origem

domingo, agosto 25, 2019

Justo

Perdemos ontem contra o CRAC na Luz por 0-2 e perdemos igualmente a vantagem de três pontos que tínhamos sobre eles. Já escrevo neste blog há tempo suficiente para que saibam que de mim podem esperar fanatismo pelo Benfica (fazer mais de 600 km e interromper as férias para ir ver um jogo à Luz, por exemplo), mas nunca facciosismo (achar que nunca há penalties contra nós bem assinalados ou que todos os nossos golos são legais; ou que o Celis era um excelente jogador só que envergava o manto sagrado). Ou seja, da mesma maneira que digo que jogámos muito bem aqui (e só um roubo de igreja nos tirou a vitória) e que aqui levaram um banho de bola, ontem foi o inverso: fizemos talvez o pior jogo da era Lage e o CRAC fez a melhor exibição da época, sendo a vitória totalmente merecida. Sem espinhas e sem contestação.

Tínhamos tudo a nosso favor: uma equipa estabilizada da época anterior, só dois reforços a titular (e um deles vindo da formação), início de temporada prometedor, jogo em casa e possibilidade de colocar o maior rival a seis pontos de distância logo à 3ª jornada. Do outro lado, uma equipa em construção, que perdeu quatro titulares, foi derrotada na estreia do campeonato, foi eliminada do acesso à Champions, tudo a correr mal. Só que costuma ser nestas alturas que eles metem os dentes de fora e fazem um all in (e nós já devíamos saber isto de ginjeira, mas ao invés andámos a lançar foguetes e fogo-de-artifício antes do jogo…! A propósito, quem é que teve esta ideia peregrina, já agora?! Quanto é que se gastou nisto?! Sim, eu sei que não foi por causa disso que perdemos, mas o sinal que se dá para o exterior é péssimo! E nas bancadas também se ganha e perde jogos…). E esse all in, há que dizê-lo, foi muito bem planeado e executado. Fomos completamente manietados, nunca conseguimos sair a jogar e as estatísticas não poderiam ser mais esclarecedoras: 0 a 5 em remates à baliza e o guarda-redes deles nem tocou na bola. Quando assim é, não há nada a fazer. A superioridade foi tão evidente que, nestes casos, curiosamente nem me dá para ficar muito chateado.

Sofremos o primeiro golo aos 21’ na sequência de um canto, num mau alívio do Ferro que o Zé Luís aproveitou. O mesmo Zé Luís que se tinha isolado na jogada anterior, depois de um mau domínio do Nuno Tavares, mas o Vlachodimos fez uma defesa brilhante. Rematámos pela primeira vez aos 41’(!) num cabeceamento do Seferovic bastante por cima. Esperava-se uma reacção nossa na 2ª parte, o Taarabt entrou logo no reinício para o lugar do Samaris (que até estava a ser dos menos maus), deu mais dinâmica ao meio-campo (mas perdeu algumas bolas em zona perigosa), porém nada de substancial se alterou: não conseguíamos chegar em condições à baliza contrária e o CRAC era sempre mais perigoso no contra-ataque. Logo depois do reinício um disparo do Luís Diaz (ficaram sem o Brahimi, mas este tipo não me parece nada mau jogador…) obrigou o Vlachodimos a nova grande defesa, o Marega isolou-se uma primeira vez, todavia atirou escandalosamente ao lado, até que já perto do final (86’) o mesmo Marega isolou-se novamente e desta feita não falhou, apesar de a bola ainda ter batido no poste. Já na compensação, o nosso golo de honra, marcado pelo Seferovic, foi anulado pelo VAR por fora-de-jogo. Seria o único remate à baliza que teríamos feito.

O nosso melhor jogador foi de longe o Vlachodimos. Graças a ele, perdemos por 0-2. Está praticamente tudo dito. Todos os outros estiveram a nível muito medíocre, com falhas infantis na defesa, o Grimaldo terá feito o pior jogo desde que está no Benfica, o Pizzi provavelmente também e o Rafa nunca conseguiu desequilibrar.

Teremos agora uma deslocação muito complicada a Braga, em que é impreterível voltarmos às vitórias, sob pena de ficarmos já atrás do CRAC. Escusam de me lembrar a época passada, porque não só não devemos esperar que a história se repita (porque isso raramente acontece), como também devemos mostrar em campo por que razão temos o melhor plantel do campeonato.

segunda-feira, agosto 19, 2019

Difícil

Vencemos no sábado o Belenenses SAD no Jamor (2-0) e continuamos na liderança do campeonato com seis pontos, na companhia do Famalicão. Tal como se esperava foi um jogo muito complicado, em que a nossa vitória foi justa embora só tenha sido definitivamente selada já depois dos 90’.

Perante um adversário que há três jogos não conseguíamos derrotar, entrámos bem na partida e o Seferovic falhou uma oportunidade praticamente de baliza aberta logo no início. O mesmo Seferovic também não atacou bem a bola de cabeça a um centro do Rafa, depois de este ter sido bem isolado pelo Pizzi, mas quando o nº 27 picou a bola sobre o guarda-redes, esta ficou curta num defesa. Outra grande ocasião foi desperdiçada pelo Raúl de Tomás, num remate em arco completamente à vontade à entrada na área, depois de uma assistência do Rafa. Tinha que ter ido à baliza! O Belenenses SAD não conseguia criar perigo, embora tenha mantido a posse de bola por alguns períodos, enquanto nós voltámos a ter uma boa ocasião já perto do intervalo, quando o Rafa rematou com um toque de calcanhar, em vez de dominar a bola e atirar em melhores condições dado que estava em boa posição. Em cima do intervalo, o Belenenses SAD teve a sua única oportunidade, mas porventura a melhor de todas, quando o Rúben Dias escorregou e o Kikas ficou isolado perante o Vlachodimos, tendo-nos valido a boa saída dos postes do grego a fazer a mancha.

A 2ª parte manteve as características da 1ª, connosco a empurrar o Belenenses SAD para o seu meio-campo. Aos 54’, o Rafa foi derrubado na área, mas nem o Sr. Fábio Veríssimo, nem o Sr. Carlos Xistra no VAR (agora com os papéis trocados, mas a dupla maravilha deste jogo, lembram-se?) vislumbraram qualquer falta... Aos 58’, conseguimos finalmente abrir o marcador: jogada pela esquerda entre o Grimaldo, Pizzi e Rafa, com este a encontrar um buraco no meio de quatro(!) defesas e a rematar em arco para o poste contrário, sem hipóteses de defesa para o guarda-redes. Um golão! O Belenenses SAD conseguiu equilibrar o jogo a partir daqui, sem que nós revelássemos grande inspiração para tentar o segundo golo. Apesar disto, não houve grandes sobressaltos para o Vlachodimos, excepção feita a um lance aos 79’ em que o Nuno Tavares falhou escandalosamente um corte na pequena-área com o pé direito, mas felizmente o Nico Veléz contrário rematou ao lado.

O Chiquinho já tinha entrado para o lugar do Raúl de Tomás um pouco antes deste calafrio e teve participação directa no lance que marcou este jogo aos 83’, a melhor jogada do encontro que culminou com a bola na baliza: Pizzi, Grimaldo, Chiquinho e Seferovic trocaram a bola entre si praticamente ao primeiro toque (só os dois primeiros deram dois toques) e o nº 19 assistiu o suíço, que só teve que encostar. Infelizmente, o Sr. Carlos Xistra no VAR vislumbrou um fora-de-jogo de 30 cm(!), repito, 30 cm(!!), ao Seferovic no início da jogada, 15 segundos antes de a bola entrar na baliza! 15 segundos!! E rouba-se assim um golo depois de uma jogada magnífica! Vamos por partes: a bola é lançada para a frente e o Seferovic não chega a tocar-lhe, porque o defesa intercepta. Repito: não chega a tocar-lhe! Quer dizer, muitas vezes os defesas têm que fazer sprints atrás dos avançados, porque estes têm que tocar na bola para a bandeirola ser levantada (e obviamente o defesa só aí tem a certeza de que o fora-de-jogo é assinalado). Neste caso, nem foi preciso o Seferovic tocar na bola! Será por ser jogador do Benfica? Anulou-se um golo por um pretenso fora-de-jogo (meus amigos: marcar foras-de-jogo de 30 cm num campo com uma largura de mais do 60 m é ridículo. Ri-dí-cu-lo!), demorou-se uma eternidade a tomar esta decisão, já os adeptos e os jogadores tinham festejado, para quê?! Quem é que ganha com isto? É isto o futebol que queremos? Golos anulados por pretensos foras-de-jogo de 30 cm, 15 segundos antes de a bola entrar na baliza?! Aconselho vivamente a leitura deste belo texto do meu amigo Bakero, que subscrevo na totalidade! Acabem com esta aberração do VAR nestes moldes! Esta espera e este não poder festejar golos na plenitude vai acabar com o futebol!

Estava com algum receio que, depois desta fantochada do VAR, o Benfica se desconcentrasse, mas felizmente isso não aconteceu e marcámos mesmo o segundo golo já nos descontos (92’) pelo Pizzi num remate cruzado rasteiro, depois de nova iniciativa do Rafa pela esquerda, que desmarcou muito bem o nº 21. Em termos individuais, destaque novamente para esta dupla Rafa-Pizzi, não só pelos golos, mas porque o nosso melhor jogo atacante passa invariavelmente por eles. O Vlachodimos foi essencial naquele lance perto do intervalo que, a ter entrado, teria mudado certamente o jogo. O Nuno Tavares estava a fazer outra vez um bom jogo, mas aquela falha incrível poderia ter deitado tudo a perder. O de Tomás e o Seferovic fartaram-se de correr, mas não estão muito felizes na hora de rematar à baliza (e quando estão, o VAR anula por 30 cm...).

Iremos receber o CRAC para a semana com três pontos de vantagem perante eles. Temos uma excelente oportunidade para os colocar a seis. Não a desperdicemos, por favor!

domingo, agosto 11, 2019

Lisonjeiro

Goleámos o Paços de Ferreira na abertura do campeonato por 5-0 e, com a maravilhosa vitória do Gil Vicente sobre o CRAC, ficámos desde já com três pontos de vantagem em relação a eles. Utilizando um chavão comum, foi “melhor o resultado do que a exibição”. E o Bruno Lage deu a entender mais ou menos o mesmo na conferência de imprensa no final do jogo. Pode parecer despropositado dizer isto num 5-0, mas o que é facto é que já fizemos jogos mais brilhantes do que ontem.

