origem

domingo, abril 27, 2008

Finalmente uma vitória

Regressámos às vitórias vencendo o Belenenses por 2-0. Foi um jogo melhor conseguido da nossa parte em relação aos últimos (também não era difícil) e o triunfo é mais do que justo.

Com os castigos do Maxi Pereira e do Binya, e a não-recuperação do Petit, o Katsouranis subiu para trinco e o Nuno Assis e o Edcarlos entraram na equipa, juntamente com o Cardozo em vez do Di María. Não entrámos mal na partida, mas foi sol de pouca dura. Ainda assim tivemos mais oportunidades que o Belenenses na 1ª parte (Cardozo 2x e Rui Costa), mas o jogo acabou por ser equilibrado. Perto do intervalo, o Luisão resolveu começar a pagar a dívida da Académica e marcou um excelente golo, num remate de primeira dentro da área. Mas ainda antes de terminar a 1ª parte, tivemos tempo para deixar o Belenenses criar uma grande oportunidade, com o Quim a fazer muito bem a mancha perante um adversário isolado.

Na 2ª parte, não entrámos tão bem e sofremos forte pressão dos azuis. Aos 54’ acabámos por ter bastante sorte, já que vimos a bola a bater no nosso poste duas vezes na mesma jogada pelo mesmo jogador (Rafael Bastos)! Só tínhamos um elemento defensivo no meio-campo (Katsouranis) e o Belenenses manobrava à vontade. No entanto, aos 63’ o Chalana decidiu-se pela entrada do Di María para o lugar do inoperante Nuno Gomes e dois minutos depois o argentino foi derrubado perto da área. Eu disse aos meus companheiros de bancada que, se a barreira estivesse à distância, seria golo do Cardozo. E assim foi! Grande pontapé e bola ao canto superior direito da baliza. A partir daqui, o jogo alterou-se porque ficámos mais confiantes, mantivemos a bola durante mais tempo e fomos mais esclarecidos a sair para o ataque. Do outro lado, a saída o Silas a 15’ do fim acabou com o jogo atacante do Belenenses. Até final ainda deu para um adversário ser expulso (confesso que no estádio me pareceu forçado o vermelho directo, porque só vi o empurrão ao Cardozo e não a estalada ao Katsouranis, mas não há dúvidas que foi merecido) e para o nosso grego levar um amarelo que o impedirá de jogar na Amadora.

Individualmente há que destacar o Luisão e não só pelo golo. Esteve quase irrepreensível a defender e foi notório depois que o golo lhe deu confiança. Também gostei muito do Katsouranis a trinco, já que apesar de não ser o jogador que corre quilómetros atrás dos adversários tem uma excelente percepção das jogadas, o que lhe permite cortar bastantes bolas. O Nuno Assis esteve bastante bem na 1ª parte, desceu na 2ª, mas é muito melhor jogador que o Maxi Pereira. O problema para alguns é que já está no Benfica há muito tempo... De resto, toda a equipa esteve mediana em termos exibicionais, mas muito bem na entrega e na disputa dos lances.

Os nossos adversários só jogam mais logo, mas estou convencido que se nós ganharmos os dois últimos jogos iremos à Champions. Pode só ser à pré-eliminatória, mas acho que os lagartos não passarão em Paços de Ferreira e o V. Guimarães em Belém para a semana. A grande incógnita será o resultado do clube regional no D. Afonso Henriques logo ao fim da tarde. O que se sabe é que, fazendo jus ao clube que são, irão fazer “poupanças” e jogar com os suplentes. Nem outra coisa seria de esperar...

P.S. – E só faltam dois jogos para nos despedirmos do maestro... :-(

segunda-feira, abril 21, 2008

Ainda na luta

Para o que eu estava à espera, este fim-de-semana futebolístico até acabou por nem correr mal. Perdemos em casa do clube regional (0-2), mas a humilhação que se previa esteve longe de acontecer. Por outro lado, o V. Guimarães empatou em Coimbra e os lagartos foram brindados em Leiria (terreno do último!) por 1-4(!), o que resultou só num ponto perdido para os vimaranenses. Estamos a quatro do 2º e a um do 3º lugar, portanto ainda temos hipóteses de atingir a Champions.

