sempre tão exaltado quando acha que tem razão (no "Dia Seguinte" na SIC Notícias), não deixou de ser curioso ver ontem o "low profile" dele. Por que será?!

antitripa disse...

Sinceramente o Miguel ontem tinha ar de puto que palmou meia duzia de chocolates no continente e reparou que andava um segurança a segui-lo....ele sabe que ´+e uma questão de tempo...pode passear à vontade mas quando chegar à caixa, está fudido!Ele e os outros 2 que o incentivaram a meter os chocolates ao bolso.....

Pedro F. Ferreira disse...

O gajo é burro, burro, burro, burro, burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, burro,burro, burro, burro, é tão burro que até faz dó.

BP disse...

hmémnon, não diria melhor!! :P

tma disse...

Comparo o Miguel àquela malta que vai as assembleias da IURD: tenho pena deles pela fraqueza de espírito, mas é uma pena relativa, pq persuasão não é obrigação. O Paulo Barbosa, se não fosse "empresário" de jogadores de futebol, podia perfeitamente ser bispo da IURD, dedicando-se ao "contigente" da Europa do leste e aos jogadores de futebol de espirito fraco como o Miguel...
Qto ao Dias Ferreira, esse já sabemos que seria incapaz de professar outra religião que não o anti-benfiquismo, mais concretamente, através da seita proveniente do bairro do Lumiar: a "lagarta".