Com a lesão do Gabriel (espero que nunca mais jogue frente aos lagartos, é a segunda lesão consecutiva frente a eles!), o Bruno Lage apostou na dupla de meio-campo que finalizou a época passada: Florentino e Samaris. O Paços de Ferreira surpreendeu-me, porque não se limitou a colocar o autocarro, saiu a jogar por várias vezes e conseguiu manietar o nosso jogo durante bastante tempo. Claro que para isso também houve a contribuição da pouca inspiração da maioria dos nossos jogadores e uma quantidade inusitada de passes errados. O Seferovic a falhar um desvio à boca da baliza logo no início, o Grimaldo a atirar a rasar a barra num canto à Camacho e um passe do Pizzi a ser interceptado antes de chegar a dois jogadores em excelente posição foram as oportunidades que tivemos, antes de inaugurar o marcador aos 26’ num golaço do Nuno Tavares: remate em arco de pé esquerdo, bem de fora-da-área e bola ao canto superior esquerdo da baliza do Ricardo Ribeiro. Cinco minutos depois, um defesa do Paços interceptou a bola com a mão na área e o Pizzi não perdoou no penalty, atirando rasteiro para o lado direito da baliza. Sem maravilhar, longe disso, ficámos de repente com uma vantagem de dois golos. Mas também a tivemos frente ao Belenenses na época passada e depois aconteceu o que aconteceu, pelo que não convinha baixar a guarda, até porque o Paços nunca desistiu, tendo inclusive marcado um golo, mas que foi anulado por fora-de-jogo. Em cima do intervalo e na sequência de um canto, o Samaris ficou em óptima posição, mas fez pontaria ao terceiro anel.

Com a palestra do Lage ao intervalo, esperava uma melhoria para a 2ª parte, mas tal não sucedeu logo no reinício. Mesmo assim, numa jogada de insistência, o Samaris voltou a ter só o Ricardo Ribeiro pela frente, mas este conseguiu parar o remate do grego. O Paços não conseguia criar muitas situações de perigo, mas nós também só chegávamos à baliza contrária através de contra-ataques. Num desses lances, o Seferovic falhou escandalosamente o terceiro golo ao rematar muito torto depois de desmarcado pelo Pizzi. Aos 65’, o jogo começou a perder o relativo equilíbrio que vinha tendo com o segundo amarelo ao Bernardo Martins, que agarrou o Nuno Tavares quando este partia para o contra-ataque. Logo a seguir, o Chiquinho entrou para o lugar do De Tomás e aos 70’ foi ele, depois de muito bem desmarcado pelo Nuno Tavares, a fazer a assistência para o Seferovic acabar de vez com as dúvidas. Cinco minutos depois, o marcador aumentou com o bis do Pizzi, num remate cruzado  rasteiro, depois de assistido pelo Nuno Tavares. A pouco mais de 10’ do final, entrou o Jota e estreou-se o Carlos Vinícius para os lugares do Rafa e Samaris, tendo o Chiquinho recuado para o meio-campo. O que eu mais gosto neste Benfica actual é este killer instinct: só se deixa de procurar o golo quando o árbitro apita para o final. Parecemos os tubarões: cheiramos um pouco de sangue e atacamos logo. Assim sendo, o Jota teve uma boa oportunidade de fazer o quinto, mas o guarda-redes defendeu o seu remate cruzado quase sem saber como. Acabou por ser o Carlos Vinícius a fazer o 5-0 na estreia pelo Benfica, apenas seis minutos depois de entrar em campo: cruzamento do Nuno Tavares aos 84’ e o possante brasileiro só teve que encostar. Até final, nada de mais relevante se passou.

O que dizer de um jogador que errou bastantes passes, não esteve tão inspirado quanto em jogos anteriores, mas marcou dois golos e fez o passe para outro? Que foi dos melhores em campo, claro! E é verdade que o Pizzi foi eleito o “homem do jogo”, mas para mim esse epíteto deveria ir para o Nuno Tavares: um golão, duas assistências e uma ‘pré-’assistência no segundo jogo oficial pelo Benfica, ainda para mais estando a alinhar fora da sua posição natural, é um feito que deve ser realçado. Os centrais Rúben Dias e Ferro estiveram imperiais, e o Florentino voltou a exibir-se em excelente plano, nomeadamente a roubar bolas aos adversários. Boa entrada no jogo do Chiquinho, com uma assistência, e menção honrosa igualmente para a estreia com golo do Carlos Vinícius.

Uma ‘manita’ para começar o campeonato é sempre bom, embora o Filó, treinador do Paços, tenha dito que eles jogaram bem (o que é verdade) e fizeram “um resultado igual ao Sporting”. No entanto, tal como disse o Lage no final, há que olhar não só para o resultado como para a exibição. E essa já foi melhor noutros jogos. Só que estamos com uma confiança tal que, mesmo não jogando uma maravilha, conseguimos dar cinco...!

P.S. – Aconteceu na semana passada na Supertaça e voltou a repetir-se ontem. O árbitro, neste caso o Sr. Manuel Oliveira, deu um minuto de compensação! UM minuto! Com seis substituições e uma assistência ao Grimaldo na 2ª parte, teriam de ser no mínimo quatro. Gostaria muito de saber se, quando houver um jogo em que estejamos a ganhar só por um golo, os árbitros também só vão dar um minuto de compensação... É que, como já li por aí, quero ver como será se o campeonato se decidir na diferença de golos...!

segunda-feira, agosto 05, 2019

Massacre

Vencemos ontem a nossa oitava Supertaça ao golear a lagartada por 5-0 no Estádio do Algarve. Desde 85/86 numa eliminatória para a Taça de Portugal que não tínhamos um resultado deste calibre perante eles, que teve igualmente o condão de os igualar no número de troféus nesta competição.

Entrámos em campo com a equipa esperada (o Nuno Tavares a lateral-direito perante a lesão do André Almeida e a falta de ritmo do Ebuehi, e o Raúl de Tomás com o Seferovic na frente), com a lagartada a alinhar com três centrais de início (Neto, Coates e Mathieu), o que deu logo conta dos receios que eles tinham do nosso jogo. No entanto, a 1ª parte foi algo equilibrada, pese embora termos tido nós a iniciativa atacante. Porém, o Vlachodimos acabou por ter um papel importante nesta fase, com três intervenções importantes que impediram golos adversários (um desvio a um corte do Ferro que ia na direcção da nossa baliza, uma defesa a um remate de longe do Bruno Fernandes e uma mancha a este mesmo jogador, que lhe apareceu isolado na frente). Quanto a nós, tivemos um remate do Raúl de Tomás que o Renan defendeu e outra oportunidade pelo Seferovic num contra-ataque, mas bem cortada pelo Thierry Correia. Aos 40’, colocámo-nos em vantagem num centro largo do Pizzi para desvio de primeira do Rafa com o pé esquerdo. Até ao intervalo, o Bruno Fernandes e o Acuna tiveram um par de remates, mas sem conseguir alvejar a nossa baliza.

A 2ª parte foi completamente diferente. Era expectável que a lagartada se abrisse um pouco mais para tentar o empate, mas aconteceu um descalabro. Nos primeiros 15’, ainda tentaram criar-nos problemas, mas só um remate do Raphinha teve perigo ainda que relativo, porque a bola foi ao lado. No entanto, quando nós pegávamos na bola acelerávamos o jogo e eles ficavam nas covas. Aos 60’, aumentámos a vantagem numa perda de bola do Mathieu para o Rafa, que assistiu o Pizzi para um remate rasteiro na passada. Logo a seguir, o De Tomás isolou o Rafa, este tentou assistir o Pizzi, mas a bola saiu um pouco para trás e o nº 21 não rematou nas melhores condições, quando tinha o Renan pela frente. Mas aos 64’, fizemos mesmo o 3-0 num livre do Grimaldo que entrou junto ao poste. No estádio, dado que estava no enfiamento do lance, deu-me a sensação que tinha sido um pouco frango do Renan que ainda lhe tocou, mas a TV tirou-me essa dúvida, porque a bola foi muito colada ao poste. A defesa da lagartada abria buracos por tudo quanto era lado e eu confidenciei aos meus colegas de bancada que tínhamos uma óptima oportunidade de (finalmente) vingar os 7-1. O que poderia ter acontecido logo a seguir caso o Seferovic, isolado pelo De Tomás, não tivesse permitido a defesa ao Renan. Só aumentámos para 4-0 aos 75’, numa jogada em que o Rafa assistiu o Pizzi para a entrada deste na área e remate cruzado sem hipóteses para o guarda-redes contrário (bom golo do nº 21, embora o Seferovic, isolado no centro da área, só tivesse que encostar; eu preferia que ele lhe tivesse passado a bola). A lagartada já tinha feito duas substituições, mas nós só fizemos a primeira a menos de 10’ do fim por lesão do Gabriel, tendo entrado o Chiquinho. O marcador poderia ter sido avolumado nessa altura, num centro do De Tomás na direita para o Seferovic em voo desviar a bola com o pé, mas o Renan fez uma boa defesa. O Bruno Fernandes lá ia rematando de todo o lado, mas ou saía com má pontaria ou o Vlachodimos estava muito atento. Finalmente, em cima dos 90’ fizemos a manita através do Chiquinho: centro do Grimaldo na esquerda, desvio do Seferovic para defesa incompleta do Renan, o suíço insistiu e colocou a bola em esforço na área, onde o Chiquinho se antecipou a um defesa para fechar o marcador. Lamentavelmente o Sr. Nuno Almeida deu apenas 1’ de compensação quando tinha havido seis substituições e a lesão do Gabriel, e o resultado ficou por aqui. (Aliás, a arbitragem foi de muito pouca categoria, com uma enxurrada de amarelos – dez! – que um jogo destes não justificou).

Em termos individuais, destaque óbvio para o Pizzi e o Rafa, o primeiro com dois golos e uma assistência e o segundo com o contrário. O Florentino fez um jogo gigante no meio-campo, bem secundado pelo Gabriel. Os centrais (Rúben Dias e Ferro) estiveram bem e também gostei do esquerdino Nuno Tavares a alinhar fora da sua posição: não comprometeu e mostrou atrevimento atacante, mesmo estando fora da sua posição. Marcámos cinco golos, mas nenhum deles foi dos dois avançados, embora eu tenha gostado bastante do De Tomás, com o Seferovic um pouco mais discreto (e a ser mais perdulário). Uma última palavra para o Vlachodimos, que foi muito importante quando o resultado ainda estava 0-0.

Uma pessoa interrompe as férias com a família, faz mais de 600 km num só dia (em excelente tricompanhia, diga-se), sai de casa às 12h30 para chegar às 4h15, é para isto mesmo: porque não se perdoaria se não tivesse visto este festival ao vivo! Foi épico, já não acontecia há 33 anos e irá ser lembrado durante bastante tempo. E eu vou poder dizer sempre: estive lá! Não gosto de elevar muito as expectativas, até devido à minha condição de incorrigível pessimista, mas uma pessoa vê isto e ouve as declarações do Bruno Lage no final, a explicar tintim por tintim a táctica que adoptámos e a mudança ao intervalo (terá sido por isso que atrasámos a reentrada em campo de uma maneira pouco habitual...?), e é difícil manter assentes os pés na terra. Até porque temos finalmente agora o que nos tem faltado muitas vezes noutros anos: killer instinct! Só deixamos de tentar marcar golos quando o jogo termina. E isso atemoriza muito os adversários. Quer eles o admitam, quer não.

