origem

segunda-feira, maio 01, 2006

100 dias

Na despedida de jogos na Luz deste ano ganhámos por 1-0 ao V. Setúbal num jogo fraco como tem sido habitual ultimamente. O Koeman inovou a táctica e jogámos com apenas três defesas, mas não se notaram nenhumas melhorias em relação ao resto da época. Claro que a falta de alguns jogadores importantes, como o Simão e o Nuno Gomes, contribuiu para isso, mas tínhamos obrigação de ter jogado um pouco melhor perante mais uma grande assistência na Catedral (51.448 pessoas). No entanto, quando perante um adversário mais acessível, e num jogo em casa, se joga com três trincos (eufemisticamente denominado na comunicação social “o meio-campo da Liga dos Campeões”) não se pode esperar grande coisa.

Não entrámos nada bem no jogo, muito lentos na transição para o ataque e com o Miccoli sozinho na frente perante adversários muito mais possantes. O tal meio-campo não tinha, obviamente, ninguém para transportar jogo e muitas vezes tinham que ser os defesas a fazer lançamentos em profundidade para a frente. Por outro lado, o Léo estava a actuar a extremo-esquerdo, na direita estava o voluntarioso, mas inconsequente, Marco Ferreira e o Manduca escondeu-se bastante. Resultado: poucas oportunidades de golo. Todavia, acabámos por ter sorte a meio da 1ª parte e, num canto bem marcado pelo Miccoli, o Anderson marcou de cabeça, com a bola ainda a tabelar na barra antes de entrar. Perante o que tínhamos feito, o golo caiu literalmente do céu.

Na 2ª parte entrámos com mais velocidade e o jogo melhorou um pouco. Tivemos algumas oportunidades flagrantes, como um remate do Manduca e outro do Léo que o defesa atirou contra a barra, mas como vem sendo habitual, e o Koeman frisou isso mesmo na conferência de imprensa, não conseguimos marcar o golo da tranquilidade. No entanto, defensivamente estivemos irrepreensíveis e o V. Setúbal não criou nenhuma oportunidade. As substituições também não trouxeram nada de novo, tendo o Karagounis curiosamente entrado mal no jogo. Perdeu algumas bolas infantis no meio-campo que deram origens a ataques contrários, mas mesmo assim não percebo porque é que o Koeman não lhe dá mais oportunidades de início, já que a qualidade está lá. Ainda para mais quando em campo está o… Beto.

Individualmente, há que destacar o Moretto, que continua a ser o guarda-redes que melhor joga com os pés em Portugal. Já falhou uma série de remates e não há maneira de sofrer um golo na sequência de um deles. Numa partida tão fraca é difícil seleccionar um jogador que se tenha destacado dos demais. O Miccoli foi outra vez dos melhorzinhos e espero bem que fique para o ano. O Léo também é outro grande profissional, mas é um defesa e não um extremo. O Manduca esteve mais activo na 2ª parte do que na 1ª, mas não tem perfil para actuar a “10”. Na defesa, o Anderson marcou mais uma vez (numa só época, já tem quatro vezes mais golos do que o Ricardo Rocha…), o Luisão esteve seguro como de costume e o Ricardo Rocha intransponível. No meio-campo, para o bem e para o mal, o Beto continua igual a ele próprio, e o Petit e o Manuel Fernandes estiveram regulares. Por fim, o Marco Ferreira bem tenta, mas não consegue passar da mediania.

Agora, só daqui a cerca de 100 dias é que voltaremos a ver o Glorioso ao vivo na Luz. O que vale é que há um Mundial pelo meio, mas já começo a sentir saudades…

P.S. (1) – A boa nova da jornada é a provável descida do V. Guimarães, depois de perder 3-1 em casa do clube regional. Fico bastante contente por algumas razões: fizeram um (anti)jogo nojento na Luz para a Taça; contra o Benfica sabem fazer cordões humanos, mas contra os outros não; ontem, o 1º golo é na sequência de (mais) um penalty inexistente (o Jorginho já ia a cair quando é tocado), e depois de uma jogada em que ele estava fora-de-jogo, no 2º o Lucho estava fora-de-jogo e o que seria o 2-2 já muito perto do final é mal anulado por fora-de-jogo. Alguém ouviu o V. Guimarães protestar contra a arbitragem? Haveria de ser com o Benfica…

P.S. (2) – Para acabar bem este post (e a propósito do Rio Ave – lagartos), nada melhor que algo para nos fazer rir: Ricardo!

