origem

segunda-feira, julho 11, 2011

Primeiros jogos

Vencemos uma selecção de Friburgo por 9-1 e empatámos com o Servette por 1-1 nos dois primeiros jogos de pré-época, realizados tal como nos anos anteriores em dois dias seguidos. Continuo a não perceber muito bem a vantagem de fazer jogos em dias consecutivos, porque no segundo a equipa mostra-se sempre muito cansada, mas enfim…

Não há muito a comentar em relação à goleada frente à selecção de Friburgo, porque eles eram mesmo muito fraquinhos, mas mesmo assim o Cardozo mostrou mais uma vez que é um jogador muito “mau”, “lento”, que “não luta” e que só sabe marcar golos, quando toda a gente percebe que o futebol não é para isso… Nesta partida, foram quatro, sendo o primeiro quase de meio-campo. Para além disso, ainda fez uma óptima simulação para o golo do Gaitán. Dos reforços, os dois titulares (Artur Moraes e Bruno César) parecem ser mais-valias para a equipa e o Rodrigo também mostrou bons pormenores. Pela negativa, o Júlio César mostrou que pode ir-se embora, porque está a ocupar um lugar de estrangeiro sem nenhuma vantagem. O erro que teve (falhou um pontapé na bola e sofremos um golo) é inacreditável.

Na partida frente ao Servette, as coisas foram mais complicadas, já que é uma equipa que vai disputar a I Divisão suíça, sendo treinada pelo nosso João Alves. Uma boa combinação atacante entre o Cardozo e o Gaitán resultou no nosso golo, marcado pelo argentino. Pouco mais fizemos de relevante, a não ser uma oportunidade do Saviola na 2ª parte. O Artur Moraes demonstrou outra vez que é melhor a sair da área do que o Roberto e não falhou nos poucos cruzamentos que teve. O Bruno César, de facto, não engana e será certamente dos mais utilizados durante a época. Pela negativa, o Jardel terá feito dos piores jogos que vi a um jogador do Benfica e tem toda a culpa no golo do empate.

Quanto à catrefada de jogadores novos, não vou analisá-los um a um, senão só terminaria este post depois de amanhã. Digo apenas que não vi nada de especial de nenhum deles, tirando os dois já citados. Vamos dar tempo ao tempo, mas espero que o Jesus olhe bem para o que eles fazem no campo, mesmo que contrarie alguma das opiniões que já terá formado, antes de tomar alguma decisão. Por exemplo, não vou entender se o Miguel Vítor for dispensado/emprestado para cá ficar o Jardel. O Roderick é, ao invés, um jogador que deverá ser emprestado, porque corre o risco de estagnar se ficar no plantel. As indicações nestes dois jogos não foram nada famosas… Do Enzo Perez não vi nada de especial, mas chegou há muito pouco tempo e não esqueçamos que o Salvio também demorou a arrancar. O Nolito esteve sempre na ânsia de fazer tudo bem e depressa, e é claro que as coisas não lhe saíram bem.

Amanhã jogaremos outra vez e já teremos mais elementos para formar a nossa opinião em relação ao plantel. Que, tendo tantos jogadores, ainda demorará um bom bocado a ficar definido. Quando deixarmos de ser um entreposto, conseguimos ver melhor o que a nova época nos reserva.

2 comentários:

Anselmo Damasio disse...

Isto está complicado, e daqui a 15 dias é o 1º jogo da eliminatória da liga dos campeões e nós com aquela defesa de papel.

P.S.: Se o JJ emprestar o Miguel Vitor e deixar no plantel o cepo do Jardel e o maçarico do Roderick, só mostra que é um grande cromo e vai prejudicar a equipa.

Tiago disse...

a vantagem de jogar em dias consecutivos é puramente financeira...

mas também a maioria dos jogadores só jogou 45 min

o segundo jogo foi mais para ganhar ritmo porque não deu para muito mais.