VIVA O BENFICA!

sábado, agosto 03, 2019

Conquista

Vencemos o Milan por 1-0 no passado domingo (28 de Julho) e, com o empate hoje entre o Manchester United e o Milan (2-2), conquistámos a International Champions Cup. Sim, é apenas um torneio de pré-temporada, mas estando metidas ao barulho equipas como Bayern Munique, Atlético Madrid, Juventus e Real Madrid, entre outras, não se pode propriamente dizer que não seja prestigiante para o nosso palmarés.

O Bruno Lage continuou a testar a equipa para a Supertaça, mas desta feita só jogou com um avançado, com o Taarabt nas costas do Seferovic. Entrámos bem no jogo e durante 15’ manietámos o Milan, tendo o Rafa e o Taarabt tido remates relativamente perigosos. Mas a partir dessa altura, foram os italianos a empurrarem-nos e o Vlachodimos revelou-se como o melhor em campo, com uma mão cheia de defesas. Para além do grego, voltaram a estar em evidência os ferros da baliza, que impediram, tal como nos outros dois jogos, golos na nossa baliza. Em cima do intervalo, o Gabriel e o Rafa permitiram ao Donnarumma brilhar e não deixar que fôssemos para o intervalo a ganhar.

Na 2ª parte, não houve tantas oportunidades, mas nós tivemos uma muito boa com uma excelente arrancada do Rafa, que foi derrubado mesmo à entrada da área, só que o Pizzi no livre atirou à figura do Reina. Aos 70’, fizemos o golo que nos deu o triunfo num remate de ressaca do Taarabt, na sequência de um canto do Pizzi que foi aliviado para a entrada da área. O remate do marroquino foi de primeira, com a bola a ser desviada pelo Biglia e a trair o Reina. Até final do jogo, mesmo com as substituições, conseguimos manter o Milan relativamente longe da nossa baliza, excepção feita a um livre do Biglia, que embateu estrondosamente na barra (duas bolas nos ferros neste jogo para um total de seis nos três jogos! Tivemos mesmo estrelinha de campeão).

Em termos individuais, gostei muito do Rafa e realce igualmente para a subida de forma do Taarabt, que ficou bastante confiante com o golo. Mas o melhor em campo foi indiscutivelmente o Vlachodimos, como que a dizer que não precisamos de ir ao mercado buscar outro guarda-redes (não estou assim tanto certo disso, mas pronto).

Começará amanhã a época oficial com a disputa da Supertaça frente à lagartada. Somos os campeões em título e, portanto, naturalmente favoritos. Além disso, temos uma excelente oportunidade não só de igualá-los no número de Supertaças conquistadas, como de amenizar o histórico negativo frente a eles nesta competição.

domingo, julho 28, 2019

Nova vitória

Vencemos a Fiorentina por 2-1 na madrugada de 4ª para 5ª feira, conseguindo mais uma vitória na International Champions Cup. Depois de duas participações em que não conseguimos nenhum triunfo, esta época já são dois seguidos.

O Bruno Lage repetiu grande parte dos titulares do jogo anterior, com a inclusão do Zlobin e Rafa. Ou seja, a ideia é mesmo entrosar a equipa para a Supertaça. E voltámos a começar bem com o golo do Seferovic logo aos 9’, depois de um bom centro do Raúl de Tomás, bem desmarcado pelo Rafa. A Fiorentina empatou aos 29’ pelo jogador que mais dores de cabeça deu aos nossos centrais: Vlahovic. Logo no início da 2ª parte, os italianos tiveram um falhanço incrível com a baliza completamente escancarada, depois de atirarem uma bola ao poste (o Svilar poderia ter fechado melhor o lado por onde a bola passou), mas a partir de metade do segundo tempo fomos nós a ter primazia no jogo. Quando já se estava à espera dos penalties (aos 93’), uma jogada de combinação pela direita desmarcou o Chiquinho que centrou para a área, onde apareceu o Caio Lucas a fuzilar de pé direito e a dar-nos a vitória.

Foi um teste positivo perante o adversário mais complicado até ao momento, que deu para tirar algumas ilações: a dupla atacante (Seferovic e Raúl de Tomás) está a relevar combinações interessantes, o Rafa e o Pizzi ainda estão à procura do seu nível habitual, o Nuno Tavares tem-se mantido na lateral direita, porque não há opções disponíveis no momento, e tem correspondido de modo aceitável, e a dupla de meio-campo (Florentino e Gabriel) ainda não é o tampão habitual.

Veremos o que nos reserva o jogo de mais logo frente ao Milan, o último antes da Supertaça, mas por enquanto estou satisfeito com o que estamos a ver até agora.

segunda-feira, julho 22, 2019

Fortuna

Vencemos no sábado o Chivas Guadalajara por 3-0 no primeiro jogo da International Champions Cup que decorre nos EUA. Perante uma equipa que actuou com muitas reservas porque tinha a 1ª jornada do seu campeonato no dia seguinte (estes mexicanos são fortes na organização, já se vê...), fizemos uma partida razoável, embora com um resultado algo enganador, porque levámos três bolas nos ferros...

Marcámos logo no início do encontro (4’) numa boa jogada do Caio Lucas pela esquerda e concretização ‘só encostar’ do Raúl de Tomás (pois, mas é preciso lá estar e a maneira como ele iludiu o defesa para ficar sozinho foi muito boa). O resto da 1ª parte arrastou-se um bocadinho, sem grandes oportunidades. Depois do intervalo, levámos logo uma bola na barra, situação que se repetiu por volta da hora de jogo, mas com as substituições melhorámos um pouco e foi numa abertura do Jota a isolar o Rafa que aumentámos a vantagem para 2-0 aos 70’. Três minutos depois, o jogo ficou definitivamente sentenciado, com nova abertura muito boa do Taarabt a isolar o Seferovic e este também a não perdoar. Em cima dos 90’, terceira bola nos ferros num livre directo.

Todas as jogadas dos golos foram muito boas, a revelarem já algum entrosamento na equipa. Isso foi o mais positivo. O que já não gostei tanto foi de ver o Nuno Tavares a defesa-direito, porque o André Almeida e o Ebuehi ainda não estão em condições. Estamos a duas semanas da Supertaça. Seria bom que esta situação estivesse resolvida a tempo desse jogo.

domingo, julho 21, 2019

Obrigado, Salvio!



Passado pouco mais de uma semana, despedimo-nos de outro nome grande do Benfica actual. Oito anos com o manto sagrado vestido, um dos apenas cinco jogadores que foram tetracampeões, o grande Salvio despede-se de nós com palmarés invejável: cinco Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal, quatro Taças da Liga e três Supertaças. Para além destes 14 troféus oficiais, esteve igualmente presente numa final europeia com a camisola do Benfica e só não jogou a outra por causa dos malditos amarelos (e que falta fez…). É o quarto estrangeiro com mais jogos pelo Benfica (266), marcou 62 golos e fez 44 assistências.

Mas mesmo com estes números e esta importância, havia muita gente que não gostava dele. Sim, por vezes abusava um pouco das iniciativas individuais, mas nunca deixou de lutar em campo e tinha o grande mérito de não se esconder do jogo. Fosse contra quem fosse. Faz parte da nossa história de pleno direito e foi um prazer vê-lo com o manto sagrado. Vou ter bastantes saudades das suas arrancadas pelo flanco direito. Muito obrigado, Salvio, volta sempre que esta é a tua casa!

P.S. – Eu sei que a sua saída surgiu pouco antes da partida para a digressão nos EUA, mas aqui está outro jogador que merecia ter uma despedida à Rui Costa ou à Jonas. E não teve. Um post de despedida nas redes sociais é manifestamente pouco para um jogador desta importância. Espero que a Luz o possa aplaudir como merece numa próxima visita dele. (Tal como - ainda - espero em relação ao Cardozo…)

quinta-feira, julho 18, 2019

Goleada em Coimbra

Vencemos a Académica no passado sábado por 8-0 no nosso segundo jogo de preparação. Nos primeiros 15’ foi a Briosa a tomar conta do jogo, mas a nossa eficácia permitiu-nos fazer dois golos em dois minutos (23’ e 25’), através do Rafa e do Raul de Tomás (que se estreou a marcar com o manto sagrado), e a partida ficou definitivamente desequilibrada. O Raul de Tomás bisou em cima do intervalo e na 2ª parte, com uma equipa praticamente nova, marcámos mais cinco golos (Conti, que também bisou, Pizzi, Seferovic e o também estreante a marcar Taarabt).

A Académica ofereceu uns quantos golos, porque tentou sempre sair a jogar desde trás. Mas o que mais gostei de ver, dando obviamente a esta fase da época a importância (relativa) que tem, foi a atitude do Benfica durante grande parte do jogo, mesmo com o resultado a avolumar-se: pressionávamos sempre a saída de jogo deles e praticamente não os deixávamos respirar. Isto é revelar respeito por nós, pelo adversário e pelo futebol. E não a atitude sobranceira dos passes para o lado e dos olés, quando o resultado fica muito desnivelado.

sexta-feira, julho 12, 2019

Recomeço

Perdemos na 4ª feira por 1-2 com o Anderlecht no primeiro jogo de pré-temporada. O mais importante era sem dúvida a despedida do Jonas (o 10 saiu ao minuto 10 do dia 10: perfeito!), mas perante uma equipa que vai começar o campeonato daqui a duas semanas, tendo nós só 10 dias de treino, o que se viu não dá para tirar grandes ilações. Jogaram todos os jogadores disponíveis, o que naturalmente também ajudou a quebrar o ritmo e os internacionais só entraram em campo na 2ª parte (e nem jogaram até ao fim).

Na 1ª parte, gostei do Gabriel e do Salvio a defesa-direito, e o Raúl de Tomás mostrou alguns pormenores interessantes (não pára quieto e ia fazendo um golo de meio-campo, o que teria sido uma estreia inolvidável). Mas fomos a perder 0-2 para o intervalo. Na 2ª parte, o Nuno Tavares a defesa-esquerdo deu nas vistas (e ainda bem, porque o Grimaldo precisa de um substituto em condições) e foi dele a assistência para o nosso golo, marcado pelo Chiquinho, que já antes tinha falhado uma dupla oportunidade. Muita miudagem teve a oportunidade de se estrear com o manto sagrado, mas nem todos vão obviamente ficar no plantel principal. E outros menos miúdos mostraram que ainda não regressaram bem das férias. 

Amanhã iremos a Coimbra defrontar a Académica e veremos como a equipa reagirá...