7 comentários:

tarirari disse...

Quanto ao P.S.(2), também me fartei de rir e só parei quando me lembrei que ele vai ser o gr titular da sel nacional.
Aqui, o riso foi substituído por arrepios...
Gostei muito do Léo e, ontem, também do Manduca (fartou-se de trabalhar, ao contrário de outros, como o MarcoFerreira e o karagounis, por exemplo).
Penso que não podemos exigir mais ao Beto: ele "é" aquilo que foi ontem. Tem de recuperar bolas e passar logo ao companheiro mais perto e não pode querer fazer passes de 50 metros.

Anónimo disse...

http://portugal12.lforum.net

Anónimo disse...

Durante os proximos 100dias todo o Benfiquista deverá picar os miolos aos fcp´s tratando-os por "andrades". É simples, é divertido e é eficaz!.

Caminhante Solitário disse...

Mal por mal, mais valia naturalizar o... Moretto e pô-lo a titular no Mundial!

antitripa disse...

Casi propossitado!LOLOIOL

guitar disse...

A despedida da Luz foi cinzenta, sem brilho, soporífera como muitos outros jogos anteriores. Mas alguém ainda acredita no 2º lugar excepto alguns de nós? Os jogadores não são com certeza. Já estão de férias há muito, ou a pensar no Mundial ou onde vão ganhar mais dinheiro.
A equipa foi a imagem do desinteresse e dos equívocos e trapalhadas do treinador. 3 defesas a começar a época e também a acabar, 3 médios defensivos, um desgraçado de um metro e meio sózinho na frente (e ainda assim luta que se farta e é o melhor, de longe). Um ala que foi uma nulidade (Marco) e outro transformado (Leo), a fazer pela vida e um pseudo-virtuoso atrás do avançado, que emperra o jogo todo.
Parece que o Tintin se vai embora. Pode ser bom, mas não resolve o problema essencial que é o Veiga. Vamos ver quem será o artista que ele irá desencantar e a que preço. Continuamos sem numero 10 (o Karagounis foi um horror...), sem ponta-de-lança puro que marque golos de cabeça, sem jogadores rápidos nas transições. Aquele meio-campo engonha que é uma aflição.
Para a próxima época muito precisa de mudar. O balneário está esfrangalhado, com vários grupos. Não podemos esquecer que o Simão e o Luisão vão embora e vamos ver se serão só esses. Fala-se também em Fernandes, Rocha, Petit.
Corremos o risco de ficar com os maravilhosos reforços de Inverno e algum refugo. E quando ouço falar em Pires, Djemba-Djemba, etc até me arrepio.
Preferia ouvir falar em Diego, Daniel Carvalho (o do CSKA), Tomasson, até o Kalou ou o Costinha. Rui Costa??? Só porque dava muito gozo e enchia o estádio. Acho que nem ele mesmo quer vir para acabar em ritmo de caracol. Sei que não concordas, porque o Rui é sonho antigo para todos nós e um símbolo que nos falta, mas com esta idade? Talvez faça falta para pôr ordem no balneário.
Depois de uma época sofrível, onde a Champions foi a nossa alegria, com pouca qualidade e muito esforço, temo, e muito, que a próxima seja ainda pior. Tudo depende do técnico (se se confirmar a saída do Koeman) e do resultado final do processo aquisições/ dispensas.
O segredo é não deixar ir senão aqueles que não for mesmo possível segurar (e só vejo dois) e comprar com base em 3 facetas: velocidade, organização de jogo, avançado que jogue com a cabeça e com os pés (ou seja, os pés do Miccoli e a cabeça do Jardel). Fácil não é?
Um abraço e até para o ano. Penso que em Agosto para a pré-eliminatória da Champions

S.L.B. disse...

Guitar: o Costinha?!?! Cruzes, canhoto! Há jogadores que, por muito bons que sejam (o que até nem é o caso, mas enfim...) não têm estatura moral para representar o Benfica e esse é um deles.

Quanto ao Rui Costa, claro que quero que ele venha! Não temos nenhum jogador no plantel com metade da classe dele. Está velho, acabado? Então e o Figo, o Maldini, o Cafú e até o Costacurta? E para jogar 60 minutos ainda dava perfeitamente. Por outro lado, tem a mística toda, era importante para ser referência no balneário (já que algumas delas devem sair no final da época) e ajudaria a encher o estádio. Só vantagens! E, já agora, se viesse o Pires também era bem bom...