origem

terça-feira, abril 10, 2007

Pensar na Uefa

Como se estava mesmo a ver, não temos plantel suficiente para jogar em duas competições em simultâneo nesta altura da época. O empate em Aveiro (2-2), num estádio completamente cheio e de vermelho, significou o nosso adeus ao título, já que o clube regional está agora a três pontos de distância, que na prática são quatro. Este mau resultado deve-se muito à precária condição física da maioria dos nossos jogadores, que nunca se conseguiram superiorizar neste aspecto ao Beira-Mar, o qual parecia estar a fazer o jogo da vida deles. Isto completado com duas inacreditáveis falhas defensivas foi a razão para este desperdício pontual.

Com o regresso do Katsouranis voltou também o 4-4-2 em losango e, para variar um pouco, começámos bem o jogo. Aliás, não podíamos ter começado melhor, já que marcámos logo aos 45 segundos! O problema foi que o fiscal-de-linha anulou um golo limpíssimo ao Nuno Gomes (que mal estava em linha) e assim o que se poderia ter tornado uma partida calma, começou logo mal. E para piorar as coisas, aos 23’ o Anderson voltou a oferecer um golo ao adversário, ao falhar um corte em carrinho. Pelo terceiro jogo consecutivo partíamos em desvantagem. Para quem queria uma partida fácil e resolvida cedo era o pior que poderia acontecer. A partir daqui, instalámo-nos no meio-campo adversário, mas não jogávamos com muita velocidade. Mesmo assim tivemos algumas oportunidades para marcar, mas nem o Simão nem o Nuno Gomes o conseguiram fazer. Entretanto, o Beira-Mar ia distribuindo pancada a rodos e começava a encher-se de cartões.

Na 2ª parte saiu o Karagounis para entrar o Rui Costa que, ao contrário do que se passou nos outros dois jogos, não foi tão preponderante na melhoria da equipa, até porque não reentrámos bem na partida. O Beira-Mar conseguiu fazer alguns contra-ataques ao contrário da 1ª parte e a nossa falta de pernas começou a ser notória. O jogo ia arrastando-se sem a desejada pressão da nossa parte, mas tivemos alguns remates perigosos, como um do Miccoli que o guarda-redes defendeu, dois do Rui Costa ao lado e outro do Simão que, enquadrado com a baliza e assistido pelo Miccoli, conseguiu fazer um passe ao guarda-redes. Entretanto, já tinha entrado o Derlei para o lugar do Anderson, passando o Katsouranis para central, mas o brasileiro voltou mais uma vez a ser um zero absoluto. O jogo entrava nos últimos 10 minutos e as coisas estavam negras. Até que entrou o milagreiro Mantorras (para o lugar do Nuno Gomes) que, na primeira vez que interveio numa jogada, fez golo! Foi um lance de insistência dele, depois de ganhar um ressalto, em que rematou rasteiro e cruzado, tendo a bola ainda desviado no pé de um defesa e entrado na baliza. Chegávamos ao justo empate, num golo “à Mantorras”. Faltavam sete minutos para o fim e a vitória tornava-se possível. Logo a seguir, o Simão teve uma óptima jogada pela esquerda, entrou na área sozinho, mas, à semelhança do que também aconteceu na 1ª parte, não fez bem o centro, permitindo à defesa do Beira-Mar atirar para canto. Ultrapassámos a dezena de cantos, mas sem o Luisão e com as torres dos aveirense raramente conseguimos criar perigo. Contra todas as expectativas, aos 87’ não aconteceu o balde de água fria, mas sim um banho inteiro! Num bola bombeada para a frente, há um centro na esquerda do ataque do Beira-Mar com a nossa defesa em contra-pé e o Delibasic antecipa-se ao Léo (com o Katsouranis parado na área), e bate o Quim, que também não saiu tão bem quanto deveria. Voltávamos a estar a perder e caiu-me tudo ao chão nesse momento! No entanto, com bastante dignidade ainda encontrámos forças para ir para cima deles e finalmente conseguimo-lo. Num livre à entrada da área, há um jogador do Beira-Mar que faz uma excelente defesa com o braço ao remate do Simão, mas o árbitro não assinalou nada. A TVI só conseguiu mostrar uma(!) repetição e vista de longe, mas não tenho dúvidas que foi penalty. Pouco depois, o Rui Costa coloca a sua assinatura no jogo, com uma abertura extraordinária que isola o Miccoli, só que este infelizmente está numa forma lamentável e fez um passe ao guarda-redes. É o 3º jogo consecutivo em que o italiano falha um golo de baliza aberta. Ainda bem que não se chama Nuno Gomes, senão eu faço ideia o falatório que haveria para aí. Até que aos 92’ o Simão cai na área e o Lucílio Baptista assinala penalty. Não tenho problemas nenhuns em dizer, depois de vistas as repetições, que não é falta, porque o Simão é que provoca o contacto com o adversário, mas serviu para compensar o braço anterior (e ainda há o golo anulado). O capitão conseguiu converter e salvar-nos da derrota, mas seja em que circunstâncias for, um empate na casa do último classificado é sempre um péssimo resultado.