P.S. - Alguém me consegue explicar como é que, depois deste roubo monumental, deixamos que este sr. Fábio Veríssimo venha arbitrar o nosso jogo de apresentação...?

quinta-feira, julho 11, 2019

Obrigado, Jonas!

 

O jogo de apresentação frente ao Anderlecht passou inevitavelmente para segundo plano, quando uma lenda decide terminar a carreira com o manto sagrado vestido. Claro que o clube está, e estará, sempre acima de qualquer pessoa, mas dado que o clube não existe sem pessoas, quando estas se destacam e contribuem para o seu engrandecimento, nada é mais justo do que prestar-lhes essa homenagem. Em público, no estádio, perante os adeptos, para que estes tenham a oportunidade de se despedirem convenientemente de quem lhes deu inúmeras alegrias. E de quem esteve tempo suficiente dentro do clube para gravar indelevelmente o seu nome na história desse mesmo clube. (Sim, ainda me custa imenso que isto não se tenha passado com o Luisão e Nuno Gomes, por exemplo!)

Tal como o Rui Costa, o Jonas teve uma despedida à sua altura. Tal como o Rui Costa, o Jonas vestiu a mítica camisola 10 (agora, lembrem-se de a dar a um Djuricic qualquer...!). Tal como o Rui Costa, o Jonas esteve cinco anos no Benfica. Mas foram seguidos. E, felizmente, bem mais titulados: quatro Campeonatos Nacionais, uma Taça de Portugal, duas Taças da Liga e duas Supertaças. Duas vezes melhor marcador do campeonato (e não foram três, porque logo na época de estreia lhe foi vergonhosamente roubado um golo no último jogo por inexistente fora-de-jogo), fez 137 golos em 183 jogos (incrível média de 0,75 golos/jogo), o segundo estrangeiro mais goleador só atrás de Cardeuz (para citar o meu amigo João Gonçalves) com 171, dos quais 110 no campeonato. Para além dos números, um perfume inconfundível sempre que a bola tinha a felicidade de encontrar os seus pés, colocando-o indiscutivelmente na galeria dos melhores jogadores de sempre do nosso clube. Até porque o inédito tetra tem a sua marca em três desses títulos. E são os títulos que tornam as lendas imortais.

Foram cinco anos maravilhosos pelos quais te estarei eternamente grato, grande Jonas! Foi um privilégio inigualável ver ao vivo praticamente todos os teus jogos na Luz (a excepção é o Manchester United há dois anos). Porque quando alguém nos oferece Arte (sim, com ‘A’ maiúsculo), manda a decência nós agradecermos. Por tudo isto, muito obrigado, Jonas! Estarás para sempre (bem acompanhados por uns quantos) num degrau abaixo da águia.

domingo, julho 07, 2019

O milagre de Lage

Estava prometido desde o jogo com o Santa Clara, mas excesso de trabalho e consequente falta de tempo fizeram com que este post só pudesse surgir agora. Sim, já é um assunto do passado, mas uma promessa cumpre-se sempre e de qualquer maneira fica para memória futura.

O 37 foi um dos campeonatos mais épicos que conquistámos. Eu só tenho pena de não ter apostado 50€ em como seríamos campeões no dia 2 de Janeiro à noite. Neste momento, estaria certamente a escrever-vos das Seychelles. Quando nessa fatídica noite em Portimão, ficámos a sete pontos do primeiro lugar, a duas jornadas do final da 1ª volta, não havia uma santa alminha que pudesse vaticinar o que viria a suceder. E, verdade seja dita, era preciso ser louco para o fazer. Não só precisávamos de duas derrotas e um empate do 1º classificado, como iríamos visitar o terreno das equipas que acabaram por ficar nos sete primeiros lugares da época que findou (Mordor, WC, Braga, Guimarães, Moreirense e Rio Ave). Era impossível, obviamente! E no entanto…!

Bem pode muita gente vir dizer que teve grande influência nesta conquista (presidente incluído), que a verdade é só uma: o grande responsável foi exclusivamente Bruno Lage. Ponto final! Por uma razão muito simples: todos os outros já lá estavam desde o início da época e não só os resultados eram insatisfatórios, como a qualidade do nosso futebol foi bastante sofrível (para não dizer miserável) durante a maior parte do tempo. Foi só a vinda de Bruno Lage (e da sua equipa técnica) que permitiu potenciar enormemente todas as qualidades do plantel que estavam adormecidas e ainda ir buscar mais-valias à equipa B (Ferro e Florentino acima de tudo). Só assim foi possível, com todas aquelas saídas complicadíssimas, uma inacreditável série de 18 vitórias em 19 jogos (sendo o empate com o Belenenses SAD em casa consentido da maneira que foi). As vitórias no WC e em Mordor, e especialmente o modo categórico como foram conseguidas, ficarão para sempre na memória de todos nós, bem como a 2ª parte em Braga depois de estarmos a perder ao intervalo. Já em Guimarães, tivemos a sorte do jogo com o golo a surgir perto do fim, numa partida muito equilibrada. Mas o jogo de que eu me vou lembrar melhor no futuro é o 10-0 ao Nacional. Porque ele simboliza o que eu quero sempre do Benfica: a buscar constante do golo até o árbitro apitar para o final. O nunca abrandar e tentar sempre mais, independentemente do resultado. Ao contrário de muita estupidez que se disse e escreveu na altura, isso é que é respeitar o jogo, o adversário e o futebol.

Houve vários jogadores que se destacaram durante a época: o Pizzi com 13 golos e incríveis 18 assistências, o Rafa que finalmente atinou com a baliza e ficou em 3º lugar nos melhores marcadores com 17 golos, o Seferovic que foi o melhor marcador com 23 golos, o Rúben Dias que foi um esteio na defesa, o Samaris e o Gabriel como dupla de meio-campo que permitiu que jogássemos muito subidos, e o João Félix que entrou para titular com o Bruno Lage, originado a mudança do sistema para 4-4-2, e fez 20 golos (em todas as competições), 15 no campeonato, na sua época de estreia. Aliás, merece óbvio destaque os 103 golos marcados para o campeonato, que igualaram a nossa melhor marca conseguida em 1963/64, e o facto de termos tido cinco jogadores nos 11 melhores marcadores do campeonato (faltou referir o Jonas com 11 golos). Na baliza, melhorámos imenso com o Vlachodimos (também ficaria sempre a ganhar por comparação), apesar de este ter que melhorar (e muito) as saídas. As entradas do Ferro e do Florentino permitiram suprimir com bastante qualidade as lesões do Jardel e Gabriel em alturas cruciais da temporada.

A nova época já arrancou e estou muito curioso para ver como nos iremos apresentar. As expectativas são naturalmente altas, porque se em apenas quatro meses o Bruno Lage conseguiu melhorar o que conseguiu, eu faço ideia numa temporada inteira… Para já, perdemos o João Félix para o Atlético de Madrid, mas 120 M€ eram absolutamente irrecusáveis. Pontos para o Luís Filipe Vieira que disse que só vendia as pérolas do Seixal pela cláusula de rescisão e assim foi. No entanto, com a sua saída e a previsível reforma do Jonas, temos uma questão sobre o segundo avançado para resolver. Mas estou certo que o Bruno Lage saberá como fazê-lo. Porque já todos vimos que milagres é com ele.

quarta-feira, junho 12, 2019

Final Four

A selecção nacional venceu a Suíça por 3-1 há precisamente uma semana nas meias-finais e conquistou a 1ª edição da Liga das Nações ganhando 1-0 à Holanda no passado domingo. As duas últimas semanas de intenso trabalho impediram-me de postar mais cedo, mas de qualquer maneira não queria deixar de saudar este facto. É uma competição nova da UEFA, uma espécie de Taça da Liga, mas é oficial e portanto é prestigiante para nós sermos os primeiros vencedores. Jogámos em casa, é certo, mas como infelizmente sabemos desde 2004 isso por si só não era garantia de nada.

No jogo da meia-final, o Fernando Santos tentou inovar o sistema (4-4-2) com a estreia absoluta do João Félix ao lado do Cristiano Ronaldo, mas as coisas não resultaram bem, com aquele a passar ao lado do jogo. Os três golos de Portugal foram marcados pelo C. Ronaldo (25’, 88’, 90’) depois de o Felix Brych (este ladrão, lembram-se?) ter assinalado com a ajuda do VAR um penalty mais que duvidoso do Nélson Semedo, permitindo a igualdade dos suíços aos 57’. A exibição da selecção não foi nada de especial, os suíços equilibraram durante grande parte do tempo, mas o C. Ronaldo fez tombar a balança a nosso favor.

Na final frente à Holanda, o Fernando Santos deixou o Félix no banco, promoveu a titularidade do Gonçalo Guedes e voltou ao 4-3-3. Portugal melhorou consideravelmente em relação ao jogo anterior, com a equipa a parecer bastante mais concentrada e coesa. A 1ª parte foi muito boa, a Holanda praticamente não chegou à nossa baliza, mas acabámos por fazer o golo da vitória só na 2ª através de um forte remate do Gonçalo Guedes à entrada da área, depois de uma assistência do Bernardo Silva (60’). Depois do golo, defendemos muito bem com o Rúben Dias em destaque e fomos uns justos vencedores.

O Bernardo Silva foi considerado o melhor jogador da final four, o C. Ronaldo foi absolutamente decisivo na meia-final e o Rúben Dias valorizou-se imenso com estes dois jogos. Em Setembro, voltarão os jogos de qualificação para o Euro 2020, onde se espera que consigamos corrigir a falsa partida de dois empates consecutivos em casa.

domingo, junho 02, 2019

José Antonio Reyes (1983-2019)

Foi um prazer ver-te com o manto sagrado. Tive pena que só estivesses na época 2008/09 com ele, mas os golos frente à lagartada e ao Nápoles vão ficar para sempre na nossa memória. E quando voltaste à Luz na pré-temporada de 2009/10, tiveste a ovação merecida.

Um acidente de viação tirou-te ontem a vida. Todos nós ficámos em choque. Descansa em paz!

domingo, maio 19, 2019

O trinta e sete

Vencemos ontem o Santa Clara por 4-1 e sagrámo-nos campeões nacionais pela 37ª vez no nosso historial. Foi o quinto título nos últimos seis anos e esperemos que esta reconquista signifique igualmente o reinício de uma senda gloriosa que foi infelizmente interrompida na época passada.