Quanto ao nosso jogo pouco há a dizer. Uma lesão do Petit fez entrar o Binya para a equipa titular e notou-se melhorias. No entanto, entrámos praticamente a perder. O Luisão não conseguiu cortar a bola e o Nélson deu todo o espaço do mundo ao Lisandro para um remate à entrada da área, logo aos 7’. Não poderíamos ter começado pior, mas estranhamente o clube regional não aproveitou para vir para cima de nós. Ao invés, conseguimos controlar a partida até ao intervalo e tivemos uma boa hipótese para empatar, se o Rui Costa tem usado a cabeça em vez do peito para dar sequência a um dos poucos centros acertados que o Nélson fez este ano. Gostaria de agradecer publicamente a esse prostituto de ética e valores chamado Jesualdo Ferreira por ter apresentado uma equipa que pareceu ter medo do Benfica, principalmente durante a 1ª parte.

Na 2ª parte, o C. Rodríguez teve um excelente pontapé logo no início, que passou a rasar o poste, mas mais uma vez a resposta dada pelo banco não foi a mais acertada. O clube regional acelerou o jogo e nós, em vez de tirarmos o Di María que foi muito inconsequente, fizemos sair o Maxi Pereira aos 56’. O resultado foi perdermos o controlo do meio-campo, onde só o Binya passou a defender. Pior do que tudo, o C. Rodríguez, que estava a ser dos melhores, foi obrigado a recuar para perto do camaronês e deixou de estar perto da baliza contrária. É pena que o nosso banco não perceba que para se marcar golos é preciso ter posse de bola e não basta meter só avançados. O 2º golo do clube regional foi bastante parecido com o 1º: Luisão e Nélson dão novamente todo o espaço do universo ao Lisando que, à entrada da área, voltou a não perdoar. Estávamos no minuto 80 e o Makukula tinha entrado para o lugar do Nuno Gomes dois minutos antes. O Di María mantinha-se no relvado e o nosso meio-campo continuava a não funcionar. Finalmente, o banco lá se decidiu pela entrada do Nuno Assis e a saída do argentino aos 85', mas agora já era tarde demais. Tivesse esta substituição sido feita mais cedo e quiçá outro resultado aconteceria. Até final, ainda deu para o Binya ser expulso com o 2º amarelo, porque já se sabe que não fica bem ao Benfica acabar o jogo com 11 na casa do clube regional. O resultado estava decidido e estávamos já nos descontos, mas o Sr. Bruno Paixão ainda tem muito que penar para se limpar do famoso jogo em Campomaior (o único em 25 anos em que o clube regional terá sido prejudicado).

É indesmentível que estamos doentes e a atravessar uma crise de confiança profunda. O clube regional não teve que se esforçar muito para conseguir ganhar, mas felizmente os resultados nos outros campos continuam a dar-nos esperanças. No entanto, o Jesualdo já afirmou que vai fazer a “gestão do plantel” até à final da Taça, portanto já sabemos o que vai acontecer para a semana em Guimarães. Querem ganhar dinheiro fácil? Vão aos sites das apostas e invistam tudo numa vitória do V. Guimarães. É mais que certa!

P.S. – Este jogo foi tão pacífico em tudo que até deu para um momento histórico: foi a 1ª vez que o clube regional devolveu a bola ao adversário, depois de este a ter colocado para fora por causa de um seu jogador que estava lesionado.

sexta-feira, abril 18, 2008

Relembrar XXI – A bomba

Porque precisamos urgentemente de ver imagens positivas, e seguindo uma sugestão do Bakero, deixo aqui o golo do Carlos Manuel que nos deu a vitória frente ao clube regional na final da Taça de Portugal de 1982/83, disputada em pleno Estádio das Antas! A história podem lê-la no (infelizmente não actualizado) blog do TMA e este jogo, quanto a mim, marca simbolicamente o início do “sistema”. Disputar uma final da Taça em casa não é para todos. O que eles não contavam era com o Carlos Manuel & Cia. Pode ser que esta bomba inspire os nossos jogadores para o próximo domingo.