A equipa está estoirada e as exibições individuais nunca podem ser muito boas assim. O melhor, para não variar, foi o Simão, só que o problema é que ele é o único jogador decisivo que está em boa forma. Os gregos são muito inconstantes (hoje foi o Karagounis a sair ao intervalo), o Nélson perdeu a preponderância que já teve em termos atacantes e os pontas-de-lança estão em crise de confiança, embora o Nuno Gomes melhor que o Miccoli. O Rui Costa não dá para tudo e, como vem de uma lesão, não pode ser sempre ele a dar a volta às coisas, o Derlei não existe e o Mantorras continua a não ter tanto tempo de jogo como justifica. A defesa não está nada segura, o Anderson é uma cratera, e o Luisão nunca mais volta. O próprio Leó parece-me cansado e sem a energia habitual.


Estou bastante apreensivo para 5ª feira. O Espanyol fez descansar 10(!) titulares contra nós e ainda não perderam na Taça Uefa. Acho que temos que concentrar todas as nossas atenções para esta competição, devendo tornar-se, se passarmos os espanhóis, a nossa principal prioridade. Faltam três jogos para chegar à final e este é não só um troféu que nunca ganhámos, como é um título que dá prestígio internacional e enriquece o palmarés. E convém não esquecer que não ganhamos uma competição europeia há mais de 40 anos. Quanto ao campeonato, temos que manter o 2º lugar a todo o custo e portanto controlar o posicionamento dos lagartos, mas para que esta época não seja uma grande desilusão há que ganhar a Uefa. Assim o queiram as nossas pernas...

11 comentários:

GR1904 disse...

O jornal tripeiro chama à 1ª pagina "penalty fantasma" e é assim que se iludem e enganam os adeptos. Fazem esta referencia em manchete qd existiu o golo mal anulado mais cedo de spr e uma serie de foras de jogo que em caso de duvida eram spr tirados ao Benfica.

Quanto à condiçao fisica dos jogadores, é responsabilidade do treinador. So joga com onze, vá la, doze jogadores e não roda a equipa. Esta estrategia ia dar bronca mais tarde ou mais cedo. Não consigo entender a substituiçao do Anderson para dps colocar o Kats a central. Ou o homem arrisca ou nao arrisca. Agora fingir q arrisca?!

A questao do Rui Costa é fulcral para o equilibrio da equipa. Em mha opiniao nao podemos ter constantemente Rui Costa para meio jogo. Condiciona a tactica da equipa e leva a alteraçoes profundas do modelo de jogo. Em alta competiçao há que sedimentar um modelo de jogo uniforme e coerente, sem estar dependente de jogadores que so podem jogar metade de um encontro.

Este ano adquiriram-se jogadores que nunca fizeram parte do modelo de jogo assumido pelo Santos. Estao todos no banco e raramente jogam. Eu, se fosse suplente deste treinador, pirava-me dali urgentemente.

Artur Hermenegildo disse...

Não creio que o treinador pudesse ter rodado a equipa mais do que aquilo que fez. Para jogar quem? O Beto, o Miguelito, o Manu? O facto é que o plantel é curto para disputar duas competições nesta altura com objectivos de vitória em ambas. Mas isso é um problema com que temos de viver. Dificilmente conseguiremos alguma vez ter um plantel de 22 jogadores de qualidade equivalente como têm ingleses, italianos e espanhóis. E mesmo assim, neste momento só 4 equipas da europa disputam competições UEFA e lutam pela vitória no campeonato: nós, o Sevilha, o Chelsea e o Man United.

Artur Hermenegildo disse...

Só vi a segunda parte do jogo e em diferido (calhou-me outra vez em dia de ópera!). Acho que uma coisa se pode dizer sobre a nossa equpa; há grande garra e vontade de vencer. Não se pode dizer que a exibição tenha sido amorfa ou que os jogadores não dêem tudo. Só que as pernas já não chegam. Mesmo assim, quando li hoje que nos tinham roubado um golo no primeiro minuto, penso que podíamos ter ganho o jogo.

Pode ser que sem o Pepe o FCP também escorregue. Mas não será fácil.

Telmo disse...

Com uma arbitragem isenta e correcta o Benfica tinha marcado aos 40 segundos e tinha tido o jogo mais tranquilo da época, o resto é conversa.

Os corruptos conseguem comprar mais um título e ninguém faz nada.

A diferença entre Benfica e fcporto é que nós quando jogamos menos bem perdemos pontos, enquanto o fcporto....

Quando é que o Benfica abandona este campeonato ridículo e deixa os abutres morrerem à fome?

Anónimo disse...

"Quando é que o Benfica abandona este campeonato ridiculo e deixa os abutres morrerem à fome"

guitar disse...