Bastava-nos um ponto para sermos campeões, mas não só nenhum jogo se ganha antes de ser jogado, como também seria um pouco frustrante terminar o campeonato com um empate em casa e não ter conseguido assim uma brilhante série de 18 vitórias nos últimos 19 jogos. (E aquele empate com o Belenenses SAD foi tão escusado quanto estúpido…) Neste sentido, encarámos esta partida com a seriedade que se impunha, até porque há que dizer que o Santa Clara mostrou que pratica bom futebol e nunca desistiu durante todo o jogo. No entanto, nós revelámos uma eficácia enorme e marcámos em praticamente todas as ocasiões que tivemos. O primeiro golo surgiu aos 16’ numa abertura fantástica do Samaris, que isolou o Seferovic na área, este dominou de peito e à meia-volta rematou sem hipóteses para o guarda-redes Marco Pereira. Chegávamos aos 100 golos no campeonato! Impressionante! Os açorianos reagiram pouco depois e, na sequência de um canto, só não igualaram porque a cabeçada do Fábio Cardoso na pequena-área saiu ligeiramente por cima. Aos 23’, ampliámos a vantagem numa jogada de insistência do Rafa, com a bola a sobrar para o João Félix, que com uma simulação partiu os rins ao César (nosso ex-central) e fuzilou o guarda-redes. O trinta e sete estava perto, mas o Santa Clara voltou a criar perigo num livre do Bruno Lamas (bom jogador!) a passar muito perto do poste do Vlachodimos. A nossa vantagem começou a ficar insuperável com o 3-0 aos 39’: centro do André Almeida na direita, o Seferovic não conseguiu acertar bem na bola de cabeça, esta ressaltou num defesa e ficou à mercê do Rafa, que só teve que disparar para dentro da baliza. Mesmo em cima do intervalo, noutra boa jogada de combinação da nossa parte, o João Félix em excelente posição entro da área rematou ligeiramente por cima da barra.

Na 2ª parte, poderíamos ter aumentado o marcador logo no recomeço, mas o Rafa não dominou bem uma bola que tinha sido recuperada pelo Pizzi. O Santa Clara também teve uma boa chance, num remate de trivela do Ukra depois de uma bola perdida pelo Ferro em zona proibida, mas o remate saiu ao lado. Ainda assim fizemos o 4-0 relativamente cedo: centro do Grimaldo na esquerda aos 56’ e bis do Seferovic num remate de primeira de pé esquerdo. Igualávamos o nosso melhor registo de sempre de golos em campeonatos, conseguido em 1963/64, com o incrível número de 103! Pouco depois, aos 59’, o Santa Clara reduziu (justamente, diga-se) através de um canto, com o César a marcar na recarga, depois de uma cabeçada do Fábio Cardoso ao poste. Num gesto bonito e apesar de só ter estado uma época no Benfica, o nosso ex-central pediu desculpa pelo golo. Um dos momentos do jogo foi a entrada do Jonas aos 69’ para o lugar do João Félix. Quiçá a fazer o último jogo da carreira, o genial brasileiro entrou muito emocionado em campo e teve a equipa a tentar dar-lhe um golo, o que de certa maneira impediu que estabelecêssemos um novo recorde de golos no campeonato. Ainda teve duas ou três situações para marcar, mas o guarda-redes defendeu uma no limite e nas outras a pontaria esteve bastante desafinada. Do outro lado, o César poderia ter bisado, mas o Vlachodimos defendeu quase por instinto o remate de cabeça num canto e a recarga saiu muito por cima. Até final, ainda houve uma bola a bater na parte superior da nossa barra, entraram o Taarabt e o Salvio, para os aplausos ao Samaris (bem merecido para um jogador essencial na equipa e no plantel, e que tinha finalmente renovado esta semana) e Rafa, mas o resultado não se alterou mais.

Em termos individuais, destaque para o bis do Seferovic, que ajudou a torná-lo o melhor marcador do campeonato com 23 golos. O João Félix não começou bem o jogo, mas foi subindo de produção ao longo dele e também marcou o seu golito. O Rafa é outro dos imprescindíveis e acaba a época no 3º lugar dos marcadores com 17 golos. Incrível para quem nos anos anteriores tinha tido sempre uma relação muito difícil com a baliza…! O Samaris voltou a estar imperial no meio-campo, bem secundado pelo Florentino. Menos positiva é a prestação da nossa defesa e terminamos a época com 31 golos sofridos em 34 jogos, o que é manifestamente muito.

A análise desta brilhante conquista merecerá um post à parte, mas os números praticamente falam por si. E só quem não tem cérebro pode tirar mérito a esta vitória.

CAMPEÕES, CAMPEÕES, NÓS SOMOS CAMPEÕES!!!

segunda-feira, maio 13, 2019

Só mais um

Vencemos o Rio Ave em Vila do Conde por 3-2 e estamos a um singelo ponto de festejarmos o 37º título de campeão do nosso historial. Tal como se esperava, foi um jogo muito complicado, em que o Rio Ave mostrou a razão de estar a fazer uma excelente ponta final de campeonato que lhe permitiu empatar com o CRAC há duas jornadas.

Com a goleada deles no Nacional (4-0) mesmo antes de entrarmos em campo, a ténue esperança de podermos ser já campeões ontem esfumou-se logo. Eu estava obviamente bastante nervoso, mas as coisas não poderiam ter começado melhor: golo do Rafa aos 3’ a aproveitar muito bem um mau alívio de um defesa a um centro do André Almeida, depois de uma boa transição da nossa parte, com o Pizzi a abrir muito bem na direita no nº 34. O mais difícil estava (teoricamente) feito e tínhamos o resto do tempo para assentar o nosso jogo e aproveitar eventuais falhar contrárias. Ainda antes do quarto de hora, o Pizzi deveria ter feito melhor, num remate em arco depois de tirar um adversário no caminho, quando estava em boa posição. A meio da 1ª parte, foi o Vlachodimos a ajudar-nos a garantir a vitória, numa excelente defesa a um livre directo do Nuno Santos. Depois de um golo bem anulado ao Tarantini por claro fora-de-jogo, foi novamente o Pizzi a colocar o Leo Jardim em respeito por duas vezes, com remates perto da entrada da área. Em cima do intervalo, aumentámos a vantagem através do João Félix, numa jogada de contra-ataque bem construída pelo trio Félix, Seferovic e Pizzi, com aquele a isolar o nº 21, que não chegou à bola, mas o Léo Jardim deu um grande frango ao não agarrá-la na saída, e o Félix só teve que encostar. O Rio Ave protestou muito o lance por uma hipotética falta do Florentino na nossa área, mas a haver falta (o que, para mim, não é de todo claro) ela começa fora da área, portanto teria de ser aí marcada. O Sr. Hugo Miguel ouviu o VAR (Sr. Luís Godinho) e validou o golo.

Com uma vantagem de dois golos no recomeço, tínhamos tudo a nosso favor. No entanto, já deveríamos ter mais que percebido, desde o WC na Taça e Frankfurt, que nós não sabemos “gerir o jogo”. Reentrámos muito adormecidos e o Rio Ave reduziu logo aos 50’ pelo Tarantini que, depois de um passe/remate do Nuno Santos, apareceu isolado frente ao Vlachodimos, porque o André Almeida não acompanhou o resto da defesa e o colocou em jogo. Reagimos muito bem e aos 56’ voltámos a ter uma diferença de dois golos: excelente abertura do Ferro na esquerda para o Grimaldo, centro atrasado, a bola ressalta num defesa e vai ter com o nosso lateral-esquerdo outra vez, novo centro que encontra o Pizzi perto da marca de penalty e remate rasteiro deste de pé direito, com a bola ainda a bater no poste antes de entrar. Não deixámos o Rio Ave ter tempo para saborear a diferença mínima e o jogo entrou numa fase de loucos com parada-resposta. Por volta da hora de jogo, jogada parecida, com o Pizzi a variar o flanco para a esquerda para o Grimaldo, centro deste que encontrou o André Almeida sozinho perto da pequena-área, mas o remate de pé esquerdo foi defendido com o pé pelo guarda-redes. A resposta veio logo depois, com nova excelente defesa do Vlachodimos a um cabeceamento do Gelson Dala (bom jogador que os lagartos aqui têm). Esta toada estava longe de nos ser favorável, porque tínhamos dois golos de vantagem e estávamos a ficar muito expostos aos contra-ataques adversários. O Bruno Lage mandou (e bem) acalmar o jogo, fechámos linhas e o Seferovic poderia ter dado a machadada final a 15’ do fim, mas o seu remate, depois de passe de calcanhar do Rafa, foi bem cortado pelo Rúben Semedo. Entretanto, entrou o Gedson, saindo o Pizzi, para dar mais consistência ao nosso meio-campo, mas o Rio Ave conseguir mesmo reduzir aos 84’ num bom cabeceamento do entretanto entrado Ronan. Bem vistas as coisas, ainda tínhamos uma margem de dois golos que nos manteria no 1º lugar, mas não conseguir ganhar um jogo com esta marcha do marcador teria sido muito frustrante e inevitavelmente deixaria a equipa nervosa para a última jornada. O Cervi e o Jonas ainda entraram para refrescar a equipa e tivemos engenho para não deixar o Rio Ave criar grande perigo nos minutos finais. Ao invés, o Rúben Semedo terá feito um dos cortes do campeonato mesmo em cima dos 90’, impedindo o remate do Jonas de chegar à baliza. Teria sido o nosso golo 100 no campeonato, mas esperemos que ele surja para a semana.

Em termos individuais, o Samaris foi dos melhores em campo e será pouco menos que incompreensível se não renovar. Tanto dinheiro gasto em Filipes Augustos, Lemas, Contis e afins, que me custa a perceber que não haja dinheiro para um jogador não só desta qualidade, como com estes anos de casa. O Rafa voltou a ser muito importante pelo golo e pela maneira como acelera o nosso jogo. O João Félix já fez jogos melhores, mas muito do sucesso do nosso jogo atacante passa pela maneira como ele trata a bola. O Vlachodimos fez duas defesas que salvaram os dois pontos de vantagem que temos.

Falta-nos um ponto e recebemos o Santa Clara na Luz na última jornada. Nada está ganho ainda, o futebol reserva-nos muitas surpresas e imponderáveis (pode sempre haver uma expulsão nossa logo aos 5’ num lance de penalty), mas sejamos realistas: caso não sejamos campeões, será uma tragédia pior do que a do Kelvin. No entanto, da mesma maneira que o prato principal é o mais importante num restaurante, eu quero menu completo! Ou seja, acima de tudo obviamente o 37, mas também uma vitória (até porque ela significará chegar aos 100 golos) e o Seferovic como melhor marcador (tem um golo de vantagem sobre o Bruno Fernandes, que irá a Mordor pelo que não é expectável que faça muitos golos). Vamos lá, Glorioso, está quase! VIVA O BENFICA!

segunda-feira, maio 06, 2019

Goleada stressante

Vencemos o Portimonense na Luz por 5-1 no sábado e mantivemo-nos com dois pontos de vantagem perante o CRAC, que ganhou em Mordor ao Aves por 4-0. Quem olhar para o resultado sem saber nada do jogo, não ficará a perceber as dificuldades por que passámos: não só estávamos a perder aos 53’, como só tínhamos a vantagem de um golo aos 83’. Portanto não, uma “goleada stressante” não é um oxímoro.