video

P.S. – Sobre outro assunto, chamo igualmente a atenção para estas imagens na Tertúlia Benfiquista.

quinta-feira, abril 17, 2008

Do céu ao inferno

Se eu fosse só um adepto de futebol, teria achado este jogo o melhor do ano. Mas não, como é óbvio este jogo foi o pior do ano! Perdemos no WC por 5-3 nas meias-finais da Taça de Portugal e deitámos fora a última possibilidade de ganhar alguma coisa esta época. Foi uma partida tanto mais inacreditável quanto ao intervalo estávamos a ganhar por 2-0 e conseguimos a proeza de sofrer cinco golos dos lagartos nos últimos 23’!

Como é que foi possível nós termos permitido a ressurreição de uma equipa que estava mais que derrotada ao intervalo é algo que eu ainda tento perceber. Ou melhor, até é relativamente fácil, bastava eu aqui copiar o post do jogo anterior. Quando há lugares cativos na equipa, é natural que estas coisas aconteçam. O meio-campo do Benfica deu um estrondo enorme na 2ª parte e do banco não vieram as respostas devidas. A entrada do Binya (para não dizer que deveria ter sido titular) era imprescindível para estancar a pressão dos lagartos, mas infelizmente no banco não se percebeu isto. E como me custa muito dizer mal de jogadores do Benfica que eu aprendi a respeitar e que também não é por causa deste jogo que eu vou achar que têm que ser corridos a pontapé, vou ficar por aqui. Mas lá que um ou dois deles deveriam ter sido substituídos mais cedo, isso é indesmentível.

Como referi várias vezes, era inadmissível o Benfica passar mais uma época sem ganhar nada. E, tal como disse aqui, se por acaso isso acontecesse, o culpado teria um rosto. Espero que ele se assuma e que nos venha pedir desculpas públicas. Sim, porque nós todos, especialmente os 9.000 que fizemos o sacrifício de ir ao WC, não merecíamos isto.

P.S. – Não foi por aí que perdemos, re-pi-to, não foi por aí que perdemos, mas assistimos a mais uma arbitragem habilidosíssima do Sr. Jorge Sousa. O critério dos amarelos é para rir (para lances iguais, se era verde não levava, se era vermelho claro que sim) e muitas vezes o campo parecia inclinado. O lance do Di María é duvidoso (ele já vai a arrastar o pé, quando é efectivamente tocado pelo Rui Patrício), mas de duas coisas tenho a certeza: 1) se fosse ao contrário, era penalty de certeza; 2) foi mais penalty que o lance do Moreira sobre o Silva no 1º derby no novo Estádio da Luz.
E claro que há um agarrão do Tonel ao Luisão na sequência de um canto, quando o resultado ainda estava 0-2. Se fosse ao contrário, eu imagino a choradeira que não haveria!

sábado, abril 12, 2008

Incompreensível

Perdemos em casa frente à Académica (0-3) e estamos em risco de cair para o 4º lugar. Depois do último jogo no Bessa, nada faria prever um resultado e uma exibição destas. Quando dois dos mais importantes e regulares jogadores do Benfica (Luisão e Léo) oferecem dois golos ao adversário, está tudo dito. Nada correu bem, ninguém se destacou pela positiva e o jogo foi um verdadeiro pesadelo.

Só queria dizer uma última coisa: eu gosto imenso do Luisão, Petit, Nuno Gomes e todos aqueles que foram importantes para a conquista de títulos, mas não percebo porque é que há lugares cativos na equipa. A substituição do Binya, que estava a ser dos melhorzinhos e mais esclarecidos (a correr, cortar bolas e a dá-las jogáveis aos companheiros), não tem a mínima justificação. Neste momento, ele tem que ser titular do Benfica. Doa a quem doer.