Venho aqui só para dizer 2 ou 3 coisas, depois dos últimos jogos. Estou de acordo contigo, quando dizes que estamos de rastos. O plantel é curto e mal estruturado. Mas mesmo assim há coisas que são demais.
O Anderson já devia estar no banco ou fora das convocatórias há muito tempo. Erro de principiante no jogo do Porto, erros acumulados em Barcelona e ontem nem com a mão conseguiu ganhar o lance do primeiro golo. A juntar a isto, o Quim dá barracas atrás de barracas. Tem também culpa no golo do Porto, é patético no 2º golo em Barcelona e ontem foi ridículo no 2º golo. Para 99% dos guarda-redes da Superliga, da Honra e se calhar mais abaixo, aquela bola era canja. Era só ir ter com ela e bloquear, em vez de ficar na baliza. O Delibasic cabeceou na pequena área a um metro da baliza. De bradar aos céus. Chamei-lhe tantos nomes que nem imaginas.
O resto foi quase tudo mau de mais. Não me venhas defender a Maria Albertina que não jogou um caracol. Não ganhou uma bola de cabeça, chegou sempre tarde, foi sempre uma nulidade na área e só se viu na linha lateral. Foi procurar jogo? Não brinquem comigo, o lugar do avançado é no sítio onde se marcam golos. O Miccoli foi uma lástima. Desde a célebre conferência de imprensa, que só se viu na Madeira. De resto, já está em Itália. E até estou de acordo contigo. Conseguiu ser pior que a Albertina, o que é difícil. Dramático para nós quando o Mantas, mesmo coxo e jogando poucos minutos, parece ser o nosso melhor avançado...
O Katso não se mexe e acho que não se vai mexer mais até ao fim. O Kara não jogou nada e o Rui, mesmo com uma tonelada de vontade, não foi ontem o jogador influente dos 2 últimos jogos.
Salvaram-se o Petit, o Leo e o miúdo. E claro o Simão que foi para aí 80% da equipa. O único que fintou, desequilibrou, correu, rematou. Nem sempre bem, mas muitas vezes o único a tentar. E ainda arranjou aquele penalty, muito forçadinho. Acho que é fácil ao árbitro enganar-se com a jogada e por isso o Simão teve o mérito de inventar algo. Irregular? Talvez. Mas face ao golo anulado, estamos conversados.
Aliás não posso deixar de referir que aquele fiscal de linha merece ser seguido com atenção para os próximos capítulos. 3 foras-de-jogo inexistentes em 15 minutos é obra. E parece difícil ser obra do acaso. Apesar do jogo ter sido lamentável, fomos infelizes na forma como ele correu. Primeira vez que o adversário foi à nossa área - golo, oferecido! Várias perdidas e muita lentidão e desinspiração. Um golo caído do céu quase no fim e logo a seguir outra oferta. Quem resiste a isto? Não me digas que a culpa é do Santos. Tirou o Kara e meteu o Rui, enquanto estava tudo em aberto. Depois mandou embora o Anderson e meteu um avançado (será que o Derlei entrou ?). Por fim retirou a Albertina e meteu o Mantas. O que é que ele podia fazer mais? Olhem para o banco. O que é que lá está? Deserto. Em Barcelona ele tentou inventar, com o Coimbra e o Derlei, e foi uma barraca.
Enfim, tenho grandes reservas para 5ª feira e corremos o risco de perder tudo (até o segundo lugar) nestes primeiros 15 dias de Abril.
Para já o campeonato já foi.
É preciso mandar embora os que só lá estão a fazer número e ir buscar jogadores para jogar. Há anos que falamos nisto. Só espero que não saiam o Simão, Luisão e Miccoli e fiquem Beto, Marco e quejandos. E não venham ainda mais alguns cromos da caderneta do Veiga

Um abraço e até 5ª

Anónimo disse...

Completamente de acordo com o último comentário.

Artur Hermenegildo disse...

O Quim de facto não é muito bom a interceptar bolas que cruzam a área. O Moreira ainda é pior nesse particular. O único dos nossos gr que faz isso bem é o Moretto, mas como os benfiquistas não gostam dele, estamos conversados.

Para quando um novo Bento, ou um novo Preud'homme? Com um GR de nível mundial, seráimos provavelmente campeões este ano (vejam os pontos que o Helton já deu ao FCP).

Artur Hermenegildo disse...

Para o jogo Académica-FCP foi nomeado o Carlos Xistra. Sem comentários...

S.L.B. disse...

Essa nomeação do Xistra é o sinal claro de "encomendem lá as faixas". Não há vergonha nenhuma!

Independentemente do valor que se pudesse vir a receber, acho que em termos desportivos o Simão e o Luisão são insubstituíveis. Temos que ser capazes de os conservar a todo o custo. Imaginem lá esta época com 20 milhões de euros a mais e sem o Simão...

Miguel Nunes disse...

es tu e eu... para o ano há mais!
Mas com Fernando Santos... não sei não!

Saudações Benfiquistas