Com o Jardel no lugar do castigado Rúben Dias, até nem entrámos mal no jogo e logo aos 9’ deveríamos ter inaugurado o marcado, quando, desmarcado pelo João Félix, o Seferovic conseguiu falhar isolado perante o guarda-redes pela terceira(!) jornada consecutiva: a tentativa de chapéu saiu muito curta e o Ricardo Ferreira só teve que levantar os braços para agarrar a bola. A partir daqui e até ao intervalo, a partida foi toda do Portimonense: não só trocava muito bem a bola, como manietava as nossas saídas logo a partir do guarda-redes e poderia ter inaugurado o marcador por três(!) vezes: dois remates do Dener (ao lado e por cima) em excelente posição, só com o Vlachodimos pela frente, e outro isolado em que o nosso guardião defendeu com o pé poderiam ter dado ao marcador números difíceis para nós superarmos. Do nosso lado, dois remates do Pizzi relativamente frouxos e um grande livre do Samaris mesmo à beira do intervalo, bem defendido pelo Ricardo Ferreira, levaram algum perigo à baliza dos algarvios, mas muito menos do que o do lado contrário.

A impressão generalizada na bancada durante o descanso era a que estávamos a acusar a pressão de ter de ganhar, agravada pelo facto de o Portimonense estar a jogar muito bem. Ao contrário do que seria de esperar, as coisas não se alteraram muito no início da 2ª parte. Continuámos manietados e, para piorar as coisas, sofremos um golo aos 53’ através do Tabata, depois de uma triangulação que o deixou sozinho frente ao Vlachodimos. Foi um enorme balde de água fria, mas a Luz começou a despertar e respondeu com palmas e incentivos à equipa. Por volta da hora de jogo, entrou o Jonas para o lugar do Samaris e seguiu-se não 15’, mas uma meia-hora à Benfica! Tudo começou num excelente passe do Rafa, que isolou o João Félix, mas um defesa conseguiu acompanhá-lo e cortou a bola. Aos 62’, fizemos a igualdade pelo Refa, que ganhou muito bem a bola a um defesa numa zona proibida e, à saída do guarda-redes, picou-a por cima dele. Pouco depois, o mesmo Rafa permitiu a defesa do Ricardo Ferreira, depois de uma boa jogada de combinação da nossa parte, com o Seferovic a atirar à barra na recarga, mas já em fora-de-jogo. A nossa pressão era asfixiante e o Grimaldo teve um remate fora da área, que o guarda-redes defendeu para a lateral. Finalmente aos 66’, a Luz deu um grito que não se ouve muitas vezes com o 2-1 pelo Rafa, a concluir uma jogada de insistência, com o Pizzi a isolar o Seferovic, este a centrar para trás, ressalto no Grimaldo para o nº 27 concluir com êxito. O grito da Luz foi uma autêntica panela de pressão que explodiu, semelhante ao primeiro golo do tri. Ainda faltava muito tempo para o fim e a equipa não estava tranquila, até porque com a saída do Samaris, havia espaço a mais no nosso meio-campo. O Florentino fez um mau passe na saída para o ataque, mas felizmente o remate do Tabata foi defendido pelo Vlachodimos. Pouco depois, foi o Lucas Fernandes a rematar à vontade à entrada da nossa área e a permitir nova defesa ao Vlachodimos. Para terminar, o Jonas homenageou o Pizzi frente ao V. Setúbal no ano do tri e isolou um adversário, mas o Vlachodimos por uma vez foi lesto a sair da baliza e, na sequência do lance, o Jardel fez um corte providencial. Estávamos a pouco mais de 10’ e um golo sofrido nessa altura teria sido muito complicado. Com visíveis dificuldades em segurar o jogo, o Bruno Lage fez entrar o Gedson para o lugar do exausto João Félix e começámos a reequilibrar as coisas. Aos 84’, finalmente suspirámos todos de alívio com o 3-1 do Seferovic a corresponder com um bom remate cruzado a uma assistência do Pizzi. A partir daqui, o Portimonense foi às cordas e ainda marcámos mais dois golos: aos 88’, bis do suíço (importante para conseguir ganhar o troféu de melhor marcador), depois de uma jogada de contra-ataque e um centro rasteiro do André Almeida; e, já na compensação, o Jonas voltou aos golos, noutra jogada de contra-ataque iniciada por ele, com outro centro do André Almeida para o nosso nº 10 fazer de cabeça o 300º golo da sua carreira.

Em termos individuais, óbvio destaque para o Rafa que desbloqueou o jogo para nós com o seu bis. O Pizzi, apesar de um jogo menos conseguido, fez mais uma assistência e o André Almeida mais duas. Ambos têm números inacreditáveis de passes para golo! O Samaris estava a ser dos menos maus, mas teve que ser sacrificado para a entrada do Jonas. O Florentino não pode arriscar tanto quando está no nosso meio-campo, mas há que ter noção de que tem apenas 19 anos. O Seferovic teve um falhanço escandaloso no início, mas somou mais dois golos (e ainda bem, porque o Bruno Fernandes fez um hat-trick frente ao Belenenses e o suíço só tem dois golos de vantagem agora). O João Félix, desta vez, passou mais despercebido, mas não se pode ser genial em todos os jogos.

Para a semana, vamos a Vila do Conde para a penúltima das finais. Faltam quatro pontos para sermos felizes. Está tão perto e ainda falta sofrermos tanto...!

segunda-feira, abril 29, 2019

Estofo

Vencemos em Braga por 4-1 e demos um passo muito importante na desejada conquista do 37, porque o CRAC empatou no Rio Ave na 6ª feira (2-2), depois de estar a ganhar por 2-0 aos 84’, e ficámos assim com dois pontos de vantagem sobre eles. Foi um fim-de-semana absolutamente maravilhoso!

Com quase dois dias para absorver a benesse de Vila do Conde, todos nós estávamos em pulgas pelo jogo de domingo. Teoricamente seria o jogo mais complicado até final do campeonato e havia que nos mentalizarmos que, quando o jogo começasse, estávamos um ponto atrás do CRAC (e não dois à frente!). Com um Lexotan no bucho, porque eu não arrisco nos finais dos campeonatos, estava obviamente muito nervoso e a 1ª parte veio dar razão aos nossos temores. Fomos completamente manietados pelo Braga, que raramente nos deixou sair a jogar, o Samaris e o Florentino no meio-campo pareciam perdidos, a bola quase nunca chegou em condições aos dois da frente e, para piorar as coisas, sofremos o 0-1 aos 35’ num penalty marcado pelo Wilson Eduardo: duplo erro nosso, do Florentino que foi batido pelo Fransérgio e não o derrubou, deixando-o entrar na área, e do Rúben Dias, que fez a falta numa altura em que o jogador do Braga flectia para a direita e o Vlachodimos estava pronto para fazer a mancha. Apesar da pressão exercida sobre nós, as oportunidades de golo tinham-se equivalido até então, com o Rafa a falhar escandalosamente um centro para o Seferovic, que estava completamente isolado, logo aos 3’, e um remate rasteiro do André Almeida, que saiu perto do poste. Quanto a eles, um lance do Paulinho que rematou contra o Rúben Dias poderia ter criado grande perigo e uma cabeçada do Wilson Eduardo, que se antecipou ao Grimaldo, saiu muito por cima.

Ao intervalo, o panorama estava muito negro, porque não só estávamos a perder, como não tínhamos dado sinais na 1ª parte de conseguir inverter isso. Havia, no entanto, também a expectativa de saber se o Braga conseguiria manter o nível de pressão do primeiro tempo. Não conseguiu. Entrámos fortíssimos na 2ª parte e um remate do João Félix foi defendido pelo Tiago Sá para o poste logo no reinício e já depois de um livre do Grimaldo, ainda muito longe, ter também sido defendido para o lado pelo guarda-redes. O Braga mal saía do seu meio-campo e aos 59’ beneficiámos de um penalty por falta do Esgaio sobre o João Félix. Há por aí muita polémica, mas é para malta que tem problemas de visão (ou de verticalidade na coluna): vê-se bem numa repetição que o pé esquerdo do Félix é tocado pelo defesa do Braga que, aliás, nem protesta! Deve ter sido dos poucos penalties em Portugal em que um jogador não esboçou um único protesto! O Pizzi rematou rasteiro para o lado esquerdo do guarda-redes, que se atirou para o lado contrário. Ainda com a 1ª parte muito fresca na memória, por mim, o jogo poderia ter acabado logo ali. No entanto, ainda bem que os jogadores do Benfica tinham outras ideias. Aos 66’, o Sr. Tiago Martins marcou o terceiro penalty do jogo, segundo a nosso favor, por mão do Bruno Viana depois de uma boa combinação atacante entre o Pizzi e o João Félix. O passe é um pouco à queima, mas o jogador do Braga abre os braços. Já vi muitos penalties marcados por muito menos. Pareceu-me nas imagens que o João Félix foi perguntar ao Pizzi se ele queria marcar, o nº 21 disse que sim e ainda marcou melhor do que o primeiro: remate para o mesmo lado, mas para o canto superior da baliza que não daria hipóteses ao guarda-redes, mesmo que ele tivesse acertado no lado. Dávamos a volta ao jogo e três minutos depois, aos 69’, criámos uma distância de segurança com o 1-3 pelo Rúben Dias, a corresponder muito bem de cabeça a um belo canto do Pizzi. Foi a loucura no nosso banco e o meu grito também se deve ter ouvido em Braga. Escaldados com o que se passou na 6ª e também com o nosso jogo frente ao Belenenses, havia que ter muita concentração para não sofrer um golo que pudesse abrir novamente o jogo. E jogámos de forma muito inteligente, defendendo bem e tentando sempre o contra-ataque para colocar o Braga em sentido. O Abel Ferreira ainda colocou o Dyego Sousa em campo, que numa bicicleta criou perigo, mas a bola saiu à figura do Vlachodimos. Quanto a nós, tivemos mais do que uma ocasião para aumentar a vantagem, com o João Félix a proporcionar mais uma defesa ao Tiago Sá, com o Rafa na recarga de cabeça a atirar também na direcção do guarda-redes, mas conseguimo-lo aos 90’: o Rafa isolou o Seferovic, que permitiu uma defesa do guarda-redes com o pé, a bola sobrou para um jogador do Braga que ficou a dormir, o Rafa roubou-a e fez uma jogada à Maradona, passando por três adversários, e atirando a bola com o pé esquerdo para um dos cantos da baliza. Estava dada a machadada final e selada a nossa brilhante vitória.

Em termos individuais, óbvio destaque para o Pizzi com dois golos e mais uma assistência, para o Rafa que dinamitou a defesa contrária na 2ª parte e para o Ferro, que foi sempre imperial na nossa defesa. O João Félix não marcou, mas muito do nosso jogo passou por ele, e o Seferovic está numa fase em que falha muitos golos, mas o seu trabalho de desgastar a defesa contrária é insubstituível. Em geral, toda a equipa subiu muito na 2ª parte e a justeza da vitória é indiscutível.