P.S. – A única explicação que encontro para este resultado é nós querermo-nos colocar na pele da “equipa que está mal”, que geralmente é quem ganha os derbies. Se os lagartos perdem em casa por 0-2, nós a seguir perdemos por três. Depois deste resultado, o mínimo que se pode exigir aos jogadores é uma grande vitória na próxima 4ª feira. OUVIRAM?!

quinta-feira, abril 10, 2008

Relembrar XX – Pratas da casa

Para celebrar a recepção da nota de culpa do caso Apito Dourado ao clube regional e seu presidente, e as magníficas arbitragens do passado fim-de-semana, recordo aqui o jogo entre o clube regional e o Benfica na época 94/95. Era uma partida decisiva para o Benfica que, caso perdesse, ficaria de vez afastado do título logo na 23ª jornada no início de Março. E como não é difícil adivinhar, perdemos mesmo (1-2) naquela que foi a 1ª das dez derrotas seguidas que tivemos em casa do clube regional (vendo as imagens percebe-se como é que a maioria delas aconteceram), até ao empate conseguido no ano do título, com um golo do Geovanni.

Devo confessar que tive uma grande desilusão na transcrição para DVD dos resumos do Glorioso que estou a fazer. O resumo que tenho do jogo da finalíssima da Supertaça em Coimbra (época 90/91, mas disputado já no início da época 92/93!) da famosa corrida de 100m costas do Sr. José Pratas, perante uma equipa do clube regional em fúria atrás dele, não contém esse momento! O que pensando bem não é de estranhar, já que o resumo foi feito na RTP Porto. Tem os golos e pouco mais. Mais um caso em que o polvo atacou, já que havia coisas que não interessava mostrar. No entanto, o Sr. José Pratas voltou a revelar o material de que era feito dois anos e meio depois.

Esta partida tem de tudo para se perceber a corrupção que vigora no futebol português há 25 anos e cuja pena que se prevê é de... seis pontos perdidos! Há exemplos perfeitos de lances semelhantes que tiveram decisões diferentes, caso fossem a favor ou contra o clube regional. Senão vejamos:

1) Tudo começa com o golo do empate do Benfica aos 38’. Reparem bem na atitude de todos os jogadores do clube regional em relação ao fiscal-de-linha, que se limitou a validar um lance perfeitamente legal. Escusado será dizer que não aconteceu nada a nenhum jogador deles.

2) O segundo caso é uma das entradas mais assassinas que me lembro de ver em jogos de futebol. O Secretário atinge o João V. Pinto com os pitons no joelho! Se o nosso jogador estivesse com o pé no chão, este lance teria certamente significado o final da sua carreira. O árbitro mostrou amarelo, mas como era o segundo teve que o expulsar (coitado...) aos 40’. Amarelo para uma entrada destas! Já na parte final da partida, depois de o resultado estar feito, o Dimas (que foi quem recebeu a carícia - não punida, obviamente - do Paulinho Santos no lance do Secretário) não teve a mesma sorte. Viu mesmo vermelho directo.

3) Finalmente os penalties. Aos 64’, com o clube regional a jogar com 10 e ainda 1-1 no marcador, o defesa-central José Carlos derruba claramente o João V. Pinto na área. O Sr. José Pratas assinalou o respectivo... pontapé de baliza! O Benfica a ganhar em casa do clube regional a 25' do fim e a jogar com mais um? Seria mais fácil haver vida em Marte! Aos 79’ e já depois de o clube regional ter feito o 2-1, este mesmo José Carlos é derrubado pelo Preud’homme na área. Aqui, o Sr. José Pratas manteve o mesmo critério: assinalou o que mais convinha ao clube regional.

25 anos disto e a pena máxima será... seis pontos perdidos! Não me venham com histórias de parabéns pelo títulos deste clube hediondo.


video

segunda-feira, abril 07, 2008

Desistir

A melhor exibição da época não foi materializada numa vitória e empatámos no Bessa (0-0). Foi um jogo bastante semelhante ao do ano passado na Luz, em que uma exibição avassaladora da nossa parte, principalmente no 2º tempo, ou esbarrava no Peter Jehle, ou nos defesas contrários, ou na barra, ou no Sr. Lucílio Baptista.