Faltam três jogos e sete pontos. Nunca é demais relembrar que já estivemos numa situação ainda melhor que esta, em que também faltavam três jogos, dois dos quais em casa, tínhamos não dois, mas quatro pontos de vantagem e conseguimos perder esse campeonato. Portanto, toda a concentração é pouca, porque ainda não ganhámos nada.

quarta-feira, abril 24, 2019

Moralizador

Vencemos o Marítimo por 6-0 na 2ª feira e reassumimos a liderança do campeonato, com os mesmos pontos do CRAC, mas com uns incríveis 25 golos marcados a mais (87 contra 62). Foi uma boa exibição, mas só na 2ª parte, apesar de os madeirenses raramente terem criado perigo durante todo o jogo.

O Marítimo trocou-nos as voltas e atacámos para a baliza sul na 1ª parte, ao contrário do que costumamos fazer. Com o castigo do Rafa, foi o Cervi a ocupar o seu lugar e não poderíamos ter começado melhor, com o 1-0 logo aos 3’ num golão do João Félix, na sequência de um canto à Camacho do Pizzi (finalmente resultou!). O mais difícil estava aparentemente feito, mas a nossa exibição foi um pouco descolorida no primeiro tempo. O Marítimo continuava a fechar-se muito e nós não tínhamos a dinâmica de jogos passados, sendo algo lentos nas variações de flanco. Mesmo assim, um remate do Grimaldo permitiu ao Charles uma defesa incompleta e o Seferovic começou a sua lista interminável de falhanços, ao permitir também a defesa do guarda-redes, quando estava isolado depois de um passe fantástico do João Félix. Pelo meio, o Marítimo colocou a bola na baliza num canto, mas o Vlachodimos não lhe conseguiu tocar por causa de um defesa que lhe fez parede na pequena-área. O Sr. Luís Godinho assinalou (e bem, para mim) a falta, mas o nosso guarda-redes tinha obrigação de sair de outra forma.

Na ressaca de um jogo europeu, as segundas partes costumam ser mais difíceis do que as primeiras, por causa da quebra física. No entanto, e apesar de a chuva ter caído quase ininterruptamente durante o jogo todo, isso não aconteceu desta vez. Voltámos a marcar muito cedo, aos 49’, pelo Pizzi na sequência de um centro do André Almeida, depois de o canto do Grimaldo ter sido aliviado para o nosso nº 34. O remate do Pizzi ainda desviou num defesa, antes de passar por baixo das pernas do guarda-redes. O resultado já nos punha a salvo de um erro que pudesse acontecer, mas uma das vantagens do Benfica actual é que não se sacia e fomos à procura de aumentar o marcador. O que deveria ter acontecido pouco depois, mas o Seferovic falhou provavelmente o golo mais fácil do ano, na marca de penalty só com o guarda-redes pela frente, depois de um passe do Pizzi. Aos 64’, dissipávamos as dúvidas de vez com o 3-0, num bis do João Félix de primeira depois de um centro da direita do André Almeida. Aos 74’, começámos a construir a goleada através do Cervi, que picou a bola à saída do Charles, depois de brilhantemente desmarcado pelo João Félix. Com o jogo ganho, o nº 79 foi descansar para entrar o Jonas. Jonas esse que assistiu a cabeça do Seferovic, mas o suíço estava definitivamente infeliz na concretização e a bola saiu muito ao lado. Entretanto, já o Rúben Dias tinha saído, não lhe fosse passar uma coisa má pela cabeça e visse um amarelo que o tirasse de Braga, entrando o Taarabt e depois foi a vez do Pizzi ir descansar para o Salvio poder acumular minutos. O Marítimo dava pancada escusada (o Samaris e o Ferro que o digam), mas não se livrou de sofrer mais um golo, aos 89’ num bis do Cervi, com um remate de ressalto de fora da área que entrou rasteiro junto ao poste. Em cima dos 90, ainda fizemos a meia-dúzia num excelente cabeceamento do Salvio a corresponder ao centro largo do Grimaldo.

Em termos individuais, destaque para o João Félix com um bis e uma assistência. Apesar de o que disse o nosso presidente, temo bem que tenha sido a antepenúltima vez que o vimos ao vivo na Luz... O Cervi, que até nem estava a fazer uma grande exibição, também merece destaque pelos golos, que espero que lhe aumentem a moral. O Samaris continua o patrão do meio-campo, muito bem acompanhado pelo Florentino que foi dos melhores em campo (seria mesmo o melhor para mim, caso o João Félix não tivesse feito dois golos e uma assistência). Falando em assistências, o André Almeida lá somou mais duas e o Pizzi mais uma para os respectivos currículos. O Vlachodimos não teve grande trabalho, mas tem que melhorar bastante as saídas dos postes.

No próximo domingo, teremos possivelmente o jogo mais complicado até final do campeonato. A ida a Braga poderá decidir muita coisa, porque se um resultado negativo deitará tudo a perder, um positivo dar-nos-á uma moral muito grande para os restantes três jogos. Espero que este resultado frente ao Marítimo tenha dado o alento à equipa que ela precisa, para entrar com tudo em Braga e voltar às exibições categóricas para o campeonato no WC e Mordor. Se assim for, a probabilidade de sairmos contentes de Braga é bastante grande.

domingo, abril 21, 2019

Desilusão

Perdemos em Frankfurt frente ao Eintracht (0-2) na passada 5ª feira e dissemos ingloriosamente adeus à Liga Europa. Depois do que vimos da 1ª mão, já se sabia que ia ser complicado, mas o que não se esperava é que déssemos uma tão pálida imagem daquilo que valemos.

O Bruno Lage lançou o Jardel, o Fejsa e o Gedson, como já tinha feito no jogo da Luz, mas o resto da equipa foram os habituais titulares. Apesar disto, cometemos o mesmo erro da Taça no WC: não entrámos para marcar um golo e ficámos na expectativa. Desde há muito tempo, e particularmente agora, que não temos equipa para estar à espera do que o adversário vai fazer. Quando entramos para ganhar, geralmente ganhamos. Foi assim no WC e em Mordor para o campeonato. Quando não fizemos, fomos eliminados de duas provas. Ao contrário do que eu esperaria, o Eintracht não entrou a todo o gás, parecendo temer o nosso contra-ataque que, diga-se de passagem, nunca existiu, até porque o Rafa terá feito dos piores jogos esta época. Obviamente que é mais fácil dizer isto a posteriori, mas colocá-lo na direita não terá sido grande ideia… Estava tudo a correr na modorra que pretendíamos, quando sofremos o primeiro golo aos 36’: remate ao poste do Gacinovic e o Kostic em claríssimo fora-de-jogo a marcar na recarga. Erro grosseiro da equipa de arbitragem do italiano Daniele Orsato que, como não há VAR na Liga Europa, não foi corrigido. Para piorar as coisas, o Bruno Lage foi expulso do banco por causa deste lance. A um golo da eliminação, ficou evidente que teríamos de mudar de atitude e tentar marcar.

E foi isso mesmo que tentámos fazer no início da 2ª parte, em que tivemos finalmente algumas oportunidades. Uma boa jogada pela esquerda do João Félix não encontrou o desvio pretendido na área e uma excelente abertura do Samaris para a cabeça do Seferovic deu a sensação que poderia ser golo, mas a bola não fez o arco suficiente para passar por cima do guarda-redes Trapp. Os alemães responderam e acabaram por marcar o golo da qualificação aos 67’: mau alívio da nossa defesa e remate do Rode à vontade à entrada da área, que fez a bola entrar no canto inferior direito da baliza. Tudo a dormir entre defesas e médios nossos! A necessitar de marcar um golo, o Bruno Lage começou a fazer substituições, mas a meu ver não foi feliz a escolher o Samaris para sair (estava a ser dos nossos menos maus jogadores) para entrar do Pizzi. Pouco depois, o Salvio regressou aos relvados desde o jogo de Istambul e saiu o Rafa. Na fase do desespero, ainda entrou o Jonas para o lugar do André Almeida. Os alemães foram defendendo bem, connosco a ter uma oportunidade ainda que relativa pelo João Félix de cabeça num livre e principalmente num remate de primeira do Salvio ao poste, após centro do Grimlado, com o guarda-redes a tocar muito ligeiramente na bola (nem canto foi), mas se calhar o suficiente para não entrar. Nos últimos minutos, não tomámos as melhores opções no ataque (muito mais coração do que cabeça) e não conseguimos criar mais perigo.

Em termos individuais, não vou destacar ninguém, porque a exibição foi fraca colectivamente. Quanto aos menos, se o Jardel começou mal, mas depois se recompôs, o mesmo não se poderá dizer do Fejsa: muito lento na reacção, os adversários passaram por ele com facilidade e as dificuldades habituais a fazer fluir o jogo. Neste momento, o jogador mais vezes campeão do plantel está completamente ‘fora dela’. Gosto imenso do Fejsa, mas até para ser protegido é melhor que só volte quando estiver em plena forma.

Jogaremos amanhã em casa frente ao Marítimo na única prova que poderemos ganhar este ano. Que é também o troféu mais desejado. Não podemos mesmo falhar, porque depois da recuperação que fizemos, morrer na praia seria inglório. Força Benfica!

segunda-feira, abril 15, 2019

Complicado

Vencemos o V. Setúbal na Luz por 4-2 e mantemo-nos na liderança do campeonato com os mesmos pontos do CRAC, que venceu 3-0 em Portimão. Foi mais um jogo em que tivemos que suar bastante para conseguir os três pontos, mas a justeza da nossa vitória é incontestável.

Com o regresso dos titulares, o Florentino voltou a ocupar a posição do Gabriel e não poderíamos ter tido melhor entrada no jogo: marcámos logo aos 2’ através do Rafa, a corresponder bem a um centro da direita do João Félix. Depois da partida europeia há apenas três dias, marcar logo no início era o melhor que nos podia acontecer para nos tranquilizar. Durante os minutos seguintes, continuámos a exercer enorme pressão e tivemos mais duas oportunidades, num pontapé de bicicleta falhado pelo Pizzi e, principalmente, numa jogada do João Félix que passou por vários adversários e rematou com a bola a ser desviada por um defesa para canto, com o Makaridze preso ao relvado. Do lado contrário, só um remate do Jhonder Cádiz criou perigo, ainda que relativo, porque o Vlachodimos estava a controlar a trajectória da bola. Aos 26’ tivemos uma ocasião soberana para fazer o segundo golo num penalty a castigar mão do Rúben Micael a desviar o remate do João Félix. O Sr. Rui Gomes Costa (continuo a recusar-me poluir o nome ‘Rui Costa’ com este senhor) teve que ir ver as imagens para o assinalar, mas o Pizzi rematou para defesa do Makaridze. Pouco depois foi uma cabeçada por cima do João Félix e outra tentativa (dupla) do Rafa que deveriam ter tido melhor destino, mas aos 36’ fizemos finalmente o 2-0: bis do Rafa a corresponder bem a mais uma assistência do João Félix, que ganhou a bola a um defesa depois de uma insistência do Seferovic. Deveríamos ter ido para o intervalo com esse conforto de dois golos de vantagem, mas sofremos o 2-1 aos 39’ numa boa jogada de contra-ataque, conduzida pelo Berto na direita, que bateu o Ferro, e bem concretizada pelo Nuno Valente, depois de uma assistência do Rúben Micael.