Assumimos de vez o regresso ao 4-4-2 em losango e não há dúvidas do melhor aproveitamento da maioria dos jogadores neste sistema táctico. Sinceramente perdi a conta às oportunidades de golo que tivemos, mas os deuses e os Deuses não estiveram connosco. É frustrante não ganhar uma partida depois de uma exibição destas, mas a meio da 2ª parte comecei a ver um déjà vu do ano passado. Um sms do D’Arcy dizia-me isso mesmo, ao que eu respondi que só faltava a bola no poste. Poucos minutos depois, o ramalhete estava completo. O que não estava no programa (ou melhor, claro que estava basta ver o que se tem passado nestes últimos 20 anos) foi o que se passou em relação à arbitragem. Pelo menos dois penalties evidentes por marcar (falta sobre o Léo e mão do defesa a um cabeceamento do Edcarlos nos últimos minutos), já para não falar do encostão ao Petit antes do lance sobre o Léo, de um salto de um defesa sobre o C. Rodríguez em plena área, de uma cotovelada sobre o Nuno Gomes à entrada da área numa disputa de bola da qual resultaria um livre perigosíssimo a nosso favor e de uma mão que cortou um cruzamento bem medido do Nélson nos últimos minutos. Ainda por cima, o Sr. Lucílio Baptista tinha assinalado (e bem) um penalty do inenarrável Edcarlos na 1ª parte, que o Quim defendeu (e não me venham falar do lance do braço do Nélson, porque a bola ressalta da anca para o braço, que já estava estendido para trás), portanto nem se pode dizer que não tinha já marcado um penalty a favor do Boavista. Mas não, o Sr. Lucílio Baptista nada quis ver. Curiosamente, na semana passada este mesmo Sr. Lucílio Baptista viu o que não aconteceu (penalty inexistente sobre o Quaresma em Belém), mas aqui também há justificação: como é que o clube regional faria a festa em casa se não tivesse ganho ao Belenenses?!

Juntamente com um golo anulado e um penalty por marcar ambos a favor do Paços de Ferreira contra o V. Guimarães (2-2) e um golo anulado ao Braga que estava a perder por 0-2 frente aos lagartos, mas ainda faltavam 30’ para jogar, temos o cenário todo montado para a parte final do campeonato. E vou ser muito claro em relação a isto: eu acho que o Benfica deveria desistir do campeonato. Agora, enquanto ainda está em 2º lugar para o impacto ser maior e não sermos acusados de desistir só porque estaremos em 4º, que é o lugar para onde vamos parar no final do campeonato. Muito sinceramente. Assumimos que não temos condições, paciência e disposição para continuar a participar neste estado de coisas. É uma questão do higiene: rodeados desta m**** toda, não há nada que possamos fazer. Chafurdem nela sozinhos! Ainda agora no Bessa se viu: estádio com a bancada visitante completamente cheia, isto no fim-de-semana em que outro clube se sagrou campeão e portanto poderia haver algum desânimo dos nossos adeptos. Somos nós o abono de família de todos, repitos T-O-D-O-S, os clubes do campeonato, e estaria muito curioso para ver como é que eles iriam competir sem nós. Façam uma liga entre estes amiguinhos e cúmplices todos, Guimarães, clube regional, lagartos (eu faço ideia o que estes não diriam se o Apito Dourado fosse connosco...) todos sem o Benfica. NÃO VALE A PENA! Quando 20 anos de CORRUPÇÃO, compadrio, tráficos de influência e interesses resultam numa possível pena de seis pontos, S-E-I-S(!) pontos, está tudo dito. Joguem sozinhos que ficarão mais felizes.

Quanto a nós, proponho que façamos uma exposição à Uefa e à Fifa a demonstrar como em Portugal, qual Zimbabwe ou Coreia do Norte, a pena para um clube que corrompe árbitros são seis pontos e nos candidatemos a competir num outro campeonato. Pode ser já o espanhol, que fica mais perto. Aqui não vale mais a pena. Ou certas figuras são eliminadas do panorama desportivo (o que pelo actual estado de coisas não se está a ver acontecer), ou acho mesmo que o Benfica os deveria deixar a jogar sozinhos. HÁ QUE TOMAR MEDIDAS DRÁSTICAS, caso contrário a impunidade perpetuar-se-á. Isto tudo mete tanto nojo, que só me dá vontade de vomitar.