Nas partidas depois das competições europeias, há sempre o temor resposta física da equipa, que geralmente costuma ressentir-se na 2ª parte. E, de facto, não recomeçámos bem ao permitir ao V. Setúbal ter mais bola, sem no entanto criar ocasiões para marcar. Era imprescindível aumentar-nos de novo a vantagem que nos desse alguma folga e assim o fizemos aos 56’ numa jogada em que o Florentino roubou uma bola a meio-campo (já se fizeram os testes devidos para saber se não estamos em presença de um plastic man...? Eu iria jurar que vi a perna aumentar para fazer o corte...), esta sobrou para o Pizzi, que centrou para o João Félix fuzilar de primeira. O V. Setúbal não desarmou e o Berto teve um remate por volta da hora de jogo que proporcionou ao Vlachodimos a defesa da noite. Iríamos conseguir selar definitivamente a vitória aos 77’ no golo da praxe do Seferovic, a corresponder bem com um remate muito colocado de pé esquerdo a uma assistência do Rafa, numa jogada iniciada pelo próprio suíço que colocou a bola no nº 27 para depois a receber de novo. A dois minutos dos 90’, o Sr. Rui Gomes Costa voltou a recorrer às imagens para assinalar um penalty contra nós, por pretensa falta do Rúben Dias sobre o Vasco Fernandes na sequência de um livre. O Jhonder Cádiz (a propósito, se calhar deveríamos considerá-lo para reforçar o plantel para o ano, não? Estamos com falta de pontas-de-lança, este é alto, rápido, marca golos e deu imenso trabalho aos nossos centrais) marcou à Panenka e fez o resultado final. Que poderia não o ter sido, se o Jonas (entrou para o lugar do Seferovic) não tivesse falhado um dos golos mais fáceis da carreira ao atirar de cabeça ao lado, quando só tinha o Makaridze pela frente, depois de um centro perfeito do Taarabt (que também tinha entrado para o lugar do João Félix).

Em termos individuais, destaque para a dupla Rafa e João Félix: o primeiro com um bis e uma assistência, e o segundo com um golo e duas assistências foram absolutamente vitais para a nossa vitória. Voltei a gostar muito do Samaris no meio-campo e o Florentino também fez uma boa partida. O Pizzi esteve uns furos abaixo do habitual, mas lá fez mais uma assistência. Os centrais tiveram muito trabalho com o Jhonder Cádiz e o Rúben Dias tem que ter mais cuidado na abordagem aos lances, porque embora o penalty seja duvidoso, não o seria se ele tivesse tido esse cuidado.

Iremos agora a Frankfurt tentar selar o nosso apuramento para as meias-finais da Liga Europa, antes de recebermos o Marítimo. Será uma partida complicadíssima, mas, apesar de o 37 ser a prioridade,  esperemos que o nosso caminho para Baku não seja interrompido.

sexta-feira, abril 12, 2019

Conversas à Benfica

Depois de convidados ilustres como o Nicolia, o ex-treinador Rui Vitória, o grande Ricardo Rocha e o enorme Nuno Gomes, o Sérgio Engrácia resolveu convidar um palerma...! Teme-se o pior!

 

P.S. - Muito obrigado ao Sérgio pelo convite! Foi obviamente um prazer e um honra. Se se divertirem tanto a ver como nós a fazer, terá valido a pena.

João Félix

Vencemos o Eintracht Frankfurt por 4-2 na 1ª mão dos quartos-de-final da Liga Europa. Se me propusessem este resultado antes do jogo, assiná-lo-ia de cruz. Mas com as condicionantes da partida, nomeadamente o facto de termos ficado a jogar contra dez aos 20’ e termos sofrido dois golos em superioridade numérica, o resultado acaba por ser curto e iremos ter muitas dificuldades na Alemanha na próxima semana.

O Bruno Lage rodou a equipa, como tem vindo a ser habitual na Liga Europa. Confesso que estranhei tantas mudanças (não só entraram o Corchia, Jardel, Fejsa, Cervi e Gedson, como jogámos em 4-3-3 com o João Félix a ponta-de-lança e não no habitual 4-4-2), mas como costuma dizer-se “o treinador é que sabe” e o Bruno Lage já provou que sabe mesmo. Mesmo assim, os primeiros 20’ foram muito complicados e, enquanto houve igualdade numérica, a superioridade dos alemães foi clara, a justificar o facto de estarem em 4º lugar na Bundesliga. A pressão deles a meio-campo era enorme e nós tínhamos grandes dificuldades para sair a jogar. Uma enorme asneira do Jardel permitiu que o Jovic se isolasse, mas felizmente o Grimaldo foi rápido na dobra. Jovic esse que viu o primeiro amarelo do jogo logo aos 4’ por agarrar o Rafa num contra-ataque nosso. (Se fosse no campeonato português, o árbitro teria aconselhado calma porque estávamos no início do jogo. Diferenças...) Depois de mais um par de remates à nossa baliza, aos 20’surgiu o lance que mudou o jogo: fabulosa abertura do João Félix a isolar o Gedson, que foi claramente empurrado pelas costas dentro da área, quando se preparava para rematar. Penalty claro e expulsão do Ndicka. Sem Jonas, nem Pizzi, nem Salvio na equipa, estava curioso para ver quem marcava o penalty. Foi o João Félix, que não acusou a responsabilidade e rematou muito colocado para o lado esquerdo da baliza, tornando infrutífera a estirada do Trapp (claro está que, pessimista como sou, quando vi que era ele a marcar lembrei-me logo do penalty que falhou na pré-temporada frente à Juventus... Felizmente não o repetiu!). Esperava que, em vantagem no marcador e em termos numéricos, pudéssemos construir um resultado confortável para a 2ª mão, mas os alemães deram logo mostras de que conseguiam equilibrar o jogo mesmo com dez. Naturalmente que não fizeram a pressão do início, mas foi a suficiente para aproveitarem um enorme erro do Fejsa aos 40’, que se deixou antecipar depois de receber um passe do Corchia (que também esteve mal, porque movimentou-se em direcção aos jogadores alemães, em vez de dar uma linha de passe ao sérvio) e proporcionou um contra-ataque vitorioso concretizado pelo Jovic. Foi um balde de água fria, bem escusado. No entanto, respondemos em grande três minutos depois num golão do João Félix, que recebeu um passe do Cervi e rematou rasteiro de fora da área ao canto inferior esquerdo da baliza. Antes do intervalo, o Cervi teve uma dupla oportunidade, num remate que saiu à figura e noutro, na sequência desse canto, muito por cima. Poderia e deveria ter feito melhor em ambos os casos. Mesmo em cima do intervalo, os alemães tiveram um golo anulado por fora-de-jogo, depois de um livre lateral em que eu não percebo como é que nós deixámos um adversário rematar à vontade à entrada da área.

Reentrámos em grande na 2ª parte e tivemos 10’ ‘muita’ fortes (como diria o outro). O Rafa atirou ao poste numa boa jogada, mas o lance foi invalidado por fora-de-jogo. Logo a seguir, aos 50’, fizemos o 3-1 na sequência de um canto, com um desvio ao primeiro poste de cabeça do João Félix e o Rúben Dias a mergulhar para colocar a bola na baliza. Os alemães abanaram e aos 54’ o resultado avolumou-se para 4-1: boa jogada colectiva com a bola a passar por vários jogadores, o Cervi abriu na esquerda no Grimaldo, este centrou e o João Félix fez o seu primeiro hat-trick com a gloriosa camisola, com um remate rasteiro de primeira que passou pelo meio das pernas do Trapp. Aos 60’, o Bruno Lage tirou o Rafa para entrar o Seferovic e aos 66’ tivemos o azar da lesão do Corchia, que fez com que o Gedson tivesse que recuar para lateral, entrando o Pizzi. Perdemos um pouco de gás, mas mesmo assim poderíamos ter feito mais um golo, com o Seferovic isolado brilhantemente pelo João Félix a rematar rasteiro para grande defesa com o pé do guardião contrário. Seria provavelmente o golpe de misericórdia na eliminatória, mas o que aconteceu foi o inverso: aos 72’, num canto para os alemães, o entretanto entrado Gonçalo Paciência reduziu para 4-2, com os nossos centrais a ficarem mal na fotografia, dado que nem saltaram. A bola entrou em arco no poste oposto. Foi outro balde de água fria, ainda mais escusado do que o primeiro. Abanámos com este golo e foram os alemães que poderiam ter feito mais um, num remate por cima do Kostic em boa posição. Ainda entrou o Zivkovic para o lugar do Samaris, num sinal do Bruno Lage para o campo de que queria mais um golo, mas o resultado não se alterou mais.

Em termos individuais, é impossível não destacar a noite de sonho do João Félix: três golos, uma assistência (e outra para o penalty) e tem a Europa a seus pés. Temo muito que tenhamos apenas mais sete (esperemos que dez) jogos para usufruirmos dele com o manto sagrado. Vai ser muito difícil mantê-lo apesar de, para a sua própria carreira, ser melhor que ficasse mais um (ou dois) anos cá. Há ‘n’ casos de jogadores que saíram novos demais de Portugal e não tiveram sucesso. Enfim, aguardemos para ver o que se irá passar. Outro que fez um jogo fantástico foi o Samaris. Imprescindível no meio-campo, já mais que justificou a renovação e tem o extra de ser uma das vozes mais importantes no balneário. É para ficar! O Gedson também reapareceu em grande e foi o que mais procurou entrar na defensiva contrária. Acabou a defesa-direito, onde não comprometeu. Menos bem estiveram o Jardel e principalmente o Fejsa, que denotaram clara falta de ritmo. O Corchia, que se acabou por lesionar, também mostrou porque é que o André Almeida é um titular indiscutível. O Cervi esforça-se imenso, ajuda muito o Grimaldo, mas as coisas já lhe correram melhor.

Na próxima semana em Frankfurt, é imprescindível marcarmos primeiro. Caso aconteça o contrário, iremos sofrer bastante, porque em igualdade numérica os alemães revelaram um poderio considerável. Claro que o foco principal é o campeonato, mas depois deste resultado seria frustrante não chegarmos às meias-finais da Liga Europa.